Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Crise na igreja: contestação

Crise na igreja: contestação

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 8
Comentários: 2
Crise na igreja: contestação

Os finais da Idade Média, foram tempos muito difíceis para a Igreja.
Este fato deve-se a conflitos com reis e imperadores, por razões exclusivamente políticas.
Por outro lado, o comportamento de muitos elementos do clero prejudicavam o seu prestígio.
Os papas preocupava-se mais em garantir os seus bens terrenos do que com a sua missão espiritual;

-alguns membros do clero levavam uma vida de corrupção e imoralidade;

-acumulavam dioceses que raramente visitavam mas que lhes garantiam elevados rendimentos;

-tinham mulher e filhos;

-possuíam extensas propriedades;

-não pagavam impostos mas exigiam-nos ao povo, o cmado dízimo;

-O clero regular, composto pelos frades mendicantes, era pouco admirado pelos fiéis devido à sua vida excessivamente material. Não se respeitavam as regras monásticas, poi o jejum era desprezado, nem o silêncio durante as refeições;

-os cânticos religiosos eram esquecidos.

Em face desta atuação do clero, o espírito crítico do Renascimento, criticou-o e levou-o a pôr em causa toda esta situação e a exigir o regresso à pureza do Cristianismo primitivo.
Estava ssim, aberto o caminho para a Reforma protestante.
O Papa Leão X, em 1517, mandou pregar as indulgências, isto é, a concessão do perdão dos pecados, mediante o pagamento de determinada quantia.

O monge alemão, Martinho Lutero, afixou então, na porta da catedral de Wittemberg, as suas noventa e cinco teses, contra as "indulgências", defendendo que só DEUS pode perdoar os pecados do homem.

Em face desti, Lutero foi excomungado e o monge, num gesto simbólico, queimou em público a bula com que o papa o excomungara.
Como teve a proteção dos príncipes alemães, não foi condenado à fogueira.
Estes defendiam Lutero, para que ele se tornasse chefe temporal da Igreja nos seus territórios e ainda dimunuir o poder do Papa e do imperador Carlos V.

Lutero foi então alvo de perseguições e protestos, pelos seguidores do Papa e imperador da Alemanha, o que levou à designação de "protestantes", a todas as novas igrejas cristâs, não católicas, qe, que se desligaram da obediência ao Papa de roma.
Na verdade, já os elementos do clero se divertiam a cantar e a beber, esquecendo as suas obrigações espirituais.

Tendo em conta o quadro de comportamento da Igreja e do Papa, na Idade Média, em nada difere do, atualidade.
Isto significa que a Igreja, sempre dominou, com seu poder, na Igreja, sociedade , riqueza e opulência.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Crise na igreja: contestação

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 8

638 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    01-09-2014 às 14:45:28

    Não vejo outro fenômeno a perseguição das igrejas cristãs por mera intenção política, territorial e dinheiro. Isso vem acontecendo desde muito tempo e acontece até hoje.

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    18-09-2012 às 13:37:39

    A igreja sempre foi alvo de reformas que impunham determinados valores e regras à sociedade.Contudo esses ideais nem sempre foram aceites por religiosos, bispos e sacerdotes.Por isso as contestações a esses valores e princípios sempre fizeram parte da história dos povos, sejam católicos, protestantes ou islamitas.

    ¬ Responder

Comentários - Crise na igreja: contestação

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios