Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Poemas/Poesias

Poemas/Poesias

Categoria: Literatura
Visitas: 4
Comentários: 1
Poemas/Poesias

Castelo



Um castelo que será o
nosso ninho de amor
em que é só possível
viver após o encontro
da minha cara metade,
que é minha e,
certamente,
não sua e nem dos fedidos
gambás
[...]
O castelo que esplendorosamente
que me enriquece com a beleza que
por trás dele está,
que não é nada mais
e nada menos que o nosso
amor que é
[...]
A fumaça do fogo da paixão,
que incendeia nosso
coração que se unem,
tornando-se assim,
um só ser e
um só humano que gerado
pelo fogo de uma paixão
que incendeia no coração
de uma alma que tão debilitada
se encontrava.

185) O Encontro



O encontro de almas-gêmeas
para que a paixão se eternize
durante o passar do tempo,
de corações que se encontram
e que se completam,
de um combustível químico do
amor encontre o combatente
de uma ilusão carnívora e
de uma solidão grotesca
para que a purificação de uma
alma e um coração despedaçado
por culpa de venenos que a cada
instante parado em um tempo de
tanta angústia lhe consome,
lhe corrói,
lhe envenena e
aos poucos o encontro de outra
cara-metade,
de outra alma-gêmea,
de outro amor e
de outra paixão que possa-lhe retribuir
beijos doces,
abraços quentes
e carinhos aconchegantes que faça-lhe
despertar o vulcão que em você
dorme até o fim da vida
[...]
Até o fim de um coração que
despedaçado se encontrava
e até a renovação da fonte
da vida chamada alegria,
até a explosão de amor
em um vulcão que tanto dorme
e que tanto adormece o fogo de uma paixão.

186) O Fogo



O fogo que incendeia
nosso castelo de
riquezas,
o meu jardim que
em meu coração embelezava-me,
a minha tão inocente alma
que se deixa ser atingida,
manchada e
machucado
[...]
Esse machucado
que sangra e
não cicatriza
[...]
Quanto mais doía,
minha alma chorava
e gritava por tanto desespero
que se manifestava em minha
tão caridosa alma que repleto
de amor e
paixão exalava.

187) Exalava



Exalava em minha alma
um calor,
em meu coração um
fogo que exalava,
em mim manifestava uma
tremenda vontade de
te envolver em meus braços,
seus lábios sobre os meus
que estão sendo atraído
pela cor vermelha dos seus
tão grandes lábios
[...]
Exalava-me a vontade
de fazer-te sonhar com
um conto de fadas,
com as fadas de um
amor perfeito e
de almas-gêmeas que
se completam,
que se realizam e
concretizam os meus
desejos do meu tão
solene e
carente coração
que é de te ter para sempre.

188) Era Para Ser[...]



Era para ser para sempre,
era para ser até o infinito
dos solenes anos que se
passarão,
era para ser tão perfeito
quanto o conto de fadas,
para ser tão quente quanto
o calor do sol e até o fogo
que incendeia-me por
dentro que acaba devastando
o jardim de flores de pétalas
vermelhas,
rosas e
frutos
[...]
O jardim pela qual refiro é
o nosso amor pela qual
você como a minha rainha,
deixou que o vendaval de
furacões acabasse com
todo um sonho que quase
e por pouco se realiza
[...]
Meus planos para que a
eternidade da nossa paixão
se eternize é ter contigo,
que é minha rainha,
uma grande e
amada família
[...]
Mas de novo a fantasia,
a ilusão que pegou,
acorrentou-me junto à si,
me prendeu sobre sua alma
que tão escura me faz sofre,
fazendo de meu coração
apaixonado e
alucinado por uma fantasia
nunca se liberte.

189) Liberte-Me



Liberte-me de uma
perigosa ilusão,
de uma paixão tão
quanto de fantasia,
de uma tão inveja
peço-lhe que conceda-à
mim seu tão puro coração
para que eu consiga refugiar-me
da guerra-fria de sentimentos
e emoções,
do que prende-me fazendo-me
parar de respirar,
falar e
sinais vitais de um coração
que tão triste fica e
tão angustiante fica.

190) O Medo



O medo de andar nas
pontas do dedo,
de andar em cima de
uma cacos de vidro,
de andar descalços
em cima de um
martírio de pedras,
de nadar e nadar
para morrer sem
fôlego na areia de uma
praia deserta em
que apenas a natureza
se faz presente
em que apenas minha
alma consigo sentir
além de um vento,
frio e
além de muita
chuva de lágrimas ácidas
em meu coração que
vai fazendo com que as flores
e as demais plantações que
aos poucos vai perdendo sua
cor,
seu brilho
e seu encanto por ser tão
encantador quanto a
luz do céu-azul,
as luzes das cores de um
arco-íris e que aos
poucos vai perdendo sua beleza
que eras tanto preservada
com a nossa paixão.

191) Foi Desperdiçado



Foi desperdiçado um
resquício de fogo de
uma paixão sem fim
que espalha a fumaça
de um amor que meu
jardim se espalha,
milhares de carinhos
desperdiçados por
uma fumaça de neblina
que era do fogo de uma
paixão que eras apenas
a fantasia fantasiada por
um coração que tanto caía
nas armadilhas de um coração
que sempre se deixava levar
até que
[...]
Caísse em um simples mas,
assustador buraco que era
muito escuro,
além de escuro de mais,
era pequeno demais,
era incriminado por um
crime não cometido,
mas sim na armadilha que
meu tão bondoso coração
teimava em cair
e teimava ser desperdiçado.

192) O Jardim



O jardim de meu tão
solene coração,
minha tão castigada
alma que se deixou
manchar por lágrimas
de sangue derramadas
pelo seu choro,
que gradativamente
fazia com que seu desespero
por causa de uma solene
paixão que para ti existia,
não eras como uma mentira,
uma fantasia do coração
que tão envenenada por uma
ilusão sem fim que exalava,
por um amor que eras apenas
a neblina de um frio que
congelava meu coração,
ao invés de ser o mormaço
provocado pelo calor da paixão
que não passou de uma chuva
de flocos de neve que congelou-me.

193) Desejo Meu



O meu desejo era te
roubar e te levar ao cativeiro
que dentro de mim está,
que dentro do meu coração
estava,
que dentro de minha solene
alma está
[...]
Desejo que você regue
em meu coração o
jardim que à sua espera
está para que as flores e
as rosas vermelhas às sejam
regadas e
às sejam colhidas
[...]
Desejo o seu amor,
a sua paixão,
a metade do seu coração
que complete o meu,
a sua alma que entra
em transição com a minha
e fazendo de nós de só
coração,
uma só alma,
um só corpo,
um só ser-humanos.
Seremos como um só
por isso que meu desejo
é de apenas te ter fazer
a renovação da minha fonte
rejuvenescedora que é o
amor.


Kaique Barros

Título: Poemas/Poesias

Autor: Kaique Barros (todos os textos)

Visitas: 4

603 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

Comentários - Poemas/Poesias

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios