Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > DVD Filmes > Al Berto - o segundo filme da trilogia de Vicente Alves do Ó

Al Berto - o segundo filme da trilogia de Vicente Alves do Ó

Categoria: DVD Filmes
Al Berto - o segundo filme da trilogia de Vicente Alves do Ó

Mais conhecido como Al Berto, o seu pseudónimo, Alberto Raposo Pidwell Tavares, foi um poeta, pintor, editor e animador cultural português. Nasceu numa família da Alta Burguesia, de origem inglesa da parte da avó paterna, em Coimbra. Vive toda a infância e adolescência em Sines, Alentejo, até ser mandado para a Escola António Arroio, em Lisboa, uma escola de ensino artístico.


Com 19 anos de idade, não quer ir para a tropa e então parte para Bruxelas, onde estuda numa escola superior de Arquitetura e de Artes Visuais. Depois de terminar o curso, decide deixar a pintura e dedicar-se exclusivamente à escrita.


Viveu ainda numa comunidade hippie, onde supostamente teria tido alguns relacionamentos amorosos, com um homem e com duas mulheres, de entre as quais se supõe ter existido o nascimento de um filho do poeta.
Al Berto regressa depois a Portugal, e é este período que vai da chegada a Portugal, até à sua morte, que é narrado no filme Al Berto, do Realizador Vicente do Ó, agora a estrear nos cinemas portugueses.


O Medo, é considerado o trabalho mais importante da sua obra, e o seu grande testemunho artístico.
Naqueles anos, Al Berto viveu com um grupo de amigos numa casa senhorial, à entrada de Sines, conhecida como “Palácio”. A casa havia sido pertença da sua família, da parte da sua ascendência inglesa, que ali enriqueceu com a industria conserveira.


Vicente Alves do Ó, é o realizador do filme e suspeito na historia, pois ele que, também é de Sines, conheceu-o pessoalmente, através do seu irmão João Maria do Ó que teve uma relação de cerca de três anos com o poeta, e que também viveu no “Palácio”. São os seus diários, livros e papeis guardados, os textos inéditos que são utilizados para o guião deste filme, escrito por Vicente do Ó.
O realizador diz-se fascinado pela vida dos poetas e dos artistas, e tendo já realizado o filme “Florbela”, diz querer ainda realizar um filme sobre a vida de Sophia, afirmando ser esta a sua trilogia.


Não perca por isso, o segundo filme da trilogia de Vicente Alves do Ó, em breve nos cinemas.


Liliana Félix Leite

Título: Al Berto - o segundo filme da trilogia de Vicente Alves do Ó

Autor: Liliana Félix Leite (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Al Berto - o segundo filme da trilogia de Vicente Alves do Ó

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios