Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Informática > Visões do futuro: a Era Informática

Visões do futuro: a Era Informática

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Informática
Visitas: 12
Comentários: 1
Visões do futuro: a Era Informática

A necessidade de comunicar é intrínseca ao próprio ser humano. Existe desde sempre e continuará a existir enquanto ele (nós) for(mos) regido(s) pela natureza que o (nos) define. Com efeito, primeiro com o corpo, depois com os desenhos e a escrita, agora com a Informática, a evolução do ato de comunicar tem sido uma constante, distinguindo-nos nós dos nossos antepassados fundamentalmente pelo grau de complexidade das técnicas utilizadas e pelo crescente número de destinatários das mensagens.

O recurso a um determinado instrumento transforma, de certa forma, o seu usuário. Atente-se nas novas modalidades de informação e de comunicação que o telefone, a rádio e a televisão vieram trazer. Do mesmo modo, o computador, ao facultar a comunicação entre pessoas espalhadas pelos quatro cantos do mundo, promoveu transformações sociais (e dos estilos de vida) e o aparecimento de um novo conceito de comunidade humana.

É polémica a tese que advoga que vivemos, atualmente, numa sociedade do conhecimento, porque há quem defenda que informação não é sinónimo de conhecimento, que nem todos constam desta sociedade e que a comunicação é controlada por sistemas de técnicas interativas, mormente pela Internet. Não obstante, parece claro e universalmente aceite que a construção da sociedade em que nos movemos foi amplamente influenciada pelo progresso no domínio das telecomunicações e da informática.

A questão é que o ser humano se confunde, cada vez mais, com a tecnologia, deixando de se ter a exata noção de onde começa um e acaba outro, ou do que é distintivo de um e outro. Já Einstein alertava para as ameaças da bomba atómica, da bomba demográfica e da bomba informática. Parece que desta última resultou uma metamorfose na essência da Humanidade, estando a delinear-se uma nova era: a do Homo Digitalis.

Na verdade, já é possível fazer quase tudo por computador: trabalhar, estudar, divertir-se, consultar, comprar, conviver, … É o que se poderia apelidar de “a volta ao mundo em pantufas”, dado que tudo isto está à distância de um clique, sem ser preciso sair de casa.

Um dos perigos pode ser, precisamente, o isolamento, com a fundamentação da vida numa ilusória mudança de personagens que o próprio indivíduo constrói e nas quais acredita e deseja incarnar. Isto é facilitado pela ausência de contacto direto, que permitiria a avaliação de expressões não verbais relevantes à complementação do processo de comunicação. Chega-se ao paradoxo de se comunicar através de instrumentos (como o computador) que têm enfraquecido a comunicação!

As novas tecnologias de informação não possuem um cariz meramente utilitário; elas apresentam implicações éticas e pedagógicas pelo facto de representarem um meio de experiência do mundo. Portanto, com tudo o que de fantástico esse avanço trouxe, há receios legítimos acerca de eventuais consequências negativas da circulação de tanta informação não controlada. Aconselha o bom senso que se tomem precauções na abordagem das tecnologias, principalmente no que respeita à Internet, e que se contenha a euforia, promotora de danos irreparáveis. Trata-se de instrumentos, nada mais!


Maria Bijóias

Título: Visões do futuro: a Era Informática

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 12

815 

Imagem por: hyperscholar

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Beatriz Cantarino Dos Santos

    23-08-2014 às 00:17:52

    voce pode me mandar um texto sobre a informatica sem ser esses que tem nesse site porque tenho que fazer um trabalho sobre informatica e queria levar algo diferente novo tenho que entregar o trabalho na quarta entao me manda n terca assi: beatriz

    ¬ Responder

Comentários - Visões do futuro: a Era Informática

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: hyperscholar

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios