Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > A Fruta na alimentação dos desportistas

A Fruta na alimentação dos desportistas

Categoria: Desporto
Visitas: 2
Comentários: 1
A Fruta na alimentação dos desportistas

A inclusão de frutas frescas, assim como de vegetais, na alimentação diária é uma recomendação firme que os especialistas fazem a toda a gente. Os desportistas, porém, têm necessidades acrescidas de determinados nutrientes que estes alimentos fornecem em quantidade mensurável e de forma saborosa.

A fruta contém minerais como o ferro (amora, figo, morango, groselha), zinco (framboesa ananás, maracujá), magnésio (banana, ameixa, kiwi) e potássio (ameixa, pêssego, banana, melão, cereja), para além de vitaminas A (pêssego, manga, melão, ameixa), C (kiwi, limão, morango, laranja, papaia, goiaba) e B9,ou ácido fólico, (laranja, melão, figo, morango, manga) e fibras (ameixa, framboesa, laranja, manga). A fruta constitui um verdadeiro “suplemento desportivo”, natural, sem efeitos adversos, e pronto a tomar.

Ingerir fruta diariamente permite ter energia durante os treinos e um sistema imunológico sem reparos. Bananas, maçãs e frutos secos podem servir de snacks no decorrer das sessões de treino, aproveitando a energia provida pelos hidratos de carbono.

A maçã seria, aliás, o fruto mais indicado para atletas, tanto no que se refere ao rendimento físico, como à recuperação desse esforço. Uma maçã média fornece cerca de 90 calorias através de hidratos de carbono (glucose, frutose, sacarose) e fibras solúveis. Paralelamente, devido ao seu elevado teor de água (84 por cento), evita a desidratação e, como possui potássio, previne as cãibras. Trata-se de um alimento fácil de transportar e de ter sempre à mão.

No que respeita à banana, aconselhada aos desportistas por ser fonte de energia de assimilação rápida, quando comida em madura é de fácil digestão, mas em verde nem por isso. Tem fibras que ajudam o trânsito intestinal e acautelam as úlceras. Uma banana encerra à volta de 95 calorias, 21 g de açúcares, 29 g de hidratos de carbono, fibras, magnésio, fósforo, potássio, vitaminas A e C, e 75 por cento de água. Supostamente, a mistura de banana verde e uma maçã num saco de papel, durante uns quantos dias e num sítio sem luz, aumenta a quantidade de potássio da banana. A banana é, depois do arroz, do trigo e do milho, o alimento mais consumido no mundo.

Dado que a água é o principal componente da fruta e que a hidratação é um factor assaz importante, para não dizer decisivo, nas pessoas em geral e nos desportistas em particular, principalmente na época mais quente, beber sumos de fruta naturais traduz uma maneira magnífica e deliciosa de hidratar o corpo e beneficiar das virtudes da ingestão de uma ampla variedade de vitaminas e sais minerais. De salientar que os sumos naturais devem ser consumidos logo que preparados, a fim de não se perderem as vitaminas.



Maria Bijóias

Título: A Fruta na alimentação dos desportistas

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

804 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    02-07-2014 às 00:06:54

    Realmente, concordo! As frutas são excelentes para nos deixar com uma pele mais hidratada, bonita; o corpo mais saudável e a saúde lá em cima! Gosto de todas as frutas, principalmente, o morango!

    ¬ Responder

Comentários - A Fruta na alimentação dos desportistas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios