Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > DVD Filmes > Al Berto - o segundo filme da trilogia de Vicente Alves do Ó

Al Berto - o segundo filme da trilogia de Vicente Alves do Ó

Categoria: DVD Filmes
Al Berto - o segundo filme da trilogia de Vicente Alves do Ó

Mais conhecido como Al Berto, o seu pseudónimo, Alberto Raposo Pidwell Tavares, foi um poeta, pintor, editor e animador cultural português. Nasceu numa família da Alta Burguesia, de origem inglesa da parte da avó paterna, em Coimbra. Vive toda a infância e adolescência em Sines, Alentejo, até ser mandado para a Escola António Arroio, em Lisboa, uma escola de ensino artístico.


Com 19 anos de idade, não quer ir para a tropa e então parte para Bruxelas, onde estuda numa escola superior de Arquitetura e de Artes Visuais. Depois de terminar o curso, decide deixar a pintura e dedicar-se exclusivamente à escrita.


Viveu ainda numa comunidade hippie, onde supostamente teria tido alguns relacionamentos amorosos, com um homem e com duas mulheres, de entre as quais se supõe ter existido o nascimento de um filho do poeta.
Al Berto regressa depois a Portugal, e é este período que vai da chegada a Portugal, até à sua morte, que é narrado no filme Al Berto, do Realizador Vicente do Ó, agora a estrear nos cinemas portugueses.


O Medo, é considerado o trabalho mais importante da sua obra, e o seu grande testemunho artístico.
Naqueles anos, Al Berto viveu com um grupo de amigos numa casa senhorial, à entrada de Sines, conhecida como “Palácio”. A casa havia sido pertença da sua família, da parte da sua ascendência inglesa, que ali enriqueceu com a industria conserveira.


Vicente Alves do Ó, é o realizador do filme e suspeito na historia, pois ele que, também é de Sines, conheceu-o pessoalmente, através do seu irmão João Maria do Ó que teve uma relação de cerca de três anos com o poeta, e que também viveu no “Palácio”. São os seus diários, livros e papeis guardados, os textos inéditos que são utilizados para o guião deste filme, escrito por Vicente do Ó.
O realizador diz-se fascinado pela vida dos poetas e dos artistas, e tendo já realizado o filme “Florbela”, diz querer ainda realizar um filme sobre a vida de Sophia, afirmando ser esta a sua trilogia.


Não perca por isso, o segundo filme da trilogia de Vicente Alves do Ó, em breve nos cinemas.


Liliana Félix Leite

Título: Al Berto - o segundo filme da trilogia de Vicente Alves do Ó

Autor: Liliana Félix Leite (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Al Berto - o segundo filme da trilogia de Vicente Alves do Ó

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios