Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Varíola - A maior pandemia do mundo

Varíola - A maior pandemia do mundo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Visitas: 6
Comentários: 1
Varíola - A maior pandemia do mundo

Existe uma história aterradora por detrás deste vírus que pode fazer tremer o mundo e a humanidade. Quem não conhece deverá, conhecer a história deste vírus que pode em poucos dias alterar a forma de ver a vida, antes de mais, dizer que é transmitida pelo ar, já é dizer muita coisa e é um vírus de ADN (um dos mais conhecidos e mais temíveis).

Os sintomas são muito idênticos aos de uma gripe, mas em cerca de 10 dias, os sintomas evoluem para vômitos, dores corporais intensas e uma grande infeção na pele. A pele de todo o corpo fica coberta de bolhas com pus e feridas abertas e infetadas.

De 70% das pessoas infetadas, aproximadamente 30% morre e quem sobrevive, transporta sequelas para sempre.




Existe vacinação, e sendo um vírus de ADN, o vírus não tem mutação.
Na Europa, e durante o século XVIII matava cerca de 400.000 pessoas, mas ainda no século XX matou mais de 2 milhões de pessoas.

Se há quem diga que a Peste Negra foi a pior doença de todos os tempos, julga-se que a varíola foi a que mais matou e a que mais sequelas deixou.

Foi só em 1780 e depois de tantas mortes causadas pelo vírus que um médico chamado Edward Jenner descobriu a vacina que poderia levar á cura. Mais uma vez, uma variante do vírus criou a oportunidade da cura.

Em 1978, e após uma campanha mundial de vacinação, a varíola foi a primeira doença humana erradicada. Desde essa data, mais ninguém foi vacinado contra a varíola e desconhecem-se casos do vírus puro em seres vivos, no entanto, existem 2 locais onde a varíola existe. Nos Estados unidos da América e na Ex-URSS (na Sibéria), existem 2 amostras em laboratório mantidas em forma de amostra em centros de Controlo de Doenças. Dizem ambos os países que ali se guardavam pois temia-se que se pudessem usar como arma biológica (ainda no tempo da Guerra fria).

Em tempos de ordem e paz entre os dois países, a Organização Mundial de Saúde, determinou que as 2 amostras fossem destruídas. De 1993 a 2001 esta exigência foi feita pela OMS, mas sem qualquer sucesso. Em 2002 a OMS determinou que as amostras não fossem destruídas de forma a desenvolver vacinação na eventualidade do reaparecimento da doença.

Apesar de a Humanidade estar “protegida” de eventuais loucos, a varíola é um vírus que dá que pensar se usada como arma biológica. Em quantos instantes se propagava e quantos seriam afetados, tendo em conta que mais ninguém foi vacinado desde 1978? Dá que pensar…


Carla Horta

Título: Varíola - A maior pandemia do mundo

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 6

774 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Fátima

    09-03-2013 às 23:06:23

    Muito boa essa matéria, porém não ficou muito claro sobre as sequelas. Tive varíola com 5 anos e hoje com 57. Tenho fibromialgia , além de outras doenças..Quero saber se além das manchas no rosto; existe a possibiolidade de haver relação....

    ¬ Responder

Comentários - Varíola - A maior pandemia do mundo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios