Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Estará para breve a cura do cancro?

Estará para breve a cura do cancro?

Categoria: Saúde
Estará para breve a cura do cancro?

Baseando-nos num interessante artigo da revista Visão, de Junho de 2015, um tratamento para um tipo de Leucemia, foi aprovado pela FDA (Food and Drug Administration), para tratar crianças, jovens e adultos nos Estados Unidos da América.

Carl June, o cientista responsável da Universidade da Pensilvânia, que desenvolveu a terapia de CART Cells, para tratamento da Leucemia linfoblástica aguda, falou sobre esta técnica revolucionária, que poderá ser a esperança no tratamento do cancro em geral. A técnica envolve retirar células da pessoa diagnosticada com este tipo de leucemia, e a quem a medicina tradicional, através dos seus tratamentos de quimioterapia, retirou toda a esperança, e manipulá-las de modo a que elas consigam eliminar as células malignas, e deste modo, reabilitar a pessoa do seu tumor.

Esta técnica, aplicada como ensaio a algumas pessoas que tinham toda a esperança de cura perdida, quase as matou. Quase. Porque em boa verdade, depois da má reação do corpo a esta intromissão das novas células, o que é certo é que as novas células guerreiras derrubaram de facto o tumor, e as pessoas sobreviveram, sem réstias de células malignas. Milagrosamente, quase se diria. Mas Carl June tinha uma boa explicação para este facto: ele que é um imunologista que se dedicou ao estudo do HIV, diz que tanto no HIV, como no cancro, o maior problema é a falência do sistema imunitário. Sendo assim, era necessário modificar geneticamente as células, para as tornar em “células assassinas” das chamadas “células más”. Carl June diz que o trabalho dos seus investigadores mostrou que é possível corrigir ou consertar o sistema imunitário.

A Novartis tornou-se então parceira do estudo da Universidade da Pensilvânia, e Leipzig, na Alemanha, tem sido a capital europeia deste novo tratamento na área das terapias celulares. Este centro tem recebido muitos pedidos de tratamento, de todas as partes do mundo, para doentes que já esgotaram as suas hipóteses com os tratamentos convencionais. No entanto, estes tratamentos são muito caros.
Portanto, segundo Carl June, a ser possível melhorar esta técnica celular, de modo a que as reações do corpo não sejam tão danosas a ponto, de quase matarem os pacientes, a ser possível diminuir os seus custos, e a ser possível aplicá-la globalmente a todos os tipos de cancro, teremos possivelmente o tratamento mais eficaz para esta doença que causa tanto sofrimento e uma elevada taxa de mortalidade.

Liliana Félix Leite

Título: Estará para breve a cura do cancro?

Autor: Liliana Félix Leite (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Estará para breve a cura do cancro?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios