Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > O Deus das Moscas

O Deus das Moscas

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 12
O Deus das Moscas

Em 1954 William Golding escreveu o que mais tarde se tornaria um clássico. O Deus/Senhor das Moscas é a tradução direta do hebraico de Belzebu, mas obviamente o demônio que o livro trás não e o cristão.

Filho de um professor e uma sufragista, Golding nasceu no Reino Unido em 1911, formou-se em Ciências Naturais e serviu à Marinha. Esta forma de contato com o mundo construiu a sue modo peculiar de ver o mundo, explicitando a crueldade e o primitivismo da humanidade e das engrenagens que movimentam a sociedade. Graduou-se também em literatura inglesa e se tornou novelista, poeta e escritor. Mais tarde recebeu várias honrarias por suas obras, entre elas o Prêmio Nobel da Literatura(1983) e o título de cavaleiro do Império Britânico(1993).

Na obra de nome original Lord Of The Flies, Golding apresenta ao leitor um avião que transportava crianças britânicas. Este avião acaba caindo em uma ilha deserta, e dentre os sobreviventes há apenas crianças. A proposta, logo, é a seguinte: como estas crianças irão se organizar para sobreviver? Qual é a verdadeira essência do ser humano? O que acontece quando não há limites e regras?

Estes pontos de vista são desenvolvidos no estilo William Golding. Rebatendo a teoria do bom selvagem de Jean Jacques Rousseau, conforme as crianças vão perdendo seu senso de civilidade, cresce a selvageria e a desordem, reinando a crueldade e o prazer instintivo egoísta.

Em um lado há Ralph, o líder escolhido pelo grupo. Preza pela democracia e tenta dominar seus instintos. Em outro, há o Jack, que se entrega rapidamente à sua nova condição, corroendo toda a moral e educação previamente estabelecida. Como voz da razão e consciência há Porquinho, garoto de porte físico exuberante e portador de óculos que podem fazer fogo, o elo entre a vida na selva e sociedade.

As demais crianças são o instrumento que mostra como a nossa natureza é facilmente corrompida. Ao longo da trama, os elementos metafóricos aparecem na forma de ferramentas ou rituais, deixando claro que a falta de limites desencadeia a ascensão do que há de pior no ser humano.

Traduzido para 35 línguas, O Deus das Moscas é um clássico universal por tratar de uma ferida social ainda aberta. O homem é um animal. Um animal cruel, que ousa ser seu próprio inimigo.


Wallace Randal

Título: O Deus das Moscas

Autor: Wallace Randal (todos os textos)

Visitas: 12

631 

Comentários - O Deus das Moscas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios