Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Antiguidades > Os antigos relógios de bolso

Os antigos relógios de bolso

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Antiguidades
Visitas: 80
Comentários: 4
Os antigos relógios de bolso

Olhamos para o pulso como um impulso e refletimos sobre o tempo. Dependendo pelo que esperamos, consideramos que passou demasiado depressa ou se pelo contrário cada minuto equivaleu a uma hora. Temos, no entanto, todos a noção que o tempo passa em todos os momentos no mesmo tempo. Nem mais depressa, nem mais devagar. Demora sempre o mesmo tempo.

Se a forma de controlar o tempo que passa conta uma história a 2000 anos antes de Cristo, hoje em dia os relógios digitais já não são uma novidade.

Há 2000 anos A.C. os Caldeus espetavam um pau numa pedra ou no chão e começavam por dividir o dia em duas vezes doze horas. Egípcios, Hebreus e Incas foram aperfeiçoando a forma de dar horas, mas continuavam com o mesmo problema. Como fazer com que o relógio funciona-se à noite.

Na idade média, a forma de dar horas foi revolucionada com a invenção da ampulheta e o Holandês Christian Huychens, influenciado pelos estudos de Galileu inventou o relógio de pêndulo.

Se para o homem a importância de saber “a quantas anda”, esse conceito é cada vez mais importante. Com os horários a cumprir durante todo o dia, cada vez mais os relógios são fundamentais à nossa prestação enquanto profissionais e cidadãos. Mesmo como pais, maridos e mulheres.

Existe quem faça coleções de relógios e os tenha para combinar com toda a roupa. Há também que aposte numa qualidade única e use sempre o mesmo relógio, ou que olhe para as horas pelo telemóvel. Mas será quem ainda use os antigos relógios de bolso?

Há quem julgue que os antigos relógios de bolso estão ultrapassados e que deixaram de estar na moda há muito, muito tempo. No entanto ainda há quem use o relógio de bolso para estar a par das horas.

De porte clássico, estes relógios regalam o olho a quem ama antiguidades. Podem ser comprados em feiras de antiguidades, mas se quer um relógio de bolso antigo fiel, recorra aos antigos relojoeiros. Apesar de caros e exigentes de manutenção, estes relógios são autênticas obras de arte.

Podem e devem ser acertados todos os dias á mesma obra e tal é o tamanho de relíquia que muitos deles exigem corda permanentemente.

Se há quem considere que quem os usa é por norma de trato quase austero, tal a comparação aos Senhores de antigamente, a realidade é que estes objetos são magníficos e acrescentam ao traje, um porte bastante imperial.


Carla Horta

Título: Os antigos relógios de bolso

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 80

797 

Imagem por: matsuyuki

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • José Alves de Araújo Filhgo

    24-03-2014 às 23:31:21

    Sou aficssionado por Relógios de bolso antigos, não consigo ficar sem extremesser de emoção diante de uma destas incríveis maquininhas, no entanto em toda a minha vida eu só consegui comprar um original, tenho outros destes chineses fausos que só funciona por um mês, eu sonho muito em um dia poder possuir um Roscopf Patente medalhado, Original, se tiver ai alguém que está financeiramente estável e que queira me fazer feliz pro resto de minha efêmera e passageira vida, me presenteando com um, será a melhor coisa que vai me acontecer.e serei eternamente grato.
    meu contato:
    [email protected]

    ¬ Responder
  • Carol

    10-04-2013 às 19:46:05

    oi

    ¬ Responder
  • letícialetícia

    26-04-2012 às 01:52:51

    como você é especialista em relógios d e pulso como funciona eu preciso de vários tipos de relógios e estou n relógio de pulso responder o mais rápido possível.
    obrigado

    ¬ Responder
  • Geraldo ThomazGeraldo Thomaz

    24-09-2011 às 16:43:08

    Bom dia!!!!Tenho um relógio de bolso Antigo.Na parte frontal esta escrito Classic 17 rubis.Na tampa traseira,parte interna,tem uns dizeres: J.B.B, Métal Plaqué.Na parte externa, tem uma sigla JS.Ele é suiço.Do ano de 1944.Você poderia me ajudar, nao sei qual é a prossedencia deste relogio?Marca?

    ¬ Responder

Comentários - Os antigos relógios de bolso

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: matsuyuki

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios