Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Franchising, um bom negócio?

Franchising, um bom negócio?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Empresariais
Comentários: 2
Franchising, um bom negócio?

Para quem está a pensar abrir um negócio por conta própria, o Franchising pode de facto ser uma boa opção, mas como em tudo existem os prós e os contras e a primeira coisa a fazer será informar-se sobre todos os aspetos inerentes a um negócio em Franchising.

De entre os pontos positivos deve-se salientar o facto de a marca já estar implementada no mercado – se escolher uma marca com provas dadas saberá desde o início que o modelo de negócio funciona e por isso o risco é muito menor. Apenas que terá que seguir as diretrizes que lhe serão transmitidas e em princípio o negócio também irá resultar para si. Isto é verdade na maior parte dos casos, no entanto dependendo do meio (cidade, vila, etc.) em que vai abrir o franchising os resultados poderão ser bastante diferentes. Outro ponto positivo é que em muitas das oportunidades de franchising as marcas providenciam soluções chave na mão. Você não precisa de ter conhecimentos nem de se preocupar com a “montagem” do seu ponto de venda (se for o caso). A empresa fará tudo por si e dar-lhe-á formação sobre os produtos e sobre as ferramentas de gestão da loja. Normalmente, terá também uma pessoa da empresa que estará disponível para esclarecer todas as dúvidas e apoiar nas questões relacionadas com o seu franchising.

Em relação aos pontos negativos, deve ter em conta que lhe será exigida uma joia de inscrição de Franchisado. Depois e conforme cada marca, poderá ter que pagar uma joia anual (que tem que ver com os direitos de uso e exploração da marca) e ceder uma parte dos lucros anuais ao Franchisador. Noutros casos são ainda impostos objetivos mínimos anuais – por exemplo objetivos relacionados com volumes de vendas – e que caso não sejam atingidos implicam a perda imediata dos direitos de franchising. Este é um ponto muito importante e que deverá ponderar e analisar profundamente uma vez que caso haja uma cláusula deste género no seu contrato de Franchising existe obviamente o risco de estar a investir (joia de inscrição, produtos, etc.) e passado 1 ano ficar sem nada. Esta e outras situações devem ser acauteladas de modo a não ficar com as “mãos atadas”.

O importante é que analise todas as ofertas disponíveis e que escolha aquela que mais gosta e que melhor se adapta a si (à sua personalidade, aos seus conhecimentos…) e que apresente as melhores condições contratuais. Em seguida, faça o seu próprio plano de negócios tendo em conta o meio envolvente em que iria abrir o seu Franchising para verificar o verdadeiro potencial da Oportunidade de Negócio. Se achar que há mercado e que estão reunidas todas as condições para ter sucesso então o Franchising pode ser uma boa saída.

Carlos Vieira

Título: Franchising, um bom negócio?

Autor: Carlos Vieira (todos os textos)

Visitas: 0

775 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • laurentino santoslaurentino santos

    30-05-2011 às 12:43:21

    bom dia. posso abrir um franchising de uma cadeia da lojas dos chineses? muito obrigado

    ¬ Responder
  • weldawelda

    06-12-2010 às 16:37:42

    gostaria de saber tudo e como trabalhar nesse negocio o q devo fazer ??

    ¬ Responder

Comentários - Franchising, um bom negócio?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios