Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > O deficiênte físico no mercado de trabalho

O deficiênte físico no mercado de trabalho

Categoria: Empresariais
Visitas: 4
Comentários: 5
O deficiênte físico no mercado de trabalho

Ao poucos, o deficiênte físico vai conquistando seu espaço no mercado de trabalho, provando para os mais desinformados que deficiência física não quer dizer incapacidade de produzir ou desenvolver uma atividade profissional, claro que em se tratando de uma atividade que possa ser desempenhada pelo deficiênte, ou seja; atividade na qual a deficiência não seja um impedimento. Quando se pensa em incapacidade, deve se ter em mente que essa palavra só diz respeito a área afetada, quer dizer; o membro, a parte do corpo que por sua deficiência não pode ser explorada para a função, no mais, qualquer deficiênte físico é perfeitamente capaz de desenvolver atividades de trabalho, estudar, cursar nível superior e tudo o mais.

A incapacidade da alma, que se traz no espírito, essa sim, é muito mais deficiênte, é uma deficiência que não se vê mas que se sente ao pensar que uma pessoa portadora de alguma deficiencia física, deva ficar apática, digna de pena. Nada disso, ao contrário, quanto mais se resgata a auto-estima, principalmente promovendo a integração do deficiênte no mercado de trabalho melhor, essa iniciativa é melhor como um todo pois é bom para a família, é importante para o cidadão e para o país que passa a ter uma pessoa produtiva profissionalmente, trabalhando e aumentando seus recursos próprios, contribuindo para o aumento da circulação do capital financeiro.

Para o deficênte, a conquista do emprego formal está trazendo um novo conceito de empregabilidade, o Brasil tem vários instrumentos de proteção para o deficiênte físíco, no quesito empregabilidade, adotou-se o sistema de cotas que prevê para cada empresa que tenha um número a partir de cem funcionários, cota de contratação de deficiêntes de dois à cinco por cento e, caso algum seja demitido, a vaga deve ser preenchida por outro nas mesmas condições, com essa lei, evita-se que ao ser demitido um deficiênte, por razões de politica interna, a vaga seja disponibilizada para uma outra pessoa nos mesmo termos.
O mito de que o deficiênte só podia trabalhar informalmente foi derrubado, muitas empresas estão satisfeitas pela dedicação e desempenho profissional por parte deles, provando tratar-se de pessoas que tem capacidade e que fora a deficiência física, são pessoas como todas as demais.

A Organização Internacional do Trabalho, sempre discute a inclusão do deficiênte no mercado de trabalho com diversas recomendações para a ampliação de espaço e oportunidades.
A entrada do deficiênte no mercado de trabalho, ainda necessita de leis de proteção mas, o mais importante é que com isso, o deficiênte que tem tido mais êxito em suas conquistas diárias e abrindo portas para um novo olhar empresarial que estão se sensibilizando e percebendo que um deficiênte é tão capaz, responsável, dedicado e produtivo que aos poucos, o espaço será ainda mais ampliado.

Sílvia Baptista

Título: O deficiênte físico no mercado de trabalho

Autor: Sílvia Baptista (todos os textos)

Visitas: 4

768 

Imagem por: Ed Yourdon

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 5 )    recentes

  • claudinete

    10-10-2012 às 13:35:35

    Gostaria de indicação de pessoal com deficiencia fisica para contratação em nossa empresa, na cidade de CURITIBA.
    grata

    ¬ Responder
  • Leonilson Santos de Souza*Leonilson Santos de Souza*

    20-01-2012 às 18:59:47

    Boa tarde sou de Salvador Bahia gostaria de saber locais aqui , em que eu postar me curriculiun vitae. Desde já agradeço.
    Leonilson Santod de Souza

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãodo

    23-02-2011 às 11:57:21

    @pompilio E triste o fato ocorrido, voçe pode ate processar o seu irmão neste caso. Procure ajuda, conte a seu pai o que esta acontecendo,e vá a um psicologo, que poderá orienta-lo nesta pressao, e com certeza louco é seu irmão que utiliza de agressoes fisicas e morais. Tenha força e procure seus direitos.

    ¬ Responder
  • pompiliopompilio

    13-07-2010 às 18:29:55

    boa tarde.
    achei seu comentario muito bom, agora lhe pergunto por que meu irmão que trabalha comigo me chuta e ofende e depois diz que eu o provoquei tenho deficiencia prazo direito perda de 40% do movimento e agora inflamação braço esquerdo a pilantragem e tanta que se não vou trabalhar por causa das ofensas sofridas por ele em meu proprio local de trabalho ainda sou chamado de vagabundo isso e que é tentar comigo pscologicamnte hoje frequento ate grupo de oração para esquecer as ofensas e pontapes que levo no meu local de trabalho tudo por um simples ato de briga por poder. e ridiculo. O maior problema que ele com sua esposa esta afetando indiretamente minha filha.
    Pois alem de não me pagar e ainda dizer que eu so penso em dinheiro, caramba todo cidadão que se preza trablha por um salario o pior e ouvir isso e ter que aquentar ele ter rebaixado meu salario na carteira.pois é. " que irmão ?" espero de coração que DEUS olhe por sua alma.tudo isso faz sem meu pai saber e ainda diz que eu o provoco. e que sou louco. E tanta pressão psicologica que as vezes me pego pensando será que sou louco mesmo.agua mole pedra dura voce ja sabe o resultado.

    ¬ Responder
  • Sílvia BaptistaSílvia Baptista

    09-08-2012 às 15:48:21

    Olá Pompilio, pelo que diz, você trabalha na empresa de seu irmão. Aqui você não diz se mora na casa dele, mas independente disso, mesmo sendo difícil, é hora de manter o equilíbrio para encontrar uma solução plausível. Primeiro você precisa não se sentir culpado pela deficiência, ao contrário; você é um guerreiro. Levante a cabeça e pense no que é possível fazer. Uma sugestão:Se mora no Brasil, procure se informar sobre o BPC-LOAS no Ministério da Previdência sobre ajuda de custo por incapacidade. Caso não seja dependente da sua família, tente buscar um novo trabalho, pode ser via internet. Pesquise o site do SIVC, Deficiênte online, entre outros.
    Na questão psicológica, parece que você está muito sensível pelo sofrimento, o ideal é buscar ajuda. Converse com um profissional terapeuta, é só um bate-papo para encontrar um pouco de equilíbrio. Se fortalecendo emocionalmente verá que não deve acreditar em tudo que lhe é dito e estando forte, sentindo-se bem, sua filha também se sentirá.

    Um abraço!

    ¬ Responder

Comentários - O deficiênte físico no mercado de trabalho

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Imagem por: Ed Yourdon

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios