Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Aprenda a conciliar a vida pessoal e o trabalho

Aprenda a conciliar a vida pessoal e o trabalho

Categoria: Empresariais
Comentários: 2

A vida pessoal e o trabalho aparecem, amiúde, como realidades quase opostas. Talvez advenha desta visão limitada e negativista no que ao trabalho diz respeito a ideia de que se trata de extremos de uma existência que tem de penar entre o castigo impugnado de se ver na iminência de trabalhar e a angústia de não ter tempo para si e para os seus. Os especialistas, porém, sustentam que da aproximação desses pseudo-contrários é que resulta uma maior qualidade de vida.

No entanto, e dado que os trabalhadores não têm super poderes, harmonizar as actividades profissionais com o restante tempo não é tarefa fácil e o equilíbrio apresenta-se como um desafio constante. Esta dificuldade é incrementada pelo facto de os horários de trabalho serem coisa do passado, em que laborar das 9h às 18h, com uma hora para almoço, era norma. Agora, o telemóvel, o computador portátil e outras tantas ferramentas não deixam espaço a descansos intermédios, nem sequer à noite ou aos fins-de-semana e feriados.

As exigências de colaboradores com perfil mais engenhoso, empenhado, inovador e criativo não se compadecem com momentos de lazer, porque estas pessoas passam a vida a ser requisitadas. Não obstante, esta vida não pode ser apenas trabalho. O relaxamento é essencial ao bem-estar físico e psicológico, por razões óbvias, e quando não tem lugar, a capacidade de resposta do indivíduo, a todos os níveis, diminui.

Agendar as actividades de lazer pode ser uma iniciativa simpática. Para além disto, matizar circunstâncias de lazer com interesses profissionais e vice-versa também se afigura como inteligente e constitui uma aposta de relevo. Trata-se de um conceito original, que ajuda a corroborar a tese de que é possível trabalhar mais sem renunciar à vida pessoal.

O relacionamento entre funcionários, desencorajado por grande parte das empresas e proibido por outras, é agora fomentado, tendo-se chegado à conclusão de que se revela benéfico em termos de satisfação pessoal, e, portanto, de produtividade, uma vez que colmata lacunas afectivas deixadas pela pouca disponibilidade que as pessoas têm para lhe dedicar. As organizações mais actualizadas até já procuram uma aproximação à família dos colaboradores, estabelecendo, inclusive, relação com os respectivos filhos, promovendo visitas às instalações, no âmbito de, por exemplo, um sábado diferente.

Da mesma forma, há firmas que apostam nos homeworkers, isto é, profissionais que trabalham a partir de casa. Não têm gastos com instalações, as tarefas são cumpridas e ainda propiciam as relações familiares. Efectivamente, a sinergia entre o espaço doméstico e o profissional traz resultados bastante mais frutíferos e compensadores.

O desporto é outra das práticas que auxilia a concentração, a paciência e o equilíbrio emocional. O stress reduz-se e a alimentação tende a melhorar. A verdade é que cada aspecto da vida influencia, em maior ou menor escala, todos os outros, porque formam um conjunto inseparável, enquanto componentes da existência humana.

Em alturas de crise, existe uma tendência crescente de fazer do trabalho um vício, de se manter constantemente à disposição (com medo de perder o emprego), de revelar competências novas, tudo com o intuito de não se ser ultrapassado pelos colegas, ou mesmo dispensado. Contudo, nem sempre trabalhar mais é sinónimo de trabalhar mais horas. Em muitos casos, é a qualidade que conta e não tanto a quantidade. A responsabilidade laboral é grandemente coadjuvada pelo entusiasmo, pela emoção, pela intensidade (razoável), e não pela definição do trabalho como a meta principal, prescindindo da oportunidade de acompanhar o crescimento dos filhos, de dar atenção ao cônjuge, de privar com parentes e amigos, para além da básica vigilância da própria saúde! Se «a idade não perdoa», este é um domínio onde a regra não admite excepções…

As pessoas precisam de ter uma certa maturidade para conseguirem trabalhar em “frequência moderada”, ou então padecerem de consequências, quiçá irreversíveis, de escolhas erradas. Não são as horas que se passam a trabalhar que determinam a maior ou menor performance de um trabalhador, mas sim o talento, o discernimento, as aptidões inatas, a visão estratégica. Nem tudo é directamente contabilizável; a avaliação não pode ser apenas numérica! A valorização da vida pessoal e a sua gestão devem ser vistas como uma mais-valia, não somente para o indivíduo em causa, mas para toda a máquina produtiva de que ele faz parte e que sustenta o desenvolvimento social e económico.

Máximo desempenho com o mínimo desgaste bem poderia constituir o slogan de organizações que pretendam investir na saúde, na motivação, na confiança, no respeito e na satisfação dos seus empregados. O equilíbrio aporta uma sensação de conforto e a capacidade de enfrentar qualquer dificuldade e repto mais arrojado.

Próximo projecto em agenda: MUDAR COMPORTAMENTOS INSANOS. Objectivos: Alcançar um novo modelo de qualidade, incitando outros a fazer o mesmo, contribuindo para as necessárias mudanças no ambiente de trabalho. Lucros: Clarificação das dimensões física, emocional e social, com consequente aumento da estabilidade, que permitirá ir mais além.


Maria Bijóias

Título: Aprenda a conciliar a vida pessoal e o trabalho

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

802 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    04-07-2014 às 19:25:50

    É um assunto bem interessante. Nos dias de hoje é cada vez mais difícil conciliar vida pessoal e trabalho, pois estamos tão atarefadas com tantas coisas. Mas, o bom é ter equilíbrio e dinamismo. Podemos planejar nosso tempo da melhor forma.

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    18-09-2012 às 13:07:33

    O seu texto debruça-se sobre um tema bastante importante. Quer seja por dedicação excessiva ao trabalho, por vontade de subir na hierarquia empresarial ou por mera obrigação do horário de trabalho, a verdade é que muitas são as pessoas que não dedicam tempo suficiente à família, aos amigos e a todo o conjunto de relações sociais. Apreciei as suas dicas, nomeadamente aquela que sugere o agendar das actividades, ainda que ao início possa parecer forçado.

    ¬ Responder

Comentários - Aprenda a conciliar a vida pessoal e o trabalho

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios