Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > DELÍRIOS DE UM POETA APRENDIZ

DELÍRIOS DE UM POETA APRENDIZ

Categoria: Literatura
Visitas: 111
DELÍRIOS DE UM POETA APRENDIZ

REFLEXOS DA ALMA
Vejo no espelho uma imagem que não é minha.
Que imagem é essa?
Serei eu?
Não me parece.
É belo demais pra ser eu,
É doce demais pra ser eu,
É puro demais pra ser eu,
Então quem é?
Olho atentamente e vejo lá no fundo.
É isso! Consigo enxergar o Tempo.
O Tempo que transforma,
O Tempo que deforma,
O Tempo que acalma,
E agora, sou eu?

Não me parece.

É sábio demais pra ser eu.
É Forte demais pra ser eu.
É Novo demais pra ser eu.

Então quem é?

Olho mais uma vez atentamente e já consigo ver.

É isso! Consigo enxergar quem sou eu agora.
Sou o melhor que tem em você.
Sou a transformação causada por você.
Sou a força herdada pela maior paixão, vinda de você.
Sou o compartilhamento da tua alma.

E agora já me encontrei?
Calma, olho no mesmo espelho, e vejo.

Vejo o óbvio.
Vejo o maravilhoso.
Vejo Você.

Então eu sou você?

Não. Seria muito simples.
Viradas as páginas da vida.
Vividas ardentemente, uma a uma, por nós.
Eu só poderia encontrar no espelho.
A tua imagem refletida em mim.
Valeu cada segundo.

TEMPO

O relógio passa as horas de forma veloz,
Lá fora continua chovendo,
Quero ficar, mas a vida me chama,
Mais Tarde, quem sabe.

Se não der e meu espírito poético, me abandonar,
Vale lembrar sempre que horas o relógio marcou,
Estive aqui,

Saudades,

PRISÃO

Nossa! Estou presa.
Presa na teia do amor que nos cega.
Com as mãos atadas e a alma ateada a você.
Que medo.

Nossa! Estou solta.
A chuva cai e eu não quero voar.
O vento é forte e vai me derrubar.
Que medo.

Nossa! De repente volto contente.
A noite passou e um novo dia raiou.
É hora de voltar pro meu amor.
Enfim o medo passou e a alegria voltou.

Se estou presa, não importa, me sinto solta.
Se estou solta, me sinto presa.
Se estou longe quero voltar.
E quando enfim chego.
Só quero ficar.

Quando o dia raiou e o sol me queimou.
Tentei te encontrar.
A chuva caiu e o frio.
Queria te esquentar.
E agora?

De repente, acordei.
UFA! Era só um sonho ruim.
Tenho a certeza que sempre terei você perto de mim.

Te prendo na minha teia.
Não solto você ao vento.
Nunca vai voar sedento.
Eu te alimento.

FELIZ ANIVERSÁRIO

Se o quiser alcançar estiver distante demais,
Se o que já conquistou não é o bastante,
Se a cada dia surgir um novo caçador e te fizer caça,
Se quando quiser o sol ganhar a chuva,
Se planejar for oposto a conseguir,
Se a mente trabalhar mais do que o corpo,
Se as coisas não são o que desejou, lembre-se,

Você tem o mais importante.
O que realmente vale,
O que nos move,
E o que muitos invejam.

O amor da sua FAMÍLIA.

Que bom que você está com a gente.

Feliz Aniversário.


Maria Cecilia Barbosa de Oliveira

Título: DELÍRIOS DE UM POETA APRENDIZ

Autor: Maria Cecilia Oliveira (todos os textos)

Visitas: 111

8 

Comentários - DELÍRIOS DE UM POETA APRENDIZ

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.