Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Informática > Informática na 3ª Idade

Informática na 3ª Idade

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Informática
Visitas: 2
Comentários: 3
Informática na 3ª Idade

Vivemos a era das novas tecnologias e dos computadores. Tudo é elétrico, eletrónico e programável. Tudo nos facilita a vida, o dia a dia, o mundo.

O trabalho e a vida profissional de todos nós foram alterados pelas novas tecnologias, quando as grandes máquinas, os computadores, faxes, e a internet foram introduzidos nas fábricas, escritórios, etc. Também a nossa vida doméstica foi alterada e de certa forma facilitada. As máquinas de lavar loiça e roupa, os ferros de engomar com vapor e tantas outras coisas que nos fazem poupar tempo. Em suma, as novas tecnologias alteraram a nossa vida na totalidade, incluindo a informação que recebemos de todos os lados do mundo.

Das inovações mais recentes e desenvolvidas, destaca-se uma que mudou o mundo como há muito não se via. A internet.

Todos conhecemos os benefícios e os malefícios da internet.

A obrigatória supervisão dos pais, quando os utilizadores são os filhos, ou os encontros um tanto às cegas dos jovens que se conhecem nas comunidades on-line são assuntos de que muito se ouve falar. A internet, como tudo na vida, tem coisas negativas e positivas.

A informação acessível e à distancia de um clique, o conhecimento, a organização, a descoberta, são fatores bastante positivos, mas não fica por aqui.

Cada vez mais os nossos idosos têm a tendência a se isolarem e sofrerem a solidão que dita o fim dos seus dias. Idosos aos cuidados de si próprios, caídos na escuridão dos dias que custam a passar, sem que possam trocar palavra com ninguém.

Alguns destes idosos descobriram um novo mundo. Um mundo que lhes permite uma maior independência quando mais ninguém se lembra das suas moradas. Amizades que se cruzam, encomendas da farmácia e do hiper-mercado, as notícias, enfim, as notícias do mundo lá fora.

Os cursos de informática para idosos multiplicam-se e muitos são dados ao domicílio, facilitando a vida a quem a mobilidade constitui um enorme problema.

Adquirem o seu computador e partem para a aventura. Os Chats de conversação e as comunidades on-line, permitem-lhes conversas com gente da sua idade. As conversas, essas, partilham não só conhecimentos e histórias de vida, mas também as preocupações inerentes a esta idade tão cansada e tão vivida.

Outro dos fatores positivos é o alerta imediato na eventualidade de um dos idosos não fazer visitas ou deixar mensagens on-line, o que levanta suspeitas de que algo não está bem. O desaparecimento virtual de um idoso, produz alerta pela parte dos seus companheiros virtuais.

Uma forma de mudar o mundo, de visitá-lo, de descobri-lo de forma diferente, acaba com a solidão tão própria destas idades tão bonitas.


Carla Horta

Título: Informática na 3ª Idade

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 2

724 

Imagem por: lizzardo

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • SophiaSophia

    06-05-2014 às 21:43:07

    Já se nota esse aumento drasticamente. As pesquisas revelam que os idosos estão a cada dia interessando-se no uso da internet como forma de tirar mais a solidão de suas vidas. Os meios estão mais fáceis, de fato!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • André BelacorçaAndré Belacorça

    09-10-2012 às 18:11:10

    Já é cada vez mais um hábito vermos os idosos a trabalhar com o computador, em aprendizagem, sinceramente fico muito feliz com isso, é bom ver essa geração a aprender o que naquela altura era impensável pensar. E quem diz que o informática é só para a 1ª e 2ª geração está muito bem enganado, a informática não escolhe idades, apenas cria aprendizes, dos mais novos, aos mais velhos.

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    09-10-2012 às 00:25:34

    eu adoro pessoas idosas e tudo que seja benéfico para alegrar o dias delas eu concordo. a informática é um óptimo hobbie ainda mais se está tão em voga as redes sociais. estamos perante a chamada aldeia global, que todos devem poder ter acesso. é tão bom ver os avós a contactar com os filhos e os netos que emigraram. acho que devia de haver iniciativas para promover o conhecimento na 3ª idade.

    ¬ Responder

Comentários - Informática na 3ª Idade

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: lizzardo

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios