Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Síndrome pré-menstrual

Síndrome pré-menstrual

Categoria: Saúde
Visitas: 2
Comentários: 5
Síndrome pré-menstrual

A síndrome pré-menstrual (ou TPM – Tensão Pré-Menstrual) consiste num misto de sintomas físicos, psicológicos, sociais e comportamentais que têm lugar na segunda metade do ciclo menstrual, cuja intensidade é passível de interferir com a vida normal da mulher.

Alguns destes sintomas (que podem ultrapassar os 120!) são: desconforto abdominal, fadiga, dores de cabeça, irritabilidade/nervosismo, depressão (com hipotéticos distúrbios do sono e sensação de inutilidade), aumento do apetite, esquecimento e dificuldade de concentração, acne, hipersensibilidade aos estímulos, raiva, choro fácil, acessos de calor, palpitações, tonturas, variações de humor, ansiedade (com sentimentos de hostilidade), mastalgia (dor ou aumento da sensibilidade mamária), retenção de líquidos (inchaço ou dor nas pernas), avidez por certos alimentos (como chocolates, doces e comidas salgadas), desânimo, agressividade, cólicas. A sintomatologia tende a engrandecer-se se nesta fase a mulher se deparar com problemas pessoais.

No diagnóstico da TPM há que fazer um controlo objectivo dos ciclos menstruais, a fim de excluir outros transtornos, como o hiper ou hipotiroidismo, a fadiga crónica, a enxaqueca, a síndrome do intestino irritável ou mesmo o agravamento de patologias do foro psiquiátrico.

A TPM possui vários graus, desde uma suave até uma grave manifestação, podendo o período de duração ir de três a dez dias, conforme a pessoa, acentuando-se mais entre os 25 e os 35 anos.

O tratamento da síndrome pré-menstrual depende da severidade dos sintomas (que podem ser diferentes em cada ciclo) e é susceptível de integrar mudanças alimentares, de comportamento e tratamentos farmacológicos. Algumas medidas preventivas apontam para a redução de sal, açúcar, gordura e cafeína (café, chá, colas, …), a repartição das refeições, uma dieta com bastante cálcio (optando por lácteos magros) e magnésio (espinafres), a limitação de bebidas alcoólicas, a decisão de deixar de fumar, a prática de exercício físico regular (20 minutos de aeróbicos, três vezes por semana) e a gestão do stress. Descansar e recorrer a técnicas de relaxamento, como o yoga, também se revelam úteis.

A automedicação JAMAIS é solução! Só o médico pode alvitrar o melhor caminho para solucionar a TPM. Normalmente, tentam-se formas ligeiras e não agressivas de cura, que podem passar por terapias como a homeopatia, acupunctura ou a pílula anti-concepcional. O domínio psicológico é, contudo, o mais importante de tratar, uma vez que a mulher fica mais sensível, insegura, instável, ciumenta, revoltada, melancólica, afectivamente carente, medrosa, fantasiosa. A terapia através da hipnose tem conseguido resultados espantosos, e sem recurso a medicamentos, capazes de causar dependência química ou efeitos colaterais.

A incapacidade de se concentrar no decorrer da síndrome pré-menstrual pode conduzir a consequências ruinosas: acidentes domésticos, de carro, redução da produtividade no trabalho e nos estudos, … Por outro lado, a incompreensão dos maridos e a respectiva falta de paciência quando a mulher entra na síndrome pré-menstrual estão na origem de muitos divórcios.

Não existe, por enquanto, uma forma de resolver, total e definitivamente, o problema da TPM. Não obstante, se uma mulher que sofre de TPM grave não procurar ajuda profissional, arrisca-se a embarcar em situações tão profundas e envolventes, que pode muito bem cometer suicídio ou homicídio quase sem dar por isso!



Maria Bijóias

Título: Síndrome pré-menstrual

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

803 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 5 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    18-07-2014 às 20:55:05

    Mulher sofre! A TPM é um grande desconforto logo nos próximos dias e que nos deixa bastante ruim. Ficamos mais sensíveis que o normal, temos dores, nossa, muito chato. Mas, ainda bem que passa!! ehhe

    ¬ Responder
  • NeliaNelia

    24-03-2012 às 23:50:34

    estive a ler o decomentario ,sobre o sidrome pre mentrual, e apercebi-me k o k la diz a respeito de mau humor irritabilidade,raiva,etc e o k se passa comigo,mas nao e so quando estou nestes dias , e raro o dia em k nao me sinto assim,!! o k sera?

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoANABELA PINTO

    26-08-2011 às 19:05:24

    tenho 33 anos e agora uma semana maisou menos antes do periodo suo imenso, tenho alterações de humor que passam de uma fase para outra num apice. Como tive o meu segundo filho á pouco tempo julgei que tudo isto que me estava a acontecer era depressao pós parto. Agora com este vosso comentario sei que para além disso tb é normal o que me está a acontecer.

    ¬ Responder
  • SóniaSónia

    28-04-2011 às 12:36:01

    Boa Tarde. Tenho uma dúvida. Entrei na menopausa à cerca de 7 meses mas os sintomas psicológicos associados à síndrome pré-menstrual continuam a manifestar-se, nomeadamente a depressão (que já tenho há vários anos). Depois da menopausa, os sintomas continuam a manifestar-se ou o meu problema estará só relacionado com a depressão? Podem ajudar-me nestas duas questões? Muito obrigada.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSusana

    11-11-2010 às 16:21:07

    Ainda não fui ao médico nem tenho diagnóstico feito mas acho que me identifico com o problema.É difícil admitir que pode ser uma alteração hormonal,todo este turbilhão de emoções,porque retira credibilidade a uma semana por mês (no mínimo..)(Coisas de mulheres, aquela altura do mês...etc).Por outro lado é um pouco reconfortante saber que não estou a enlouquecer e a enfraquecer o espírito, e que ainda à esperança para voltar a ser forte como era!Pelo menos tentar... uma coisa já fiz,deixei de fumar! Obrigado por me esclarecerem e darem um pouco de esperança!

    ¬ Responder

Comentários - Síndrome pré-menstrual

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios