Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Sepse: A doença que mais mata no mundo! Como se proteger?

Sepse: A doença que mais mata no mundo! Como se proteger?

Categoria: Saúde
Sepse: A doença que mais mata no mundo! Como se proteger?

Nos últimos anos, a sepse foi registrada como a maior causa de mortes entre individuos internados em hospitais espalhados por todo o globo terrestre. Os dados epidemiológicos mostraram que o número de casos da doença poderá ultrapassar 1 bilhão até 2020.


A sepse, também conhecida como “infecção generalizada” é considerada uma síndrome metabólica gerada pela resposta inflamatória natural do organismo após contato com microrganismos como vírus, fundos ou bactérias. Porém, o sistema imunológico age de forma intensa, provocando uma resposta infamatória exagerada aos agentes infecciosos, a expressão exagerada de fatores inflamatórios torna o organismo tóxico, alterando funções fisiológicas básicas para manutenção da vida, podendo levar o paciente a disfunção múltipla de órgãos em poucas horas após o desenvolvimento da síndrome.


A sepse é uma doença altamente incapacitante, provoca distúrbios neurológicos graves, lesiona órgãos e gera quadros infecciosos graves recorrentes em quem já teve a doença. O diagnóstico é baseado na avaliação de disfunções orgânicas cardiorrespiratórios e neurológicos, exames laboratoriais confirmam e identificam o nível da disfunção, enquanto exames microbiológicos apontam o agente causador.


As maiores vítimas são pessoas que possuem doenças preexistes como Diabetes, doenças renais, cardíacas, consequentemente a junção desses problemas, levam os idosos a serem os mais atingidos, porém, qualquer pessoa que possua esses fatores de risco correm o risco de permanecerem internados, a internação tem grande relação com os casos de sepse que atinge em média 80% dos pacientes nessas condições.


Com base nas doenças preexistes, é importante lembrar que a má alimentação e a falta de exercício físico são as principais causas de doenças do coração, inicialmente através do aumento do colesterol, triglicérides até a geração de placa aterosclerótica, o diabete tipo 2 sob influência de fatores genéticos também pode ser desenvolvido paralelamente ou consequentemente pelo mesmo mecanismo das doenças do coração, assim como os problemas renais.


A combinação da tendência mundial ao desenvolvimento de doenças por maus hábitos juntamente com o fenômeno de envelhecimento mundial e a realidade que a sepse apresenta hoje, são considerados uma ameaça tão grande a saúde púbica e a economia dos países, que congressos internacionais buscam soluções para minimizar futuros impactos tendenciais.


Viviane Silva

Título: Sepse: A doença que mais mata no mundo! Como se proteger?

Autor: Viviane Silva (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Sepse: A doença que mais mata no mundo! Como se proteger?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Manutenção Automovel

Ler próximo texto...

Tema: Automóveis
Manutenção Automovel\"Rua
Faça você mesmo a revisão do seu automóvel e poupe dinheiro em oficinas. Primeiro verifique com a ajuda de outra pessoa a iluminação exterior. Uma pessoa fica no interior do carro e liga as luzes, verifique á frente os mínimos, os médios, os máximos e os piscas. Depois atrás verifique os mínimos os stop a marcha atrás e o farol de nevoeiro.

A seguir verifique a iluminação do interior do veículo e do painel de instrumentos e a afinação do travão de mão.

Agora está na hora de verificar os filtros de ar, gasóleo e habitáculo. Dependendo da utilização eles podem fazer em média 40.00km, se estiverem sujos substitua-os por novos.

A seguir vem a mudança do óleo este em geral pode-se retirar pelo bujão de vazamento do cárter, convém substituir a anilha e o filtro de óleo. O óleo novo deve respeitar as especificações do fabricante, verificar no livro de manual de utilizador do veículo os litros de óleo do motor. Meter o óleo novo pelo bucal superior do motor com a ajuda de um funil, o nível do óleo não pode ultrapassar o máximo. Se não sabe a quantidade de óleo deite 4 litros e depois verifique o nível pela vareta de verificação de nível e vá deitando até chegar ao nível certo.

Agora é preciso verificar as pastilhas de travões, hoje em dia como quase todos os veículos têm jantes especiais consegue verificar sem desmontar as rodas. Substituir se necessário as pastilhas, ao desmontar repare como desmonta para depois voltar a montar tudo de novo. Por fim verifique a pressão dos pneus com um manómetro, a pressão indicada varia de carro pra carro se não sabe a pressão indicada ponha 2.2bar que é em média a pressão que todos utilizam.

Convém dizer que qualquer material que precise basta procurar numa loja de peças auto próxima de si ou então encomendar via net pois existem vários sites especializados em peças e materiais de manutenção auto. Vai ver que não custa nada se eu aprendi você também pode aprender e além disso fica a conhecer melhor o seu carro.

Com isto tudo pode poupar em média 200€ por cada revisão.
Obrigado e até a próxima.

Outros textos do autor:
Manutenção Automovel

Pesquisar mais textos:

Vendas Online

Título:Manutenção Automovel

Autor:Vendas Online(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    17-06-2014 às 04:55:10

    Há inúmeros benefícios para fazer a manutenção do automóvel, pois isso garante melhor preservação do veículo e se prolonga o uso por muitos e muitos anos.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios