Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > Alimentação e desporto de mãos dadas

Alimentação e desporto de mãos dadas

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Desporto
Visitas: 4
Comentários: 1
Alimentação e desporto de mãos dadas

As regras de uma boa alimentação para desportistas, embora semelhantes às de qualquer outra pessoa saudável, devem assentar na rigorosa observância das facetas quantitativa (em termos de calorias totais) e qualitativa (repartição dessas calorias por hidratos de carbono, gorduras, proteínas, minerais, água e vitaminas), assim como na distribuição dos alimentos ao longo do dia. Na verdade, os princípios para uma alimentação correta, eventualmente enquadrada em ração de treino, ração de competição e ração de recuperação, são função do programa de treino.

O plano alimentar deve ser calculado em conformidade com as necessidades energéticas, estabelecidas a partir do metabolismo basal, do trabalho muscular, da regulação térmica, do crescimento (infância e adolescência) e da energia consumida com a digestão e absorção dos alimentos.

É unânime que os hidratos de carbono constituem o mais importante nutriente para atletas em situações de resistência, dado que a glicose (armazenada nos músculos e no fígado sob a forma de glicogénio) é o principal substrato para a obtenção de energia. A exaustão decorrente da atividade física pode levar ao decréscimo, ou mesmo ao depauperamento, das reservas de glicogénio.

Quanto maior for o intervalo de tempo entre a ingestão e o exercício, maior deverá ser a porção de hidratos de carbono com índice glicémico baixo ou médio (maçãs, feijão, iogurte natural, …), e quanto menor for esse tempo, ou até durante a própria atividade física, maior a proporção de hidratos de carbono com elevado nível glicémico (mel, batatas fritas, …).

A preparação das refeições deve visar a facilitação da digestão dos alimentos (preferencialmente cozidos ou grelhados) e o bom aproveitamento dos nutrientes. É aconselhável que o desportista faça cinco a seis refeições por dia: pequeno-almoço, meio da manhã, almoço, lanche, jantar e ceia.

Uma boa hidratação também é fundamental, não só para aumentar o rendimento do atleta, com para evitar determinadas lesões desportivas (como ruturas musculares e tendinites). A quantidade diária de água a administrar depende do trabalho muscular, da temperatura, da altitude e da humidade ambiente, havendo um mínimo estipulado de 1 ml por cada caloria que se ingere (três litros por dia, sendo 1,5 litros bebidos e a restante incorporada nos alimentos). O ideal é que o desportista não chegue a sentir sede. Para tal, há que ir bebendo pequenas quantidades antes, durante e depois do esforço desportivo.

O leite de vaca tem sido, recentemente, visto como uma “bebida desportiva”, uma vez que há estudos que sugerem que o leite magro é tão ou mais eficaz na recuperação do exercício do que as bebidas desportivas que se comercializam, quer em treinos de endurance, quer em treinos de força.

No ambiente desportivo, a cafeína parece ajudar a reduzir a sensação de fadiga e contribuir para a otimização do rendimento do atleta. Encontra-se nos grãos de café, folhas de chá, chocolate, sementes de cacau, entre outros. Foi retirada, em 2004, da lista de substâncias associadas ao dopping.

Comportamentos e práticas alimentares corretas, no desporto, dispensam o recurso a preparados comerciais questionáveis e aumentam a performance. Não “produzem” o atleta, mas permitem libertar as suas reais capacidades.


Maria Bijóias

Título: Alimentação e desporto de mãos dadas

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

809 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    01-07-2014 às 14:34:41

    Concordo com você! A alimentação como o desporto caminham lado a lado. Um depende do outro e precisam estar bem alinhadas. Uma alimentação equilibrada, sem exageros e uma caminhada e exercícios físicos tods os dias!

    ¬ Responder

Comentários - Alimentação e desporto de mãos dadas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios