Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Decoração > Decore e transforme sua sala

Decore e transforme sua sala

Categoria: Decoração
Visitas: 12
Decore e transforme sua sala

A decoração de um ambiente é mais que a disposição de móveis e objetos em seu interior, é um gesto de sensibilidade de quem a executa, é conseguir transformar um cômodo em um local humanizado e individualizado.
E quando se trata de decorar uma sala, todo carinho é pouco.
Em uma residência, a sala ocupa posição de grande importância, já que é nela onde recepcionamos pessoas queridas e as apresentamos ao restante da casa.
É na sala também onde nos sentamos para descansar sozinhos ou com a família, para saborear aquela pipoca incrível, para assistirmos a um bom filme ou àquela série tão engraçada.
Por tantos motivos a organização e decoração desse nobre ambiente devem ser pensadas com cuidado, de forma que o espaço consiga reproduzir a personalidade e o estado de espírito dos donos da casa.
As opções estéticas são pessoais, mas algumas dicas podem ajudar com certeza a todos que desejam repaginar sua sala.

Medir o cômodo é muito importante.

• Anote as medidas da sala na sua agenda e faça um esquema simples da forma geométrica que tem o ambiente, de onde está localizada a porta, e qual a medida desta.
• Assim, quando for comprar novos móveis, novos objetos como tapetes, mesas de centro ou quadros, vai poder conferir se será possível passá-los pela porta e mesmo se caberão na sua sala.

Escolhendo as cores para pintura de paredes, móveis e objetos de decoração

• As cores nos despertam uma grande variedade de reações físicas e psicológicas, e algumas destas podem ser bem indesejáveis.
• Um ambiente no qual uma única cor predomina acaba por parecer monótono e cansativo, mas você pode ‘quebrar’ essa sensação utilizando cores contrastantes em pontos específicos, ou em objetos diferenciados.
• Quando predominam no espaço, as cores ‘quentes’ como amarelo intenso e laranja, tendemos a nos sentir inquietos e com vontade de sair do ambiente.
• Cores como azul, em tons claros, e branco nos conduzem a sentimentos de tranqüilidade.
• Cores muito escuras podem nos induzir a sentimentos de angústia e de depressão, quando usadas em excesso, mas você pode usá-las como forma de destaque com quadros, almofadas, mantas ou vasos.
• A combinação de preto e branco em um ambiente é um ótimo artifício para deixar a sala com características minimalistas, de limpeza visual, e também pode conferir uma sensação de maior amplitude ao local.
• Antes de qualquer escolha, separe algumas cores preferidas, compre algumas amostras e teste em sua sala.
Observe também as cores utilizadas em locais que você gosta e veja os detalhes dessa utilização, os contrastes, os pontos de suavização.

Iluminando sua sala

• Sempre que possível, use lâmpadas de baixo consumo, como fluorescentes compactas ou de leds, que estão disponíveis no mercado em uma grande variedade de cores, formas e valores.
Em longo prazo você notará uma economia substancial na sua conta de energia.
• Se você deseja um ambiente mais intimista, com ar mais reservado, instale luminárias de projeção indireta, com controle de intensidade.
• E se deseja dar destaque a algum ponto específico da sua sala, ou a algum objeto em especial, você pode fazer uso de rebaixos de gesso com a instalação de luminárias direcionais dicróicas.
• Seja qual for a sua escolha quanto à iluminação, aproveite as aberturas nas paredes, e se puder, aumente-as em dimensões e quantidades. Janelas grandes são ótimas para promover tanto a boa iluminação durante o dia, quanto a ventilação do ambiente.

Seja curioso e faça você mesmo a sua decoração

Com a facilidade de acesso à informação, basta que você seja um tanto curioso para encontrar em revistas, jornais ou na internet, informações que o auxiliarão a decorar sua sala.
• Use tecidos como parte da decoração, pois enriquecem o ambiente, tornando-o mais aconchegante e único.
• Use tecidos de cores ou estampas especiais em uma cortina, no revestimento de uma luminária, ou mesmo aplicados em uma parede específica.
• Compre almofadas nas suas cores prediletas, ou troque o revestimento daquelas que já possui.
• Se você gosta de produzir, criar e inventar, recicle objetos que já tem em sua casa.
Uma garrafa velha pode se transformar em um lindo recipiente para flores, aqueles pneus gastos podem se transformar em uma mesa de centro, ou em local para fazer uma pequena horta. Há inúmeras possibilidades.
• Não pode trocar o sofá? Compre uma manta diferente, e combine com almofadas.
• Você ainda pode fazer de caixas de frutas (ou caixotes de madeira) apoios para se colocar ao lodo do sofá, para se colocar revistas, livros ou luminárias.
Esses caixotes de madeira podem ser pintados, decorados, modificados, basta se inspirar.

Seja curioso e criativo, use nossas dicas e deixe sua sala mais aconchegante, mais confortável, no seu estilo particular.



Danília Oliveira Gonçalves

Título: Decore e transforme sua sala

Autor: Danília Oliveira Gonçalves (todos os textos)

Visitas: 12

296 

Comentários - Decore e transforme sua sala

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios