Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Informática > Visões do futuro: a Era Informática

Visões do futuro: a Era Informática

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Informática
Visitas: 12
Comentários: 1
Visões do futuro: a Era Informática

A necessidade de comunicar é intrínseca ao próprio ser humano. Existe desde sempre e continuará a existir enquanto ele (nós) for(mos) regido(s) pela natureza que o (nos) define. Com efeito, primeiro com o corpo, depois com os desenhos e a escrita, agora com a Informática, a evolução do ato de comunicar tem sido uma constante, distinguindo-nos nós dos nossos antepassados fundamentalmente pelo grau de complexidade das técnicas utilizadas e pelo crescente número de destinatários das mensagens.

O recurso a um determinado instrumento transforma, de certa forma, o seu usuário. Atente-se nas novas modalidades de informação e de comunicação que o telefone, a rádio e a televisão vieram trazer. Do mesmo modo, o computador, ao facultar a comunicação entre pessoas espalhadas pelos quatro cantos do mundo, promoveu transformações sociais (e dos estilos de vida) e o aparecimento de um novo conceito de comunidade humana.

É polémica a tese que advoga que vivemos, atualmente, numa sociedade do conhecimento, porque há quem defenda que informação não é sinónimo de conhecimento, que nem todos constam desta sociedade e que a comunicação é controlada por sistemas de técnicas interativas, mormente pela Internet. Não obstante, parece claro e universalmente aceite que a construção da sociedade em que nos movemos foi amplamente influenciada pelo progresso no domínio das telecomunicações e da informática.

A questão é que o ser humano se confunde, cada vez mais, com a tecnologia, deixando de se ter a exata noção de onde começa um e acaba outro, ou do que é distintivo de um e outro. Já Einstein alertava para as ameaças da bomba atómica, da bomba demográfica e da bomba informática. Parece que desta última resultou uma metamorfose na essência da Humanidade, estando a delinear-se uma nova era: a do Homo Digitalis.

Na verdade, já é possível fazer quase tudo por computador: trabalhar, estudar, divertir-se, consultar, comprar, conviver, … É o que se poderia apelidar de “a volta ao mundo em pantufas”, dado que tudo isto está à distância de um clique, sem ser preciso sair de casa.

Um dos perigos pode ser, precisamente, o isolamento, com a fundamentação da vida numa ilusória mudança de personagens que o próprio indivíduo constrói e nas quais acredita e deseja incarnar. Isto é facilitado pela ausência de contacto direto, que permitiria a avaliação de expressões não verbais relevantes à complementação do processo de comunicação. Chega-se ao paradoxo de se comunicar através de instrumentos (como o computador) que têm enfraquecido a comunicação!

As novas tecnologias de informação não possuem um cariz meramente utilitário; elas apresentam implicações éticas e pedagógicas pelo facto de representarem um meio de experiência do mundo. Portanto, com tudo o que de fantástico esse avanço trouxe, há receios legítimos acerca de eventuais consequências negativas da circulação de tanta informação não controlada. Aconselha o bom senso que se tomem precauções na abordagem das tecnologias, principalmente no que respeita à Internet, e que se contenha a euforia, promotora de danos irreparáveis. Trata-se de instrumentos, nada mais!


Maria Bijóias

Título: Visões do futuro: a Era Informática

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 12

815 

Imagem por: hyperscholar

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Beatriz Cantarino Dos Santos

    23-08-2014 às 00:17:52

    voce pode me mandar um texto sobre a informatica sem ser esses que tem nesse site porque tenho que fazer um trabalho sobre informatica e queria levar algo diferente novo tenho que entregar o trabalho na quarta entao me manda n terca assi: beatriz

    ¬ Responder

Comentários - Visões do futuro: a Era Informática

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: hyperscholar

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios