Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > Street Surfing

Street Surfing

Categoria: Desporto
Visitas: 2
Comentários: 10
Street Surfing

Numa tradução literal, este desporto consta de “surfar nas ruas”. Surgido na Califórnia (Estados Unidos) em 2005, é já praticado um pouco por todo o mundo, havendo milhares de jovens adeptos desta modalidade. É uma mistura do melhor que há no skate, no surf e no snowboard e permite manobras radicais, uma vez que a plataforma utilizada, a wave, semelhante a um skate, tem apenas duas rodas que giram 360 graus e um eixo em aço inox flexível, com propulsão de movimentos, sem necessidade de pôr os pés no chão. Na verdade, com um peso acercado dos quatro quilos, possibilita atingir grandes velocidades, com manobras fáceis, reeditando os melhores movimentos do surf, num contexto de maior radicalidade do que a proporcionada pelo skate convencional.

O street surfing consiste em fazer manobras em muros, escadarias e marquises, tal como se faz na água. Trata-se de surfar a seco, voando, em muitos casos, como um pássaro ou conseguindo proezas como o Super-Homem. Ao que parece, e segundo os que já experimentaram, dá a sensação de se estar mesmo em cima da onda… Não obstante, é melhor não se abstrair demasiado, não vá acontecer ser-se forçado(a) a aterrar, de repente, com os pés (e sabe-se lá mais o quê) em terra (demasiado) firme! A wave (onda, em inglês) é real, mas urbana; nada tem de soft e a possibilidade de quedas não está fora de cogitação. Contudo, os eventuais tombos terão lugar num corpinho em super forma, já que o street surfing trabalha várias famílias de músculos.

Embora dê para fazer uma infinidade de manobras, como no skate, no surf ou no snowboard, o street surfing ambiciona uma faceta de lazer, facultando a prática de toda a família. Naturalmente que será aconselhável fixar dentes postiços, cabeleiras e outros “acessórios”, e assegurar-se da firmeza de próteses ortopédicas e outras vicissitudes que a idade e as circunstâncias da vida foram aportando, just in case…

O street surfing é bem mais simples de aprender e de executar do que o surf. Ao cabo de meia hora, uma pessoa com uma aselhice dentro da média já é capaz de andar sózinha, coisa que na água as verdadeiras ondas dificultam e adiam, por vezes ad eternum. Alcançar o domínio, objectivo tão perseguido em diversas áreas da vida, é o segredo do sucesso no contexto do street surfing, apesar de se andar aos “ésses”. Mas, atenção! Recomenda-se vivamente o uso de capacetes e outros adornos de protecção sempre que se pular para cima de uma wave, não vá o diabo tecê-las…!

Maria Bijóias

Título: Street Surfing

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

792 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 10 )    recentes

  • Yuri SilvaYuri

    05-10-2014 às 21:58:52

    Muito louco esse street surfing! Para quem ama aventurar é bem prazeroso e legal! O que mais gosto de ver são essas manobras radicais. Muito showww!

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    26-04-2014 às 22:20:13

    Admiro quem pratica, mas eu mesma não sei se conseguiria...heheh..Adorei conhecer mais de Street Surfing, muito obrigada!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãooi? xou eu!

    28-03-2011 às 23:17:12

    esta maix aux menox exta cena! curtix á brava xD

    ¬ Responder
  • Tom DantasTom Dantas

    25-01-2011 às 22:27:02

    Infelizmente, ainda é difícil achar venda de acessórios no Brasil.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoadepta do street surfing forever- marta santos

    09-01-2011 às 11:50:40

    adorei ler sobre street surfing pois é um desporto que adoro e que quero começar a dominar... para isso acho que primeiro devemos saber um pouco sobre a sua historia e sobre que desportos é que abrange e como/em que circunstancias abrange!!!

    ¬ Responder
  • marianamariana

    17-07-2010 às 18:40:14

    e curtido street surfing

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãojony

    03-07-2010 às 20:32:40

    vou tentar fazer uma street surfing de pois eu digo se consegui

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoJorge

    11-03-2010 às 15:07:00

    @ines
    olá!voce faz street surfing?

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãopeter

    05-05-2014 às 23:27:45

    jonas claro que sim a 3 anos...e o maximo

    ¬ Responder
  • inesines

    11-03-2010 às 14:26:42

    ola

    ¬ Responder

Comentários - Street Surfing

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios