Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Antiguidades > Antiguidades, a preços das velharias

Antiguidades, a preços das velharias

Categoria: Antiguidades
Visitas: 18
Antiguidades, a preços das velharias

O conceito de antigo pode revestir-se de uma subjectividade portadora de divisão de opiniões nos vários domínios em que se aplica.

Por exemplo, há quem veja uma autêntica antiguidade nos avós, cujas rugas e deformações próprias da idade são reveladoras de insondáveis vivências, distribuídas por um número de anos apenas estimável com uma máquina calculadora (de preferência científica, que dá para devolver os resultados de raízes quadradas). Os visados, por seu turno, referem-se a pessoas suas contemporâneas como «um rapaz novo», ou «uma rapariguinha».

É clarividente a diferença abissal das perspectivas… Enquanto que os netos veriam, com toda a naturalidade, os seus ascendentes num museu, expondo as crateras bucais, outrora cobertas de branca e forte dentição, e as peles flácidas, que albergaram em tempos idos vigorosa musculatura, os anciãos defendem-se com aquilo que ainda conseguem fazer. Na realidade, velhice e antiguidade podem ser, ou não, sinónimas.

Fora de brincadeiras, a tendência vigente na actualidade é a de exaltar o novo como bom e preferível, desprezando ou desaproveitando o que se tem como velho. Idade e inutilidade não precisam de andar, forçosamente, de mãos dadas. Aliás, no que se refere a móveis e a carros, por exemplo, verifica-se uma perda gradual da qualidade e da fiabilidade. Por outro lado, assiste-se agora ao “renascentismo das antiguidades”, dirigido por mentores de uma moda que pretende ser alternativa num contexto de estafamento de conceitos pseudo-inovadores. De facto, o mundo é redondo e as próprias escolhas acabam por ser cíclicas. Não vale a pena rir do que se usava há vinte ou trinta anos, porque, inevitavelmente, mais dia, menos dia, voltará a constituir uma opção.

A temática das antiguidades é composta por muitos e diversos vectores, sendo que uns proporcionam a aquisição, e outros permitem somente a contemplação, acompanhada, ou não, de um passado histórico de relevo e de menções honrosas a personagens insignes. A vetustez de peças e de obras de monta análogas reportam a uma História comum, com repercussões de partilha na modernidade.

As galerias e as feiras constituem espaços privilegiados de conhecimento e admiração das beldades valiosas de épocas findas, com níveis aceitáveis de segurança. De facto, um dos problemas que ensombram o negócio das antiguidades é a incerteza face à veracidade da real era de origem dos objectos e do seu justo valor monetário. Os avaliadores, infelizmente, podem estar a trabalhar mais em proveito próprio ou de outrem do que a zelar pelos interesses de quem os contrata.

Como em tudo, é fundamental ter “um olho no burro e outro no cigano”…


Maria Bijóias

Título: Antiguidades, a preços das velharias

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 18

795 

Comentários - Antiguidades, a preços das velharias

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como economizar energia em condomínios, empresas e edificações comerciais

Ler próximo texto...

Tema: Energias Renováveis
Como economizar energia em condomínios, empresas e edificações comerciais\"Rua
Economizar energia elétrica é importante para nós e para o planeta, já que esse recurso é produzido, em sua grande maioria, através de processos caros e extremamente prejudiciais ao meio ambiente.

O consumo racional e eficiente de energia elétrica depende de mudanças de hábito por parte dos consumidores (residenciais, comerciais e industriais), principalmente no que diz respeito a ações cotidianas.

Nesse texto selecionamos algumas dicas e informações de grande utilidade pra ajudá-los a programar o uso racional da energia elétrica em condomínios, empresas e em edificações comerciais.

Tome nota:

•Faça manutenção planejada e constante nas instalações elétricas, e não sobrecarregue os circuitos além do que foi especificado em projeto, ou pelo eletricista. A falta de manutenção e a sobrecarga dos circuitos podem causar curtos, aquecer a fiação e permitir que quantidade significativa de energia elétrica se perca pela rede, e ainda danifique a própria fiação.

•Troque todas as lâmpadas incandescentes por fluorescentes (tubulares ou compactas), e, se possível, invista na iluminação de LED. As lâmpadas de LED consomem cerca de 80% menos de energia elétrica, quando comparadas às incandescentes e duram oito vezes mais.

•Se o ambiente é muito grande, muito largo, ou muito extenso, divida a iluminação em vários circuitos. Essa medida permite o desligamento parcial de lâmpadas em desuso ou desnecessárias.

•Em áreas de pouca circulação e de permanência transitória como corredores, sanitários, garagens, áreas de serviço e copas, é recomendável a instalação de sensores de presença, mecanismos que acionam a iluminação somente quando houver circulação de pessoas.

•Em áreas cuja iluminação natural consegue ser aproveitada, podem ser também instalados sensores de fotocélulas, dispositivos que detectam automaticamente a necessidade de acionamento da iluminação artificial quando a iluminação natural é insuficiente (á noite e em dias nublados, por exemplo).

•Mantenha as luminárias sempre limpas para que a potência das lâmpadas seja 100% aproveitada.

•Pinte as paredes internas e os tetos dos ambientes com cores claras, pois essas refletem e espalham a luz para todo o ambiente.

•Troque equipamentos elétricos velhos, motores defasados, aparelhos de ar condicionados antigos, luminárias muito gastas, por modelos mais novos, que já são projetados para consumirem menos energia elétrica, e contam com selos de garantia que os qualificam com relação à eficiência.

•Faça manutenção e limpeza constantes nos aparelhos de ar condicionado. Filtros sujos exigem maior esforço dos aparelhos (maior gasto energético) no processo de refrigeração e ainda causam grande risco à saúde.

•Não deixe caixas condensadoras e resfriadoras do sistema de ar condicionados instaladas em locais onde recebam incidência solar constante. Quando recebem sol durante muito tempo esses equipamentos chegam a consumir o dobro da energia prevista, já que a utilizam primeiramente para promover o seu próprio resfriamento e só depois a refrigeração dos ambientes.

Aproveitem nossas dicas e se precisarem de mais informações, entrem em contato com um profissional capacitado.

Pesquisar mais textos:

Danília Oliveira Gonçalves

Título:Como economizar energia em condomínios, empresas e edificações comerciais

Autor:Danília Oliveira Gonçalves(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios