Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > As exportações do vinho do Porto

As exportações do vinho do Porto

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
As exportações do vinho do Porto

O vinho do Porto, já existe há muitos anos, embora o do século XVII, não fosse exatamente igual ao de hoje.
Os exportadores deste vinho precioso, limitavam-se a adicionar aguardente ao vinho, sem, no entanto, o deixarem envelhecer primeiro.

Até ao fim deste século era uma bebida , apenas para trabalhadores. Mas, depois, os homens que o exportavam, aprenderam que deviam deixar primeiro, envelhecer a sua mistura, durante pelo menos três anos.
O vinho do Porto, envelhecido na garrafa só se pôde fazer quando apareceram as garrafas cilíndricas, por volta de 1770.

Estas, eram muito diferentes das anteriores, garrafas altas e de gargalo, que podiam ser armazenadas na posição horizontal, com o vinho em contato com a rolha, o que era estritamente necessário, para que se desse, o envelhecimento.
Este vinho, constiytuía, uma das fontes de renda, no século XVII, em virtude das muitas vinhas, que existiam no Alto Douro.
Mas, no século XVIII; os ingleses , reduziram as importações de vinho do Porto, prejudicando a nobreza que produzia o vinho.

Em face, desta situação, a agricultura, entrou em decadência, dando origem ao desenvolvimento das manufaturas.
Deste modo, os vinhos do Douro, nomedamente o do Porto deixam de ter tantos lucros, como durante muitos ános, antes do mercantilismo.

Na realidade, foi o Conde da Ericeira, que impulsionou, oas medidas mercantilistas, desenvolvendo o setor têxtil da Covilhã, Guarda, Fundão e Portalegre.
Além de mandar vir técnicos especialistas, emprestou dinheiro a estrangeiros, para virem trabalhar nas indústrias.
Os ingleses não ficaram contentes e reagiram diminuindo as exportações dos vinho para a Inglaterra.

Este acontecimento , contribuíu para o desenvolvimento das manufaturas, em detrimento da agricultura, no século XVIII.
Foram estas circunstâncias que levaram à assinatura do Tratado de Methuen, em 1703, entre Portugal e a Inglaterra.

Este foi um acordo, que permitia que os lanifícios ingleses, entrassem livremente em Portugal, enquanto os vinhos portugueses pagariam taxas alfandegárias iguais iu inferiores às que os vinhos franceses pagavam ao entrar em Inglaterra.

Deste modo, se abandonava, temporáriamente, a política de fomento da indústria manufatureira, prevalecendo os interesses ligados à exportaçao de vinho do Porto.
Estas preocupações, foram, no entanto, atenuadas com a descoberta de ouro, no Brasil, no fim do século XVII.


Teresa Maria Batista Gil

Título: As exportações do vinho do Porto

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 0

626 

Comentários - As exportações do vinho do Porto

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios