Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > DVD Filmes > Filmes que podem aumentar a sua inteligência e extrapolar o potencial do seu cérebro.

Filmes que podem aumentar a sua inteligência e extrapolar o potencial do seu cérebro.

Categoria: DVD Filmes
Visitas: 45
Filmes que podem aumentar a sua inteligência e extrapolar o potencial do seu cérebro.

Olá! O artigo de hoje fala sobre dois filmes que mechem com a seguinte questão: E se pudéssemos aumentar nossa inteligência?

O primeiro e mais recente se chama: “Lucy” (2014) é estrelado por Scarlet Johanson e Morgan Freeman. E o segundo filme chama-se “Limeless” (ou “Sem Limites” se preferirem) e tem no seu elenco Bradley Cooper e Robert De Niro.

Eu não vou me prender a crítica, ou resenha dos filmes em si, muito menos debater sobre usarmos ou não 10% ou mais do nosso cérebro. É evidente que fisicamente usamos o cérebro por completo, mas é interessante pensar sobre a extrapolação dos limites do conhecimento. Nesse texto quero apenas refletir sobre algumas questões pontuais.

Começando com o Lucy, pelo que li sobre ele muitos gostaram e mais ainda foram os que não gostaram! Particularmente gostei, mas digo isso por que fui vê-lo com a expectativa no chão, então deixando de lado algumas coisas que foram passadas muito superficiais e desnecessárias (ATENÇÃO SPOILER ALERT A PARTIR DAQUI) como: uma cena de perseguição de carro onde ninguém perseguia a personagem e seu novo amigo policial, então só pra ter efeito de perigo ela (Lucy) dirige pela contramão, o que faz pouco sentido já que antes ela já tinha alterado matéria, leis da gravidade, faria mais sentido ela se locomover de uma outra maneira, nem que fosse voado sei lá. E outra cena um pouco antes disso ela fica fazendo “show off” com os bandidos voando e dando socos no ar sendo que ela já tinha o “poder” de desmaiar todo mundo e sair tranquila.

Bom isso foi só o que eu não gostei, mas tratando-se do que eu gostei. Primeiro a marcação do filme, pois é bem intensa. A medida em que ela vai avançando em sua inteligência, telas pretas com a porcentagem vão aparecendo. Com isso o público pode saber o nível que ela está, como vai ficando cada vez menos humana e mais robótica. Mas aí vem a surpresa no final do filme eu achei que ela iria sair pelas galáxias, ou iria fazer como filmes onde existe inteligência artificial e que descobre que para salvar a vida humana na Terra tem que acabar com os humanos, mas não! Ela se mantém humana, pois seguindo o conselho do Morgan Freeman ela busca um modo de compartilhar o seu conhecimento. E depois evapora, mostrando que a existência humana pode ir além do próprio ser humano carnal (olha o brilho filosófico). Enfim da metade para o final o filme vira um filme surreal. Com muita viagem. Bom para quem gosta como é o meu caso, mas para quem não curte filme assim aconselho que nem veja.

Agora, tratando do outro filme: “Sem Limites”. Esse filme sim é muito foda!

Fui ver ele sem muitas pretensões. Na verdade, eu não sabia o que esperar do filme mesmo. O plot do filme é relativamente simples. O personagem do Bradley Cooper é um escritor frustrado, meio maltrapilho que enfrenta dificuldades econômicas e no amor. Ao tomar um toco da namorada fica ainda mais frustrado. E aí que através de seu ex-cunhado entra em contato com uma nova droga chamada NZT. Uma pílula transparente que tem como princípio ativo o aumento da inteligência humana.

O legal desse filme é como são mostradas as capacidades da inteligência humana. Tem uma cena em que o personagem sob o efeito da droga percebe que sua vizinha está com dificuldades em um trabalho da faculdade. Então ele olha de relance para o livro que está em sua bolsa (dela) e lembra que uma vez a muito tempo o folheara numa biblioteca. Automaticamente o cérebro dele faz as conexões e ele sabe tudo o que ela precisa e muito mais.

Isso é diferente do filme “Lucy” onde é tudo muito rápido e parece que o conhecimento dela é quase inato. No filme “Sem limites” o conhecimento é aprendido, mas de uma maneira muito mais eficiente.

Em fim no fundo os dois filmes são interessantes e merecem um pouco de sua atenção.


Jhon Erik Voese

Título: Filmes que podem aumentar a sua inteligência e extrapolar o potencial do seu cérebro.

Autor: Jhon Erik Voese (todos os textos)

Visitas: 45

166 

Comentários - Filmes que podem aumentar a sua inteligência e extrapolar o potencial do seu cérebro.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios