Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Visitas: 37
A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

Na Idade média, os conhecimentos médicos eram muitos vagos. Por isso a causa da maioria das doenças era desconhecida.

A existência de epidemias era, habitualmente , atribuída a uma manifestação de cólera divina, em virtude dos pecados cometidos pelos homens.

Era comum a prática da flagelação, na qual se batia no corpo com cintos e cordas, uma forma encontrada para expiar os pecados cometidos.

Faziam a limpeza das povoações, a purificação do ar, através da queima de ervas aromáticas, o isolamento dos doentes e a proibição da sua entrada nas povoações. Estes eram considerados elementos, nem sempre eficazes, para se evitar o contágio.

Com efeito, nesta época, a doença resultava da influência de forças malignas, controlada por bruxas e feiticeiros, que só poderiam ser combatidos com a ajuda divina.

Deste modo, a medicina era tão incerta que recorriam a mesinhas naturais e sobrenaturais, que nem sempre eram receitadas por médicos e cirurgiões, mas também pelos padres, os boticários, os barbeiros, os bruxos e um sem número de outros curiosos, chamados curandeiros.

Os remédios prescritos com frequência eram a sangria, muito eficaz em certos dias do mês, quando a lua e os astros encontravam certas posições. Além disso, existia ainda uma variedade de mesinhas, que aplicavam consoante oa maleita apresentada ao médico.

Havia algumas muito conhecidas como o remédio á base de fel de perdiz e andorinha, semente de funcho, cinzas de esterco humano e urina amassada com mel. A fim das dores dos doentes serem vencidas, recomendavam raízes de plantas, esterco de porco e leite de cadela, envolvido numa teia de aranha.

Na verdade, eles achavam que a febre podia ser vencida através de certas orações, consideradas eficazes, e, eram auxiliadas com inalação de gotas de sumo de erva de primavera. Utilizavam pós, xaropes, pílulas, pastilhas de mascar e, inclusive supusitórios, que resolviam muitos problemas.

Os doentes eram tratados em casa e o hospital medieval era mais de acolhimento do que de cura. Além disso era um abrigo, ainda que temporário, para os mais velhos e pobres, que necessitavam de alimento.

A partir do Renascimento houve alguns avanços, em especial a prática de autópsia dos cadáveres, que permitiu um conhecimento mais rigoroso do corpo humano. Assim, os conhecimentos médicos melhoraram, com a descoberta de novos instrumentos, como o microscópio, o termómetro, o estetoscópio, entre outros.

O microscópio permitia identificar bactérias específicas, causadoras da tuberculose, da cólera e outras infeções. Além disso descobriram-se os antibióticos, que permitiam controlar certas doenças.

O raio X foi uma impoertante descoberta, de diagnóstico, assim como a ultrassonografia, a tomografia axial computadorizada e a ressonância magnética.


Teresa Maria Batista Gil

Título: A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 37

787 

Comentários - A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios