Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > DELÍRIOS DE UM POETA APRENDIZ

DELÍRIOS DE UM POETA APRENDIZ

Categoria: Literatura
Visitas: 111
DELÍRIOS DE UM POETA APRENDIZ

REFLEXOS DA ALMA
Vejo no espelho uma imagem que não é minha.
Que imagem é essa?
Serei eu?
Não me parece.
É belo demais pra ser eu,
É doce demais pra ser eu,
É puro demais pra ser eu,
Então quem é?
Olho atentamente e vejo lá no fundo.
É isso! Consigo enxergar o Tempo.
O Tempo que transforma,
O Tempo que deforma,
O Tempo que acalma,
E agora, sou eu?

Não me parece.

É sábio demais pra ser eu.
É Forte demais pra ser eu.
É Novo demais pra ser eu.

Então quem é?

Olho mais uma vez atentamente e já consigo ver.

É isso! Consigo enxergar quem sou eu agora.
Sou o melhor que tem em você.
Sou a transformação causada por você.
Sou a força herdada pela maior paixão, vinda de você.
Sou o compartilhamento da tua alma.

E agora já me encontrei?
Calma, olho no mesmo espelho, e vejo.

Vejo o óbvio.
Vejo o maravilhoso.
Vejo Você.

Então eu sou você?

Não. Seria muito simples.
Viradas as páginas da vida.
Vividas ardentemente, uma a uma, por nós.
Eu só poderia encontrar no espelho.
A tua imagem refletida em mim.
Valeu cada segundo.

TEMPO

O relógio passa as horas de forma veloz,
Lá fora continua chovendo,
Quero ficar, mas a vida me chama,
Mais Tarde, quem sabe.

Se não der e meu espírito poético, me abandonar,
Vale lembrar sempre que horas o relógio marcou,
Estive aqui,

Saudades,

PRISÃO

Nossa! Estou presa.
Presa na teia do amor que nos cega.
Com as mãos atadas e a alma ateada a você.
Que medo.

Nossa! Estou solta.
A chuva cai e eu não quero voar.
O vento é forte e vai me derrubar.
Que medo.

Nossa! De repente volto contente.
A noite passou e um novo dia raiou.
É hora de voltar pro meu amor.
Enfim o medo passou e a alegria voltou.

Se estou presa, não importa, me sinto solta.
Se estou solta, me sinto presa.
Se estou longe quero voltar.
E quando enfim chego.
Só quero ficar.

Quando o dia raiou e o sol me queimou.
Tentei te encontrar.
A chuva caiu e o frio.
Queria te esquentar.
E agora?

De repente, acordei.
UFA! Era só um sonho ruim.
Tenho a certeza que sempre terei você perto de mim.

Te prendo na minha teia.
Não solto você ao vento.
Nunca vai voar sedento.
Eu te alimento.

FELIZ ANIVERSÁRIO

Se o quiser alcançar estiver distante demais,
Se o que já conquistou não é o bastante,
Se a cada dia surgir um novo caçador e te fizer caça,
Se quando quiser o sol ganhar a chuva,
Se planejar for oposto a conseguir,
Se a mente trabalhar mais do que o corpo,
Se as coisas não são o que desejou, lembre-se,

Você tem o mais importante.
O que realmente vale,
O que nos move,
E o que muitos invejam.

O amor da sua FAMÍLIA.

Que bom que você está com a gente.

Feliz Aniversário.


Maria Cecilia Barbosa de Oliveira

Título: DELÍRIOS DE UM POETA APRENDIZ

Autor: Maria Cecilia Oliveira (todos os textos)

Visitas: 111

8 

Comentários - DELÍRIOS DE UM POETA APRENDIZ

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios