Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Desmistifique a hemofilia!

Desmistifique a hemofilia!

Categoria: Saúde
Visitas: 2
Comentários: 4
Desmistifique a hemofilia!

A hemofilia constitui, para muita gente, um “palavrão” assustador, do qual pouco se sabe. Trata-se de uma patologia relacionada com a falta ou insuficiência de um dos factores de coagulação do sangue. A lacuna deste factor conduz à formação de um coágulo defeituoso, frágil ou mesmo incapaz de parar a hemorragia. A hemofilia é, na esmagadora maioria dos casos, uma doença hereditária, causada por uma imperfeição num dos genes que determina o modo como o organismo produz os factores de coagulação, genes que se situam no cromossoma X, razão pela qual é apelidada de doença do cromossoma X.

Existem dois tipos essenciais de hemofilia: a A (que corresponde a sensivelmente 80 por cento dos casos) e a B, consoante a pouca ou nenhuma actividade se constate no factor de coagulação VIII ou no IX. Há também diferentes graus da doença: considera-se que a hemofilia é ligeira quando se verifica cinco por cento, ou mais, de actividade num destes factores; moderada, de um a cinco por cento; e severa ante a total ausência de acção.

As mulheres são portadoras do gene, embora muito raramente desenvolvam a enfermidade. Todavia, transmitem-no aos filhos varões. Pode ocorrer que rapazes nascidos de mães não portadoras sejam hemofílicos, mas tal facto deve-se a uma mutação genética espontânea.

Os sintomas mais notórios têm a ver com hemorragias desmesuradas, internas ou externas, espontâneas ou em consequência de um acidente ou intervenção médico-cirúrgica. As externas são mais patentes e decorrem de um corte,tratamento dentário, ou, simplesmente, não se encontra um motivo plausível. Os hemofílicos sangram muito facilmente do nariz e uma pequena ferida é susceptível de constituir o mote para um imenso jorro de sangue. Este pode, inclusivamente, regressar a uma incisão onde já estava estancado.

As hemorragias internas podem acontecer em órgãos (como os rins e a bexiga – em que o sangue é expelido pela urina -, o estômago e os intestinos – com presença de sangue nas fezes), ou nas articulações (como por exemplo nos joelhos e cotovelos), provocando, numa primeira fase, rigidez, depois inchaço, quentura ao toque e dor ao mais pequeno movimento. Se a hemorragia alastrar, aumenta a inflamação e é possível que se perca temporariamente o movimento nessa articulação. A hipotética afectação do cérebro, decorrente de uma simples pancada na cabeça, é uma das complicações mais gravosas da hemofilia.

Esta patologia não interfere com o campo intelectual, e mesmo a nível físico não impede o desempenho das actividades escolares nem o convívio social, dentro, é claro, de certos limites. Exercício físico que não pressuponha contacto (ténis, ciclismo, natação) é aconselhado, a fim de fortalecer músculos e articulações, e ajudar a reduzir os episódios hemorrágicos. Perante uma pequena lesão, estanca-se o sangue como numa pessoa não hemofílica: pressionando um penso rápido com firmeza e aplicando gelo. Aspirinas e derivados são interditos: prolongam o tempo de hemorragia.

A 17 de Abril celebra-se o Dia Mundial da Hemofilia. Apesar desta vulnerabilidade específica, é possível con(viver) com a doença e ter uma vida activa e independente.



Maria Bijóias

Título: Desmistifique a hemofilia!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

808 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    22-07-2014 às 21:02:42

    Uma patologia bem conhecida atualmente, a hemofilia, pode ser facilmente tratada.

    ¬ Responder
  • VivianeViviane

    11-03-2010 às 01:17:36

    Gostaria de saber mais sobre essa patologia, pois acabo de ter noticia de que meu sobrinho mais novo de 4 anos de idade a possui e isso está abalando muito minha família, estou fazendo algumas buscas na net para tentar acalma-los.Mas creio que um dia haverá cura...em nome de Jesus!!! Se puder mandar mais informações para meu e-mail, fico muito grata desde já.

    ¬ Responder
  • jason jair frutuosojason jair frutuoso

    25-10-2009 às 13:49:57

    Gostaria de saber mais sobre os recursos para tratamento da hemofilia nos anos 60, uma vez que assistí o drama de uma mulher que teve 5 filhos hemofílicos e uma filha sadia. Estou escrevendo um livro para homenagear aquela senhora que para mim foi mais que uma heroina: Mesmo com pouca experiancia de vida e sem nenhum conhecimeno sobre a doença, aos 23 anos de idade iniciou sua saga em busca de tratamentos para filhos e naquele tempo ia com enorme frequencia para o RJ, onde havia tratamento mais aficaz para debelar os constanetes problemas dos meninos. Quero citar este dado para provar que ela era de fato uma grande heroina.
    Obrigado, jason jair frutuoso

    ¬ Responder
  • Zeudi Oliveira da SilvaZeudi Oliveira da Silva

    26-05-2009 às 01:58:23

    Gostaria,de dizer que este trabalho de vcs e de muita importançia pois para nos estudantes de enfermagem e muito bom.estao de parsbenes.

    ¬ Responder

Comentários - Desmistifique a hemofilia!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios