Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > DVD Filmes > A subjetividade das lembranças

A subjetividade das lembranças

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: DVD Filmes
Comentários: 1
A subjetividade das lembranças

Nossas lembranças e memórias não são retratos fiéis da realidade. São, naturalmente, releituras criadas por nossas perceções, crenças e valores. O mesmo episódio pode ser relembrado de formas diferentes, por pessoas diferentes, podendo apresentar pequenas divergências ou enormes discrepâncias.

No filme “Violação de privacidade”, estrelado pelo ator Robin Williams e dirigido por Omar Naim, essa subjetividade pode ser observada de forma explícita. No filme, algumas pessoas possuem um implante de memória responsável por registrar, sem intervenção de perceções ou crenças pessoais, tudo o que a pessoa vê, ouve e faz. Após a morte dessa pessoa, o implante é retirado e os melhores momentos de sua vida repassados em seu funeral.

Um dos personagens, cujo pai acabara de morrer, questiona o funcionário da empresa, responsável pelo implante, se houve alguma alteração, pois suas lembranças são diferentes das imagens do filme. Outro, o personagem principal, que acreditava ter sido responsável pela morte de um garoto na sua infância, após acessar seu implante ainda em vida, descobre que o quê ele lembrava ser sangue, na verdade, era óleo e que o menino, que parecia inerte no chão, ainda respirava e se mexia quando ele saíra correndo assustado do local.

A realidade é recriada de acordo com nosso estado emocional, medos, experiências, dúvidas e paradigmas. O exemplo do filme é um caso extremo, ocorrido com uma mente facilmente impressionável – a de uma criança, mas alterações como essas acontecem o tempo inteiro em escalas menores, criando várias realidades simultâneas que, se não podem ser chamadas de irreais, também não podem ser chamadas de absolutamente reais.

Diante dessa impossibilidade de recriação de uma verdade absoluta e isenta, o conceito de verdade, aprendida nos dicionários, parece impossível. Pessoas diferentes, ao relembrarem um determinado momento, apresentam elementos e narrativas divergentes que nos fazem pensar: Qual é a história verdadeira? O barco era azul, como fulano disse, ou verde, como o beltrano lembrou? Estava garoando ou o céu estava limpo, como sicrano comentou? Eu diria que todas as histórias são verdadeiras. Diria ainda que o barco era azul e também verde, que garoava e ao mesmo tempo o céu estava limpo, porque foram essas as impressões que aquelas pessoas tiveram do momento. Mas quanto à realidade factual, isso sempre será um mistério, porque tudo que vemos, ouvimos, lemos e vivemos, passa pelo nosso filtro pessoal e são registrados em nossa memória de acordo com nossas perceções.

As lembranças são subjetivas e, por isso, a verdade nunca é uma só!



Glaucia Alves

Título: A subjetividade das lembranças

Autor: Glaucia Alves (todos os textos)

Visitas: 0

614 

Imagem por: lanuiop

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • RosanaRosana Pegoraro

    10-01-2010 às 16:04:38

    Interessante este texto. Me fez refletir sobre algumas lembranças nebulosas que tenho. Será que elas são realmente como me lembro?
    Sempre acreditei que uma história sempre tem mais de uma verdade, pois a verdade é subjetiva, é algo em que a gente acredita ser verdade, mesmo que equivocados.
    O equívoco sobre uma verdade, é um mentira???

    ¬ Responder

Comentários - A subjetividade das lembranças

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: lanuiop

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios