Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Health Club doméstico... dá saúde

Health Club doméstico... dá saúde

Categoria: Saúde
Visitas: 4
Comentários: 1
Health Club doméstico... dá saúde

Hoje em dia ouve-se falar muito da saúde e dos cuidados que lhe devemos despender. Na atarefação diária, com mil e uma tarefas realizar, pouco tempo e espaço sobram para que as pessoas recordem e estimem o mais valioso bem que possuem: a saúde.

Normalmente, ela não é valorizada, sendo apenas alvo de reconhecimento e saudade nostálgica quando se encontra debilitada ou comprometida. Pois é, geralmente não se liga àquilo que se tem como garantido, mas a verdade é que, de um momento para o outro, se pode perdê-lo. E nestas questões de saúde, como aliás em todas as áreas da vida, «mais vale prevenir do que remediar» …

No meio do frenesim quotidiano acaba por ficar no esquecimento o que é essencial, sem pensar que, adoecendo, o que se projectou tem de ser adiado, se não mesmo anulado. Se se fazem planos para tanta coisa exterior e perfeitamente supérflua e/ou dispensável, porque não elaborar e seguir um plano de saúde (mensal, bimestral, anual), que inclua um check up completo, nomeadamente a partir de certa idade? Se se leva o carro à oficina para a revisão, porque descurar a “máquina” interna? Na realidade, é ela que nos move… É pena o Ministério da Saúde ainda não ter implementado a obrigatoriedade de realizar inspecções aos indivíduos análogas às dos veículos automóveis.

Quanto mais não fosse pelo receio da aplicação de alguma coima, as pessoas seriam forçadas a velar por si. Para além de que precaver a doença subentende poupança em duas vertentes fundamentais: por um lado, economiza-se dinheiro nos remédios, por outro, e mais importante, livra-se o organismo da intoxicação medicamentosa. Se a isto se somarem os dias de não absentismo ao trabalho ou à escola, os tempos de lazer gozados, as dores evitadas, e os demais benefícios, conclui-se facilmente que saúde potencia saúde.

E pequenos gestos, como guardar tampas de garrafas ou reciclar os resíduos domésticos, também são geradores de mais e melhor saúde para todos. Se a acumulação e a entrega das tampas de plástico a determinadas empresas as leva a fornecer cadeiras de rodas a gente desfavorecida, a reciclagem contribui, para lá de todas as vantagens ambientais, para o combate ao cancro, por exemplo, através da compra de unidades móveis de rastreio. É caso para dizer que, nestas circunstâncias, “dar uma tampa” nada tem de pernicioso; pelo contrário, trata-se de salvar vidas humanas!

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define o conceito de saúde como sendo o «estado de total bem-estar físico, psíquico e social». Alguns talvez acrescentassem o plano espiritual ou outros eventuais. Seja como for, o que interessa é ter saúde para “dar e vender”. Nesta perspectiva, que tal instituir um Health Club lá em casa, com alimentação saudável, descanso conveniente, diversão q.b., caminhadas diárias de 30 minutos, …?



Maria Bijóias

Título: Health Club doméstico... dá saúde

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

630 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Daniel VitorinoDaniel Vitorino

    26-09-2012 às 16:50:32

    Concordo. A saúde é o melhor que temos, e quando não temos faz-nos muita falta. É sempre melhor cuidar do que se tem do que tentar reparar o que já não se tem.

    ¬ Responder

Comentários - Health Club doméstico... dá saúde

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios