Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Health Club doméstico... dá saúde

Health Club doméstico... dá saúde

Categoria: Saúde
Visitas: 4
Comentários: 1
Health Club doméstico... dá saúde

Hoje em dia ouve-se falar muito da saúde e dos cuidados que lhe devemos despender. Na atarefação diária, com mil e uma tarefas realizar, pouco tempo e espaço sobram para que as pessoas recordem e estimem o mais valioso bem que possuem: a saúde.

Normalmente, ela não é valorizada, sendo apenas alvo de reconhecimento e saudade nostálgica quando se encontra debilitada ou comprometida. Pois é, geralmente não se liga àquilo que se tem como garantido, mas a verdade é que, de um momento para o outro, se pode perdê-lo. E nestas questões de saúde, como aliás em todas as áreas da vida, «mais vale prevenir do que remediar» …

No meio do frenesim quotidiano acaba por ficar no esquecimento o que é essencial, sem pensar que, adoecendo, o que se projectou tem de ser adiado, se não mesmo anulado. Se se fazem planos para tanta coisa exterior e perfeitamente supérflua e/ou dispensável, porque não elaborar e seguir um plano de saúde (mensal, bimestral, anual), que inclua um check up completo, nomeadamente a partir de certa idade? Se se leva o carro à oficina para a revisão, porque descurar a “máquina” interna? Na realidade, é ela que nos move… É pena o Ministério da Saúde ainda não ter implementado a obrigatoriedade de realizar inspecções aos indivíduos análogas às dos veículos automóveis.

Quanto mais não fosse pelo receio da aplicação de alguma coima, as pessoas seriam forçadas a velar por si. Para além de que precaver a doença subentende poupança em duas vertentes fundamentais: por um lado, economiza-se dinheiro nos remédios, por outro, e mais importante, livra-se o organismo da intoxicação medicamentosa. Se a isto se somarem os dias de não absentismo ao trabalho ou à escola, os tempos de lazer gozados, as dores evitadas, e os demais benefícios, conclui-se facilmente que saúde potencia saúde.

E pequenos gestos, como guardar tampas de garrafas ou reciclar os resíduos domésticos, também são geradores de mais e melhor saúde para todos. Se a acumulação e a entrega das tampas de plástico a determinadas empresas as leva a fornecer cadeiras de rodas a gente desfavorecida, a reciclagem contribui, para lá de todas as vantagens ambientais, para o combate ao cancro, por exemplo, através da compra de unidades móveis de rastreio. É caso para dizer que, nestas circunstâncias, “dar uma tampa” nada tem de pernicioso; pelo contrário, trata-se de salvar vidas humanas!

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define o conceito de saúde como sendo o «estado de total bem-estar físico, psíquico e social». Alguns talvez acrescentassem o plano espiritual ou outros eventuais. Seja como for, o que interessa é ter saúde para “dar e vender”. Nesta perspectiva, que tal instituir um Health Club lá em casa, com alimentação saudável, descanso conveniente, diversão q.b., caminhadas diárias de 30 minutos, …?



Maria Bijóias

Título: Health Club doméstico... dá saúde

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

630 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Daniel VitorinoDaniel Vitorino

    26-09-2012 às 16:50:32

    Concordo. A saúde é o melhor que temos, e quando não temos faz-nos muita falta. É sempre melhor cuidar do que se tem do que tentar reparar o que já não se tem.

    ¬ Responder

Comentários - Health Club doméstico... dá saúde

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios