Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Jesusalém

Jesusalém

Categoria: Literatura
Visitas: 8
Jesusalém

«Jesusalém» é um livro do escritor moçambicano Mia Couto, publicado em 2009 pela Editorial Caminho, composto por 296 páginas de jogos de afectos e desafectos protagonizados por personagens com nomes tão caricatos como Dordalma e Silvestre Vitalício, entre outros.

Nas palavras do próprio autor, esta produção literária narra a saga de um homem que, perturbado pela morte da mulher, resolve matar o mundo e ir com os filhos e o criado Zacarias Kalash para um sítio longínquo e quase impraticável, erigindo numa casa em ruínas o seu refúgio, que apelida de Jesusalém, cuja tradução daria algo do género: o lugar onde Deus virá para ser perdoado. Não obstante, na tabuleta indicativa de Jesusalém, figuram os dizeres: «Seja bem-vindo, Senhor Deus.»

O objectivo de Silvestre Vitalício, com esta fuga seguida de nova construção é a instauração de um mundo e de uma Humanidade, uma ordem diferente. De facto, a gramática e a sintaxe são outras. Jesusalém seria, por assim dizer, um novo mundo dentro do velho mundo, mas que não receberia deste influências nem qualquer tipo de “contaminação”, como se a liquidação do passado imposta por Vitalício funcionasse como uma redoma protectora. A espera de Silvério Vitalício pelo regresso de Deus dar-se-ia, deste modo, num espaço que não é terrestre nem celeste, que é mais um “não-lugar”.

Os habitantes de Jesusalém resumem-se a Mwanito, o “afinador de silêncios” (que é também o narrador), Ntunzi, o seu irmão mais velho, o pai (Silvério), Zacarias Kalash, um amigo deste, ex-militar, que desempenha as funções de serviçal, um tio que aparece a visitá-los e uma jumenta, a Jezibela.

Reconhece-se incapacidade de Silvério fazer o luto pela mulher (e que está na base do seu exercício de uma enorme opressão em Jesusalém) uma translação da inaptidão de Moçambique em fazer o luto pela guerra civil e do recurso à amnésia colectiva como asilo.

«Jesusalém» é uma obra de personagens com citações de Jean Baudrillard, sociólogo e poeta francês, de Herman Hesse, escritor, de Adélia Prado e Hilda Hilst, poetisas brasileiras, da portuguesa Sophia de Mello Breyener Andresen e da argentina Alejandra Pizarnick. Trata-se de uma trama que faz, de alguma maneira, lembrar o videoclip da canção «Return to Inocence», porque é como se tudo se passasse ao contrário. Por exemplo, uma vez em Jesusalém, Silvério vaticina que todos os que lá viverem serão “desbaptizados”.

No final, porém, os exilados voltam ao mundo que tinham deixado e os enigmas inaugurais esbatam-se nas inferências finais. No entanto, há que exaltar a reinvenção da língua e a erudição com que Mia Couto fabrica este enredo de realismo mágico africano, tão característico seu.


Maria Bijóias

Título: Jesusalém

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 8

765 

Imagem por: That Canadian Grrl

Comentários - Jesusalém

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: That Canadian Grrl

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios