Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Detesto o meu patrão. O que fazer?

Detesto o meu patrão. O que fazer?

Categoria: Empresariais
Comentários: 1
Detesto o meu patrão. O que fazer?

Aí está uma situação nada fácil, detestar o patrão e ter de aprender a conviver com ele. Em algumas empresas, a proximidade com o patrão não é diária e quano o vê, são por breves momentos, nas reuniões coletivas ou em casos esporádicos, dessa forma a presença é bem mais tolerável. Já em outras empresas em que se estabelece contato diário e às vezes direto no decorrer da carga horária, fica a beira do insuportável.

Sabemos da importância de se manter o emprego e que nele, passamos muitas horas, precisamos nos sentir bem mas não é raro encontrar alguém que odeie seu patrão, em certos casos, o nível de intolerãncia e antipatia chegam a tal ponto, que o funcionário é demitido por desrespeito quando uma discussão acirrada é gerada. É o tipo de atitude que ocorre no calor das emoções e que gera dificuldades na busca de um novo emprego, pois o antigo patrão se recusará a oferecer boas referências, mesmo que tenha tido bom desempenho nas funções atribuídas, definitivamente essa não é uma boa saída, é melhor segurar os ânimos.

Deve estar se perguntando: Então o que fazer?

Quanto ao que fazer, sugiro que pense por partes.

O que você mais detesta no patrão? O que tanto lhe incomoda? Será que formou uma má impressão desde o primeiro momento que o conheceu? Teve algum patrão arrogante que se parece muito com ele? Seu patrão lhe fez grosserias? Ele tem atitudes que lhe desagradam? Seu colega de trabalho foi destratado por ele?

Muitas outras indagações poderíamos fazer mas hora, ficaremos só com essas e analisarmos juntos.

Quando sugiro para pensar por partes, é na intenção de procurar isolar o que tanto causa desagrado, há uma probabilidade de que ao identificar e isolar o que incomoda, possa-se notar as qualidades e falando nelas...... o seu patrão é quem promove seu salário, pode pensar nisso como um ponto positivo, outro fator a ser considerado é não perder tempo imaginando que ele poderia ser diferente, isso é mera ilusão, ele é ele e ponto, mudar o foco e voltar-se para os próprios projetos é o melhor a ser feito.

Trace metas e faça cursos de atualização, envie curricullum para outras empresas, e se disponha à novas conquistas. Reserve uns minutos do dia e pense no patrão como uma pessoa que tem altos e baixos como todo ser humano, gere uma certa empatia, essa atitude mental talvez lhe torne a pessoa dele mais tolerável.


Sílvia Baptista

Título: Detesto o meu patrão. O que fazer?

Autor: Sílvia Baptista (todos os textos)

Visitas: 0

683 

Imagem por: Mr. Stabile

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    08-07-2014 às 10:07:16

    Tive uma patroa muito chata, mas tive que suportá-la até encontrar outro trabalho sem me prejudicar. Aguentei firme, sempre a tratando bem. Às vezes, temos um patrão detestável que molda um pouco nosso caráter, nesse caso, é bom e ruim. Bom porque crescemos e ruim porque temos que conviver com a pessoa todos os dias..srsrrs

    ¬ Responder

Comentários - Detesto o meu patrão. O que fazer?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: Mr. Stabile

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios