Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Viver com Alzheimer

Viver com Alzheimer

Categoria: Saúde
Visitas: 4
Viver com Alzheimer

Alzheimer é um mal de uma doença degenerativa do cérebro. Ela produz atrofia progressiva do cérebro, com início mais freqüente após os 65 anos, ela é produzida com a perda das habilidades de pensar, memorizar e raciocinar. Ela também afeta a área da linguagem e produz alterações no comportamento do paciente. Infelizmente ainda não foram descoberta as causas da doença, mas o que se sabe é que ela tem relações com certas mudanças nos terminais nervosos e nas células cerebrais que interferem nas funções cognitivas. Os seus sintomas mais freqüentes deste mal de Alzheimer são: não me lembro onde deixei, eu vivo me esquecendo, não me lembro do telefone de minha filha, não me lembrei de pagar a conta de luz e de telefone, meu pai se perdeu, minha mãe se esqueceu de meu aniversario.

Nesta faze inicial da doença, a pessoa afetada demonstra confusão e esquecimento e parece não encontrar palavras para se comunicar com determinadas situações. Nesta fase intermediaria a pessoa necessita de ajuda para executar certas tarefas de rotina, mas a pessoa também pode passar a não conhecer os seus familiares, também pode apresentar incontinência urinaria e fecal. A pessoa também precisa de auxílio direto para vestir-se, tomar banho, comer, tomar suas medicações e todas as outras atividades de higiene.

Saiba que o paciente pode apresentar comportamento inadequado, irritabilidade, desconfiança, impaciência, e até agressividade, ou pode apresentar, depressão, regressão e apatia. A parte mais difícil é o diagnóstico desta doença, pois é preciso a aceitação desta demência como conseqüência normal do envelhecimento. Este diagnóstico é feito a partir da exclusão de outras doenças que podem evoluir, também, com quadro de demência. Mas esta doença não tem cura, e é por isso que o seu tratamento destina-se a controlar os seus sintomas e de proteger a pessoa doente de seus efeitos produzidos e pela deterioração trazida pela sua atual condição.

Esta doença de mal de Alzheimer não afeta somente o paciente, porém toda a rotina das pessoas que vivem a sua volta, estas pessoas também são afetadas. A família precisa é estar muito ciente de que também é uma sobrecarga muito grande que será colocada nos termos emocionais, físicos e financeiro. Saiba que também é preciso organizar-se para um plano de grande atenção para com seus familiares doentes, em que se incluam os cuidados gerais, supervisão e sem se esquecer dos cuidados médicos e as das visitas regulares ao mesmo, que ajudara a monitora as condições da pessoa doente, verificando-se que o paciente possui outros problemas de saúde que precisa ser tratados.

Waldiney Melo

Título: Viver com Alzheimer

Autor: Waldiney (todos os textos)

Visitas: 4

680 

Comentários - Viver com Alzheimer

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios