Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Instrumentos Musicais > Habilite-se... a aprender!

Habilite-se... a aprender!

Visitas: 2
Comentários: 1
Habilite-se... a aprender!

Um instrumento musical é, na sua génese, um objecto construído com o propósito de produzir sons melodiosos a que se chama música. Os muitos tipos de instrumentos podem ser classificados de diversos modos, prendendo-se uma das mais usuais com a forma pela qual a sonância é produzida. O estudo dos instrumentos musicais é apelidado de organologia.

Existe na maioria das pessoas interesse por aprender a tocar um qualquer instrumento musical, quer por paixão, tradição familiar, gosto, necessidade de um hobby, pretensão de enriquecer o currículo de cultura geral, curiosidade, o que seja. Esta cultivação pessoal é muito útil, até para evitar dizer barbaridades do estilo: «A trompa de Eustáquio é o instrumento musical de sopro inventado pelo grande músico belga Eustáquio, de Bruxelas», ou: «A harpa é uma asa que toca». Qual seria a definição para trombone?...

Os psicólogos afirmam que a iniciação musical constitui uma fonte de prazer e de socialização. Estimula a sensibilidade, incrementa a auto-estima e impõe a necessária disciplina. Em acréscimo, pode corresponder ao despertar de uma vocação e, quiçá, de uma profissão! Cinema, teatro, televisão, acompanhamento de cantores ou uma orquestra podem apresentar-se como saídas profissionais viáveis. São raros, todavia, os pais que encaram a educação musical como um elemento relevante na formação pessoal dos filhos.

As crianças e adolescentes não precisam de provas dadas de talento para ingressar nos acordes sonoros. A aptidão é espicaçada pelo contacto com os instrumentos. Para suscitar este interesse é fundamental crescer numa atmosfera de rendição à boa música. Entre os três e os seis anos, aprende-se a discernir as notas e detectam-se preferências e empatias com determinados tipos de som (percussão, cordas ou sopro). Para praticar, tem de se ter o instrumento em casa. Contudo, não é conveniente nem saudável obrigar os pequenos a estar todo o dia agarrados a ele, sob pena de provocar enjoo e levar à desistência.

Aprender a tocar um instrumento musical, não só desenvolve uma nova habilidade, como proporciona o auto-conhecimento. Um tímido percebe que, afinal, consegue desinibir-se quando está a actuar, ou pode descobrir as suas capacidades de composição e improvisação. Por outro lado, a proximidade com a música faculta a exercitação dos dois hemisférios cerebrais, sendo que o lado responsável pela emoção desenvolve novas percepções melódicas, e a atenção às notas musicais, bem como a coordenação motora, fazem trabalhar a parte da razão. Efectivamente, a música propicia muitos ensinamentos, quer se trate de uma criança com três anos, quer falemos de um idoso. A aprendizagem de um instrumento vai muito para lá dos sons, da harmonia e do compasso…



Maria Bijóias

Título: Habilite-se... a aprender!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

621 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    07-05-2014 às 23:44:13

    Aprender a tocar um instrumento é um grande desafio. É preciso horas de treino, muito amor. Mas, o que nos faz querer aprender mesmo é quando vemos o resultado - é genial!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Habilite-se... a aprender!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios