Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Os habitats mais áridos da Terra

Os habitats mais áridos da Terra

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Os habitats mais áridos da Terra

Os desertos não permitem que muitas espécies de anuimais ou vegetação, aí sobreviva. Deste modo, só alguns aí podem habitar, estando para isso adaptados.
Há zonas ,nos desertos, completamente áridas, sem água e com temperaturas elevadíssimas.

Com dias tórridos, noites geladas e pouvca água, é difícil sobreviver nos desertos mais quentes, embora alguns animais selvagens, façam dele as suas habitações.
É o caso, especial do camelo, que mastiga plantas espinhosas com os seus lábios grossos. Mas as suas bossas cheias de gordura, protegem-no do sol e servem de fonte de energia, durante a falta de alimentos.

Está pois adaptado ao clima, tal como a hiena malhada, que é um carnívero típico da Àfrica e que vive em semidesertos.

Esta, sobrevive apenas rebuscando tudo, incluindo carne de animais em decomposição, papas cozinhadas, dejetos de animais, ossos e vegetais.
Tem umas mandíbulas poderosas, que lhe permite digerir todas as partes do animal, exepto os ossos.

O Àdax é um animal mais adaptado aos desertos. Isto deve-se aos seus antílopes adaptados, aos cascos largos e lisos, que não se afundam na areia, á sua pelagem castanha, que se transforma em branca no verão, para refletir a luz do sol e mantê-los fescos.

Os Ádaxes andam pelo Sara, em busca de ervas e arbustos para comer, o que lhes dão, inclusive a água de que precisam.

A lebre da Califórnia tem enormes orelhas de pontas pretas, muito compridas, que perdem calor para manter o animal mais fresco.
Elas abrigam-se do excesivo sol, por baixo dos arbustos ou erva, à procura de comida.

Por outro lado, o rato canguru, nunca precisa de beber porque os seus rins extraem àgua, da comida, que consta de insetos, erva, folhas e sementes de Larrea tridentata.
além disso, estes ratos guardam as sementes húmidas para absorverem água, quando há mais calor.

Os maiores desertos do mundo, ficam na Áffrica, na Arábia, Na Patagónia, na América do Sul, na austrália, na Ásia Central, na India e no Turquemenistão.
O deserto do Sara é um dos maiores do mundo, tal como da Austrália e Patagónia.
Apesar de à primeira vista, os desertos parecerem só areia e terra desértica, na verdade, fervilham de vida e terreno ímpar. Contudo, as suas espécies, quer animais ou vegetais, estão completamente adaptadas às suas características peculiares.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Os habitats mais áridos da Terra

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 0

629 

Comentários - Os habitats mais áridos da Terra

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios