Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Livre-se da stressofobia

Livre-se da stressofobia

Categoria: Saúde
Visitas: 6
Livre-se da stressofobia

Há quem compre um animal de estimação como tentativa de reduzir o stress. Determinados estudos efectuados indicam, contudo, que nem todos os bichos cumprem da mesma forma este intento. Alguns cientistas defendem que as pessoas que possuem um gato em casa sofrem de níveis mais elevados de stress do que outras que escolheram um cão. Também há quem diga que beber um refrigerante depois das 22 horas provoca mais stress do que ingerir uma cerveja à mesma hora. Esta última informação baseia-se numa análise levada a cabo por uma empresa cervejeira, mas isso constitui apenas um pormenor, um dado periférico absolutamente irrelevante no que se refere à isenção das conclusões…

Quase tudo provoca stress. Para combater esta realidade, existe um princípio intocável da nossa “stressofobia”: não permitir, por motivo algum, que o stress entre nas nossas vidas. É imperioso fugir dele como se fugiria do lobo mau, evitando todas as ocorrências potencialmente “stressantes”. Pode optar-se pelo coleccionismo (por exemplo de sabonetes de hotel), jardinagem, passeios ao ar livre (sim, porque os ambientes dos centros comerciais são tudo menos descontraídos…), meditação, yoga, alguma espécie de voluntariado, etcétera. Todos os artifícios são válidos para que a saúde e a esperança não sofram decréscimo. De facto, cada pequeno stress retira tempo e qualidade de vida!

Produziram-se obras completas sobre o stress, e outras permanecem ainda na forja, que evocam causas, consequências, envolvências, propensão genética e formas mais eficazes de luta contra este flagelo pandémico. Sugerem-se práticas, propõem-se métodos, apresentam-se alternativas. As indústrias farmacêuticas tentam resolver o problema mediante o desenvolvimento de novos fármacos e poções “mágicas”, que visam ajudar quem sofre deste mal e encher os bolsos dos seus administradores. No fim de contas, os medicamentos alcançam apenas um alívio temporário e, em muitos casos, ilusório. Impõe-se, então, a questão: O que fazer quando as anestesias para acabar com a dor já não funcionarem? Para uns, instalar-se-á o completo desespero do stress; outros, porém, aproveitarão para aprender a transformar essa desesperança em moeda de purificação, amadurecimento, humanização, realização, felicidade…

Realmente, a felicidade não depende da maior ou menor carga de sofrimento que cada um carrega, mas da sua capacidade para se decidir a integrar todos os elementos que compõem a existência na construção do caminho que o levará a ser feliz! O risco, os contratempos, as dificuldades, os obstáculos, as provas, e também as alegrias, as vitórias, os sucessos fazem parte do crescimento de seres que se querem humanos. Não existem técnicas milagrosas nem isolantes das coisas más. A sabedoria assenta numa atitude que tem de vir do coração. Trata-se de outra maneira de viver, de começar a preocupar-se mais com os outros do que consigo mesmo…

Maria Bijóias

Título: Livre-se da stressofobia

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 6

604 

Comentários - Livre-se da stressofobia

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios