Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Não viva ao contrário!

Não viva ao contrário!

Categoria: Saúde
Visitas: 30
Não viva ao contrário!

Muitos são os parâmetros que cabem no tema da saúde e que, frequentemente, são menosprezados enquanto premissas para uma salutar vivência. Por exemplo, a insanidade mental é algo que afecta um crescente número de pessoas, pelas mais variadas razões, quer genéticas, quer circunstanciais, quer ambientais, mas a tendência é de subvalorizar e ignorar um sofrimento que, a ser reconhecido, não diz respeito apenas ao próprio e exige uma tomada de posição e um encetar de procedimentos que dão trabalho e apelam a responsabilidades. A recusa de uma realidade pode afigurar-se, num primeiro momento, como o caminho mais fácil; a questão é que os problemas não ficam em stand by à espera que se adquira coragem para os enfrentar. Em muitos casos são progressivos, e, perante a ignomínia de familiares e até de profissionais não especializados, apresentam desfechos que se poderiam evitar ou, no mínimo, amaciar.

A visão é outro dos elementos descurados. É sabido que as listas de espera para consultas e cirurgias urgentes dão para desesperar, e que a maioria dos indivíduos que delas dependem são reformados ou pensionistas cujos rendimentos não chegam sequer para os remédios diários… E entretanto, a diminuição da qualidade de vida engrossa a lista das tristezas de quem devia ver os seus cabelos brancos um pouco mais respeitados. Se a mentira compulsiva e as promessas sem fundamento, e, mais grave, sem cumprimento, fossem doença, não haveria politico que se aguentasse para lá da campanha eleitoral! Onde é que já se viu chegar-se ao cúmulo de uma lente de contacto custar os olhos da cara?! Alguém podia encomendar um rastreio geral à classe política…

Os dentes, que alguns teimam em mostrar, embora, por vezes, escondendo um sorriso amarelo, são, amiúde, cartão de visita de uma boca povoada de cáries, tártaro, placa bacteriana e buracos tão profundos que podem ser confundidos com escavações arqueológicas! Dado que os dentistas, não levando «couro e cabelo», levam dentes e dinheiro, MUITO dinheiro, a optar por não fazer um contrato testamentário, numa espécie de pagamento póstumo da obra realizada em tempo real, não resta senão deixar que o “marfim” estragado caia de podre. Esta podridão, porém, é passível de acarretar complicações sérias, entre as quais figuram ataques cardíacos. Pois é, o coração não sofre modificações somente após sentimentos transmitidos ao cérebro: também não se compadece com infecções prolongadas e recorrentes…

Para preservar o bom funcionamento deste órgão vital, afastando dele doenças susceptíveis de intervenção por parte de algum “faquir cirúrgico”, é aconselhável alimentar-se correctamente, eliminar ou reduzir o stress, ter algum tipo de actividade física e dormir bem. Há muita gente que dorme ao contrário, ou seja, tem insónias. Não queira viver ao contrário…

Maria Bijóias

Título: Não viva ao contrário!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 30

619 

Comentários - Não viva ao contrário!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios