Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Cuidados A Ter Com O Seu Bebê Recém Nascido

Cuidados A Ter Com O Seu Bebê Recém Nascido

Categoria: Saúde
Cuidados A Ter Com O Seu Bebê Recém Nascido

Quando você voltar com seu bebê para casa, vai iniciar uma desgastante e longa maratona. Horas de sono serão perdidas para trocar, consolar e alimentar seu filho, enquanto seu corpo pede desesperadamente por uma cama. Quando você finalmente conseguir dar uma deitadinha, escutará o choro dele, e aí começará tudo de novo!

É ... Ser mãe é assim mesmo! Às vezes será necessário você se desdobrar em duas, três, ou até mais vezes para que não falte nada ao seu lindo bebezinho.

Nesta matéria, você vai encontrar uma série de informações e esclarecimentos para muitas de suas dúvidas, e também muitas dicas de como cuidar do seu bebê nos primeiros dias de vida.


Uma breve conversa


Quando seu bebê for para casa após nascer, todo o carinho e dedicação que você tiver disponível, passará a ser para ele. Por isso, o papai e seus filhos mais velhos poderão se sentir um pouco abandonados e enciumados. Isto é absolutamente normal e todos deverão compreender esta crise de ciúmes e se habituar com a presença do pequenino. Mas você, apesar de estar super atarefada, nunca deverá deixar de estar presente em todas as ocasiões. No fundo, você terá que aprender a ser mãe de toda a família.

Provavelmente você passará por uma grande fase de ansiedade e de angústia nas primeiras semanas após o parto, o que também é absolutamente normal, principalmente porque de uma hora para outra, será responsável por cuidar daquele ser tão pequenino. É naturalmente compreensível que suas forças, após alguns dias, comecem a faltar. Mas o importante será acudir sempre ao seu filho.

O aleitamento será uma das tarefas mais complicadas. No início, vai parecer que seu bebê não quer mamar, mas depois acabará se tornando algo muito frequente. Você deverá corresponder sempre aos seus pedidos de mamada, até mesmo para evitar que ele chore, e só deverá parar quando o bebê não quiser mais. Infelizmente será necessário controlar o sono por causa das mamadas, que com certeza, serão várias durante a madrugada. Por isso, recomponha-se, fazendo uma sesta nas horas vagas no decorrer do dia. Assim, seu stress, bem como o cansaço, diminuirão, e as energias poderão ser carregadas. Caso seu bebê esteja mamando na mamadeira, o papai poderá lhe ajudar durante a noite para que você possa se recuperar para o próximo dia.

As características do recém-nascido


Não se preocupe se você notar algumas irregularidades ao observar seu bebê logo após o nascimento. Entretanto, se você estiver insegura quanto à aparência dele, converse com seu médico.
Existem muitos fatores que podem lhe parecer anormais, mas que são comuns em vários recém-nascidos.

A pele


A cor da pele do seu bebê poderá apresentar uma tonalidade azulada, acinzentada ou avermelhada, e com despigmentações, e se ele nascer após a 40ª semana, a pele também poderá estar seca e enrugada. Entretanto, tudo isso será passageiro.

A cabeça


A cabeça do seu bebê poderá ter uma forma alongada ou bicuda logo após o parto normal. Isto se dá em razão da maleabilidade do próprio crânio, que se alonga e se molda durante o nascimento. Além de facilitar o parto, esta é uma forma que a natureza encontrou para que o cérebro dos bebês não sejam danificados. Como a pele, esta também será uma situação passageira, pois a cabeça voltará a ficar arredondada de dois a três dias após o nascimento.

A tetinhas


As tetinhas do seu bebê, independente do sexo, poderão apresentar-se inchadas e avermelhadas. Isto é normal e tem a ver com a presença dos hormônios da mãe no sangue do bebê. O mesmo acontece com as áreas genitais. Tudo isso é transitório e desaparece espontaneamente.

Os reflexos e sentidos


O recém-nascido reage a quase todos os estímulos, incluindo o som e a luz. Ao ouvir um som alto, por exemplo, ele chora e estica os braços. Ao tocar com o dedo em sua mão, ele tende a apertá-lo, e o danadinho aparenta querer andar quando é segurado de pé em uma superfície plana.

A estrutura


O recém-nascido apresenta um peso médio 3200g, 50cm de altura e entre 34 e 35cm de perímetro cefálico.

As fezes


O recém-nascido costuma evacuar várias vezes ao dia, inclusive depois das mamadas. As primeiras fezes eliminadas por ele são chamadas de "mecônio", um material viscoso e de cor verde-escuro, que gradativamente vai se tornando amarelado.

Cuidados com o recém-nascido


Os olhos


O inchaço em torno dos olhos e no rosto do seu bebê é normal. Caso os olhos estejam com remelas, limpe-as com um algodão umedecido em água fervida, do canto do olho para fora.

O umbigo


A área do cordão umbilical precisa estar sempre limpa e seca. Sua limpeza deve ser feita uma vez por dia, com uso de sabão neutro durante o banho, até a queda espontânea do coto umbilical, que ocorre por volta do 7º dia após o nascimento.
Após a limpeza, seque o umbigo com uma toalha, e em seguida, passe em toda a região um cotonete umedecido em álcool 70º. NUNCA utilize qualquer tipo de creme, pomada ou curativo, e não cubra o umbigo com faixas, pois ele deve ficar arejado para permanecer bem seco. Procure evitar que a cintura da fralda fique sobre o umbigo. Se você notar alguma anomalia na área do umbigo, como um cheiro intenso, inchaço ou vermelhidão, entre imediatamente em contato com o pediatra, pois uma infecção nesta região é super perigosa.

O banho


O banho do seu bebê deve ser diário e de preferência no período mais quente do dia, entre as 11:00 e 15:00h, num ambiente livre de correntes de ar e próximo ao local de troca. Uma vez definido o horário, este deverá ser mantido como rotina.
Deixe todo o material para o banho previamente preparado (toalhas, roupas, fralda e produtos de higiene). Quanto à temperatura da água, deverá ser de 36ºC, não sendo preciso usar um termômetro para fazer a verificação. Basta você colocar o punho ou o cotovelo na água, que deverá estar morna.
Após despir o seu bebê, limpe muito bem seu bumbum (fora da banheira com algodão umedecido em água morna) e inicie o banho. Utilizando uma esponja bem macia e sabonete neutro (glicerina), lave primeiro o cabelo, jogando a água da frente para trás, depois o rosto e em seguida o tronco, braços, barriga, região genital, pernas e pés. Não se esqueça das dobrinhas e das axilas e não esfregue o sabonete diretamente em sua pele.
Após o banho, seque muito bem o seu bebê, principalmente o umbigo, tomando cuidado para não esfregar a toalha sobre sua pele, e sim apalpando-a.
Corte suas unhas (duas vezes por semana) usando uma tesourinha sem pontas e deixe-as bem arredondadas para que ele não se arranhe.
Cuidado!!! Não introduza cotonetes nos ouvidos do seu bebê e não utilize talco, colônias ou perfumes.

As fraldas


Troque as fraldas do seu bebê sempre que necessário e não economize, pois assim diminui-se os riscos de assaduras. Caso for utilizar fraldas de pano, lave-as sempre com sabão neutro (glicerina ou côco).
Nas meninas, a limpeza do bumbum deve ser feita da frente para trás, para se evitar riscos de infecção vaginal.

As chupetas e mamadeiras


Seria ótimo se seu bebê não usasse a chupeta. Mas se isto não for possível, a solução é escolher o modelo correto.
O tipo do bico da chupeta deve ser ortodôntico, assim como o da mamadeira, e tem que estar de acordo com a idade da criança. Às vezes um bebê não aceita a chupeta porque é muito grande para sua idade. O material da chupeta pode ser em látex ou silicone. Mas o importante, é que o bico seja anatômico, de modo que se encaixe no palato (céu da boca) e tenha apoio para a língua, deixando-a na posição correta de descanso. A aba ou parte externa da chupeta, tem que acompanhar a curvatura do rosto do seu bebê, provocando vedação labial, para impedir que ele crie o mau hábito de respirar pela boca.

As roupinhas


As roupinhas do seu bebê devem ser sempre lavadas com sabão neutro, enxaguadas com bastante água corrente e passadas a ferro quente antes do uso. Nunca utilize goma ou amaciante de roupas quando for lavá-las. Estes produtos poderão irritar a pele dele. Além disso, não use perfumes ou sachês nas roupinhas, pois o bebê seu pode ser alérgico.

As vacinas


Apesar das defesas que o bebê ganha através do aleitamento materno, existem doenças contra as quais ele deve ser imunizado. Esta imunização se dá através de vacinas, que devem ser aplicadas de acordo com o Calendário de Vacinação, desde os primeiros dias de vida.
A vacinação permite o controle e/ou erradicação de doenças graves como por exemplo, a Poliomielite, o Sarampo, a Tuberculose, a Hepatite B, a Rubéola e outras.

O "Cartão de Saúde da Criança" é o primeiro documento do bebê e agrega em um único instrumento, além do registro de todas as vacinas, uma série de informações, tais como: os dados de identificação do seu bebê, anotações sobre o parto e condições de nascimento, um gráfico para acompanhamento da evolução do peso/idade, doenças mais importantes, dados da imunização e etc.

O Teste do pezinho


O chamado "Teste do pezinho", isto é, a extração de algumas gotinhas de sangue do calcanhar do recém-nascido, serve para testar o funcionamento genético do seu metabolismo, e tem como objetivo detectar precocemente algumas doenças, tornando possível o tratamento imediato, até mesmo antes que elas se manifestem. Quando você sair da maternidade, receberá, além de outras informações, a requisição para realizar o teste, que deve ser feito quando o seu bebê estiver com 2 a 7 dias de vida.

A hora da naninha


Os bebês costumam dormir cerca de 21 horas por dia, sendo o sono super importante para o seu desenvolvimento regular e saudável. Quando você puser seu bebê para dormir, deixe-o sempre de costas ou de lado e nunca coloque-o de barriga para baixo, por causa daquilo que se chama "Síndrome de Morte Súbita". Ela ocorre com mais frequência entre os 2 e os 6 meses.
Antes de deitá-lo, não esqueça de fazê-lo arrotar, caso o tenha amamentado, e alise muito bem os lençóis do berço para que dobras não machuquem sua pele.


Miguel Pereira

Título: Cuidados A Ter Com O Seu Bebê Recém Nascido

Autor: Miguel Pereira (todos os textos)

Visitas: 0

527 

Comentários - Cuidados A Ter Com O Seu Bebê Recém Nascido

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios