Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Segurança > Segurança na sua piscina

Segurança na sua piscina

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Segurança
Visitas: 6
Comentários: 1
Segurança na sua piscina

O afogamento, ou acidente por submersão, constitui a segunda causa de morte acidental nas crianças. Pode ter como palco a banheira, um poço, um tanque, um lago, um rio, a praia, baldes, alguidares ou uma piscina. É uma fatalidade que ocorre em poucos minutos e não provoca alarido; o afogamento processa-se em absoluto silêncio (a criança não esbraceja nem grita com a cara dentro de água), de forma trágica e extremamente rápida. Nalguns países, existe legislação que estabelece a obrigatoriedade de todas as piscinas, particulares ou não, se encontrarem devidamente protegidas, a fim de dificultar a aproximação despercebida de uma criança.

Na verdade, ainda que não se tenha filhos, muitos outros miúdos poderão aceder à piscina ou a outro elemento do ambiente familiar que contenha água, porque os garotos sentem uma atração irresistível por estes espaços. Adicionalmente, o proprietário é o responsável pela proteção de uma zona de eventual perigo constante do seu património.

Independentemente da variedade de sistemas eletrónicos e sofisticados, de coberturas rígidas (manuais ou automáticas) e de alarmes sonoros, o mais simples e eficaz é erguer uma barreira física que uma criança com menos de cinco anos não seja capaz de transpor. Ainda assim, e dado que nenhum sistema é à prova de criança, a supervisão é o fator essencial da segurança. Não obstante, é muito útil arranjar um mecanismo que atrase o acesso à água por parte de um pirralho que tenha escapado por alguns segundos a essa supervisão.

A eficácia de uma vedação depende de algumas características, com sejam: a não permissão da passagem de uma criança, por cima, por baixo ou através dela; não ser escalável nem ostentar componentes de apoio aos pés ou às mãos; possuir um portão ou cancela que feche automaticamente depois da utilização, com um sistema de fecho fora do alcance de mãozinhas curiosas e persistentes e que torne a abertura possível apenas mediante duas ações distintas e coordenadas; não ter intervalos que possibilitem a passagem da cabeça ou de outras partes do corpo da criança; ser sólida e estável.

De salientar que o recinto da piscina deve ser transparente (para proporcionar visibilidade do exterior) e que, no caso de pavimento deformável (por exemplo, areia), não deve existir qualquer intervalo entre a vedação e o chão. Em acréscimo, é aconselhável que os rebordos do batente do portão não ocasionem entalões, nem existam arestas, pregos, parafusos, juntas mal vedadas, farpas ou quaisquer outros agentes potencialmente causadores de cortes, perfurações e até de amputação de dedos.

De evitar nessas imediações são, igualmente, plantas espinhosas e produtos para a piscina; uma emanação de cloro acarreta perigo para as crianças. Os brinquedos flutuantes são um chamariz para que um garoto entre na água. Cuidado! Há que retirá-los.

Certificar-se de que o pavimento junto à piscina é anti-derrapante, tanto seco como molhado, também ajuda a prevenir ocorrências menos felizes. Há que prestar muita atenção ao uso de aparelhos elétricos junto à piscina; se os fios ou a tomada entrarem em contacto com a água, é muito provável que alguém fique eletrocutado!

A distração de atender o telefone está por detrás de inúmeras mortes por afogamento. É melhor optar por um mecanismo sem fios ou por não atender, descurando a atenção às crianças. As festas são outro cenário de risco. No meio de tanta gente, pensa-se que há sempre alguém a vigiar os miúdos. No fim, estão todos descansados e as crianças não têm qualquer supervisão. O ideal é fazer “turnos”, sendo que as pessoas que se revezam devem saber nadar e agir em caso de emergência. Aliás, qualquer um que tenha piscina em casa, mesmo que vedada, deve tirar um curso de socorrismo ou, no mínimo, aprender a praticar reanimação cardio-respiratória.

De ressalvar que as piscinas insufláveis contêm água suficiente para que um miúdo se afogue! Se a cabeça cair dentro de água, ele já não consegue levantar-se sozinho.


Maria Bijóias

Título: Segurança na sua piscina

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 6

810 

Imagem por: apdk

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    29-05-2014 às 06:21:16

    Existem crianças que sabem nadar perfeitamente na piscina.Porém, é sempre bom opai ou a mãe estarem de olhos bem abertos. As crianças se empolgam demais brincando e isso pode trazer muitos problemas.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Segurança na sua piscina

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: apdk

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios