Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > O Deus das Moscas

O Deus das Moscas

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 12
O Deus das Moscas

Em 1954 William Golding escreveu o que mais tarde se tornaria um clássico. O Deus/Senhor das Moscas é a tradução direta do hebraico de Belzebu, mas obviamente o demônio que o livro trás não e o cristão.

Filho de um professor e uma sufragista, Golding nasceu no Reino Unido em 1911, formou-se em Ciências Naturais e serviu à Marinha. Esta forma de contato com o mundo construiu a sue modo peculiar de ver o mundo, explicitando a crueldade e o primitivismo da humanidade e das engrenagens que movimentam a sociedade. Graduou-se também em literatura inglesa e se tornou novelista, poeta e escritor. Mais tarde recebeu várias honrarias por suas obras, entre elas o Prêmio Nobel da Literatura(1983) e o título de cavaleiro do Império Britânico(1993).

Na obra de nome original Lord Of The Flies, Golding apresenta ao leitor um avião que transportava crianças britânicas. Este avião acaba caindo em uma ilha deserta, e dentre os sobreviventes há apenas crianças. A proposta, logo, é a seguinte: como estas crianças irão se organizar para sobreviver? Qual é a verdadeira essência do ser humano? O que acontece quando não há limites e regras?

Estes pontos de vista são desenvolvidos no estilo William Golding. Rebatendo a teoria do bom selvagem de Jean Jacques Rousseau, conforme as crianças vão perdendo seu senso de civilidade, cresce a selvageria e a desordem, reinando a crueldade e o prazer instintivo egoísta.

Em um lado há Ralph, o líder escolhido pelo grupo. Preza pela democracia e tenta dominar seus instintos. Em outro, há o Jack, que se entrega rapidamente à sua nova condição, corroendo toda a moral e educação previamente estabelecida. Como voz da razão e consciência há Porquinho, garoto de porte físico exuberante e portador de óculos que podem fazer fogo, o elo entre a vida na selva e sociedade.

As demais crianças são o instrumento que mostra como a nossa natureza é facilmente corrompida. Ao longo da trama, os elementos metafóricos aparecem na forma de ferramentas ou rituais, deixando claro que a falta de limites desencadeia a ascensão do que há de pior no ser humano.

Traduzido para 35 línguas, O Deus das Moscas é um clássico universal por tratar de uma ferida social ainda aberta. O homem é um animal. Um animal cruel, que ousa ser seu próprio inimigo.


Wallace Randal

Título: O Deus das Moscas

Autor: Wallace Randal (todos os textos)

Visitas: 12

631 

Comentários - O Deus das Moscas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios