Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Odeio o meu trabalho

Odeio o meu trabalho

Categoria: Empresariais
Comentários: 4
Odeio o meu trabalho

Quem dera fosse possível trabalhar sempre no que se gosta, a máxima “trabalhe no que ama e não terá de trabalhar um só dia em sua vida”, é uma excelente visão porém, nem sempre está na realidade pessoal.

O trabalho é um mecanismo para atender as necessidades financeiras de suprir as despesas mas pode acontecer de só se conseguir vaga em um lugar que não simpatize. Há momentos na vida em que as circustâncias levam a pessoa a trabalhar em uma função ou em um lugar não planejado. Com o passar do tempo, pode-se passar a odiar o trabalho, contar as horas para terminar o turno e ir embora para mais loge possível. Na na maioria das vezes, quanto mais se odeia o trabalho, pode parecer estranho mas, mais parece se falar nele.

Tentar mudar o conceito que se tem sobre o trabalho já começa a clarear as idéias, se passa uma boa parte do dia ou da noite em função do trabalho, dele se tira o sustento ou parte dele, portanto fazer uma gerra fria só pioram as coisas. Se o trabalho está sufocante, reclamar muito só aumenta a pressão psicológica, faz tudo parecer um martírio. Se for possível, enquanto se está empregado, a dica é matricular-se em cursos de capacitação para mudar de função ou de empresa aumentando as chances no mercado profissional. Traçar novos objetivos,lançar um novo olhar e entender que sair bem da empresa que trabalha servirá como referência para uma nova empresa. Fazer uma atividade física, mesmo sendo caminhada, ajuda a produzir hormônios que diminuem o stress, acompanhar as novidades do mercado profissional, se inscrever em concursos, ler mais para aprimorar os conhecimentos, passear para espairecer, evitar falar o tempo todo do trabalho quando estiver fora dele, mesmo se sair em companhia de colegas de trabalho.

Se o trabalho causa tanta insatisfação, falar muito dele o coloca como ponto principal na mente e leva a odia-lo ainda mais o que tende a aumentar a irritabilidade.
Acreditar na capacidade pessoal e se colocar como uma pessoa empreendedora, mesmo que não tenha descoberto essa veia em si, levar a sério maiores conquistas vendo o trabalho como algo temporário, um meio de chegar aonde se quer melhora muito a tolerância e ameniza as tensões.

Independente do caminho que se escolha seguir, pense com carinho: Eu tenho um caminho a seguir que me levará onde eu quiser.


Sílvia Baptista

Título: Odeio o meu trabalho

Autor: Sílvia Baptista (todos os textos)

Visitas: 0

768 

Imagem por: gagilas

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • SophiaSophia

    01-05-2014 às 16:11:19

    Realmente, com o passar do tempo as pessoas acabam odiando o trabalho. Deve ter alguns aspectos como ambiente, falta de motivação, não apagam bem, não é valorizado, e a pessoa não ama o que faz. Daí, isso se torna um grande peso. A Rua Direita sugere procurar um outro, mas que avalie a si mesmo primeiro. Às vezes, o problema é com a gente e não com o trabalho em si!

    ¬ Responder
  • tulio

    10-12-2012 às 12:19:28

    Também detesto meu trabalho. passo os dias da semana sofrendo, à espera do fim de semana e, quando ele chega, já começo a sofrer de novo, já pensando na segunda feira. Minha pressão arterial que era 10/6 e no máximo 12/8 hoje perdeu o rumo e vive constatemente alta. Já não sei o que fazer. Tabém penso em morrer todos os dias ao pensar que tenho de voltar para o trabalho.

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    18-09-2012 às 12:36:03

    O trabalho pode ser encarado de duas formas: como algo que temos de fazer para sobreviver e/ou ter uma boa vida ou como algo pelo qual somos realmente apaixonados (para os sortudos que fazem aquilo que gostam) e que é parte importante da nossa vida. É provável que todos nós acabemos por passar, em determinada altura das nossas vidas, por um trabalho ou emprego do primeiro tipo, podendo vir a odiá-lo. A mudança é necessária.

    ¬ Responder
  • Luiz CarlosJoão Lobek

    22-04-2010 às 06:50:14

    Acho que isso pode te ajudar:
    http://aposentadoriaantecipada.blogspot.com/

    ¬ Responder

Comentários - Odeio o meu trabalho

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Imagem por: gagilas

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios