Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > O Homem Duplicado - E quando a literatura nos faz pensar?

O Homem Duplicado - E quando a literatura nos faz pensar?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 2
O Homem Duplicado - E quando a literatura nos faz pensar?

E quando a leitura nos faz pensar muito, sem sequer darmos por isso? E se em vez de nos sentirmos apaixonados como quando lemos um romance, nos sentirmos pensativos e damos por nós a colocar questões que nem sequer nos tinham passado pela ideia?

Pois bem, José Saramago tem essa extraordinária capacidade. Se em Portugal somente dois Homens mereceram Nobeis (apesar de muito acharmos que teríamos outros merecedores), José Saramago, vale por muitos. Existe sim senhora, quem diga que é difícil lê-lo, que é chato, que a sua postura os impede de aceitar a sua escrita, mas já tentaram ler as suas obras na sua verdadeira essência??? São únicas, obrigam-nos aquilo a que muitas vezes nos custa fazer – raciocinar.

Nas várias obras que José Saramago já escreveu, muitas são as polémicas que podemos realçar, mas uma define o ser Humano e coloca-nos numa dúvida existencial que nos confunde.

Se é característica do autor fazer-nos avaliar de forma intensa quem somos na realidade e o que nos rodeia, com o livro “O Homem Duplicado”, as intenções triplicam-se.

A história começa quando um homem comum descobre que tem um sósia que é ator de cinema. Alguém rigorosamente igual a si. Pela pesquisa que faz para o descobrir fisicamente e apresentar-se, este comum professor de História comove-se pela sua existência e coloca em causa muitos das sagradas convicções que o acompanharam por toda a sua vida.

A se descobrirem, conhecem-se não só um ao outro, mas à dura realidade que são clones. Instala-se então a incerteza e a revolta de se saber quem é o original e quem é de facto o duplicado.

O turbilhão de emoções que nos leva a pensar se seremos reais ou meras experiências científicas e mesmo até os valores tão pessoais e profundos que colocamos em causa quando somos confrontados com realidades impossíveis de imaginar.

José Saramago habituou-nos à controvérsia e este livro supera-se num mundo em que as palavras ditam as ordens dos livros. Escrito de uma forma envolvente, um livro que se derrete a cada pagina.

Uma escrita que ultrapassa guiões de verdadeiros épicos, tal a descrição de espaços, sensações e personagens, o autor mais uma vez brinda-nos com perfeitas obrigações de pensamentos. Mais que obrigatória, a leitura desta obra marca-nos enquanto Seres. Seremos únicos ou não?


Carla Horta

Título: O Homem Duplicado - E quando a literatura nos faz pensar?

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 2

626 

Imagem por: apesara

Comentários - O Homem Duplicado - E quando a literatura nos faz pensar?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: apesara

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios