Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > Alie-se aos atletas de quatro patas!

Alie-se aos atletas de quatro patas!

Categoria: Desporto
Visitas: 4
Comentários: 1
Alie-se aos atletas de quatro patas!

De uma forte relação que remonta a tempos imemoráveis – o Homem e o cavalo – brotou um desporto que tudo deve à capacidade exibida pelo cavaleiro para adestrar e estimular o verdadeiro “atleta”, que é, na realidade, o dispensador do esforço no decurso das provas.

Como desporto, o hipismo, ou equitação, passou a integrar o programa oficial dos Jogos Olímpicos da Era Moderna desde 1912. Trata-se de uma modalidade em que mulheres e homens competem em simultâneo, apesar de as classificações serem feitas em separado.

Há mais de 3000 anos que se monta a cavalo. Contudo, considera-se a génese do hipismo apenas a partir da segunda metade do século XVIII, altura em que se principiou a valorizar os saltos. Segundo consta, foram os ingleses, nas famosas caçadas às raposas, que incrementaram os saltos de obstáculos.

O intuito fundamental das provas de saltos é ajuizar algumas qualidades do cavalo, como força, potência, obediência, velocidade e respeito pelo obstáculo, mas o cavaleiro também é apreciado. Ganha o concorrente que tiver menos penalizações (por exemplo, uma derrubada causa quatro pontos de penalização e uma queda do cavalo ou do cavaleiro é sinónimo de eliminação) e fizer o percurso de forma mais célere, ou então o que somar mais ou menos pontos, consoante o tipo de desafio.

Existem vários estilos de concursos dentro dos saltos de obstáculos fixos ou móveis, como as provas com e sem cronómetro, com barrage – os conjuntos que no primeiro percurso tiveram os mesmos pontos, desempatam, num trajecto reduzido, com base nas penalizações e no tempo –, e, ainda, as provas de potência (um máximo de quatro barrages, onde a altura dos obstáculos é continuamente elevada).

Paralelamente aos saltos, o hipismo tem outras variantes. O ensino (dressage) constitui uma espécie de ginástica para o cavalo. Trata-se de uma disciplina básica e, em competição, permite aferir acerca da perfeição dos movimentos do cavalo e do cavaleiro, tanto no passe, como no trote ou no galope. Os raides (enduro) são corridas disputadas em grandes distâncias, num dia só ou em diferentes jornadas, em trajectórias detendo obstáculos naturais. O volteio é uma disciplina muito complicada, obrigando os cavaleiros, individualmente ou em equipa, a mostrar habilidades (cambalhotas, ficar em pé, etc.) em cima do cavalo, como no circo. O concurso completo de equitação (CCE) é a prova-raínha do hipismo, conjugando ensino, raide e saltos.

A atrelagem tem a sua génese nas corridas da Roma antiga. Existem ainda duelos de equitação no trabalho, equitação adaptada e, ultimamente, apareceu a equitação terapêutica (hipoterapia) como alternativa de tratamento de várias enfermidades.

O hipismo tem já dois “descendentes”: o pólo (onde se utilizam tacos para impulsionar uma bolinha) e o horseball (em que se joga com as mãos uma bola parecida com a de voleibol).



Maria Bijóias

Título: Alie-se aos atletas de quatro patas!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

726 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Yuri SilvaYuri

    02-07-2014 às 01:20:14

    O hipismo não é uma prática comum, mas tem seu significado. Vale a pena! Imagino que seja muito prazeroso aliar-se à eles!

    ¬ Responder

Comentários - Alie-se aos atletas de quatro patas!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios