Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Interculturalidade vs Insegurança vs Evolução e Mudança

Interculturalidade vs Insegurança vs Evolução e Mudança

Categoria: Outros
Visitas: 4
Interculturalidade vs Insegurança vs Evolução e Mudança

O nosso país não estava nitidamente adaptado para o fluxo migratório de que foi alvo. Não contesto, obviamente, pela vinda de outros povos, contudo, é nítido para todos, excepto aparentemente para os órgãos de poder na altura, que o nosso país não estava preparado para receber tanta gente, de tanto lado e tão diferente de nós.

Portugal iniciava na época um retrocesso financeiro. O nível de vida decaía; em Portugal, deixava de existir a classe média. A classe rica, prosperava cada vez mais e a classe pobre, ficava cada vez mais pobre… Como é que um país que enfraquecia a olhos vistos; que empobrecia; cujo nível de desemprego aumentava quotidianamente; que tinha problemas nas áreas da justiça, da saúde e da educação; poderia ser um bom porto para os necessitados? Senão conseguíamos suprir, sequer, as necessidades dos que já cá habitavam…

Sem dúvida alguma, que o nosso «jardim à beira-mar plantado», era incomparável ao clima de hostilidade, aos massacres de guerra, às guerrilhas entre tribos inimigas, à exploração do trabalho infantil, às crianças de rua, à prostituição infantil, ao submundo do crime, à fome e à miséria, em que muitos viviam. Incontestavelmente, as fronteiras não podiam ser fechadas a essas pessoas, todos temos direito à vida e a uma vida melhor, mas deveríamos, (no meu modesto ver), ser apenas um veículo de transição, nunca o objectivo final. Se as fábricas fechavam as portas, se as empresas faliam, e se famílias inteiras ficavam sem sustento, e a nossa mão-de-obra não era formada, como poderíamos sobreviver condignamente, à «invasão» dos povos de leste, dos chineses, dos africanos e brasileiros, (entre muitos outros), que trabalhavam mais horas, por menos dinheiro, em piores condições, sem reclamar, e muitas das vezes, sendo mão-de-obra especializada, quando não eram mesmo, pessoas com formação superior !?

E o chão, fugiu-nos debaixo dos pés… Afinal, só no nosso país se transita de ano sem conhecimentos, mas tendo que passar devido à idade, e em simultâneo, se «cortam as pernas» a jovens que tiveram o azar de não ter média para entrar na universidade. Dum momento para o outro, exige-se um conhecimento vasto nas mesmas pessoas a quem nunca nada foi exigido, e sim, tudo demasiado facilitado… Temos doutorados que não sabem escrever correctamente, temos pessoas que dariam excelentes profissionais mas que tiveram a pouca sorte de não terem nascido em berço de oiro, temos médicos que tiveram grandes notas, mas a quem por vezes falta a humanidade. Os nossos alunos acabam por procurar intercâmbios, vão viver para uma terra onde não conhecem ninguém, a fim de conseguirem ser alguém na vida. O mesmo país que abre portas a outros fecha as portas aos nossos…

Para simplificar a vida aos emigrantes, corrigiu-se o prontuário ortográfico e criaram-se novas regras. E nós portugueses, dum dia para o outro, deixámos de saber escrever. Não teria sido mais fácil, ensinar-lhes que por vezes, o C antes do T é o suficiente para que a palavra seja outra completamente diferente?

Com o clima de instabilidade e de adaptação forçada, redobraram os roubos às propriedades privadas, os assaltos à mão armada, o clima de desconfiança, o consumo de drogas, etc. Eram demasiadas pessoas num país tão pequeno.

Longe das famílias, muitos desconfiavam da boa vontade, pois de onde vinham, reinavam o terror, os gangs, os guerrilheiros, a fome, a atrocidade, e muita, muita maldade humana. E não encontraram a paz tão almejada! O «cantinho do céu, não era bem o que esperavam e não era nada do que lhes tinham contado… Uma vez mais, tinham caído no conto do vigário !!
Se calhar, ao lerem isto, ficam a pensar que sou contra a emigração. Não é de todo, o caso!

Inclusive, acredito que muitos dos que vieram realmente a fim de melhorar de vida, de constituir família, acabaram prejudicados na escolha. Foram julgados como um todo, o povo português acolheu-os com uma certa desconfiança e acabaram por ter que desempenhar funções muito aquém das suas capacidades e dos seus conhecimentos, assim como também tiveram que partilhar um espaço exíguo, até terem finalmente, juntado dinheiro para alugar uma casa só sua, ou trazerem a família para junto de si. Quantos não foram enganados e não acabaram por dormir em barracões, sem quaisquer condições de higiene e humanitárias, sufocando com o calor ou gemendo com o frio, enquanto o estômago dava voltas, sem nada para comerem?
Acredito que hoje estamos mais preparados. Primeiro porque já aceitamos a diferença e segundo porque alguns demonstraram que «não há regra sem senão»… Em todo o lado, existem pessoas dignas, pessoas do bem, seres iluminados, que merecem melhorar de vida, principalmente, porque nunca baixam os braços e jamais maltratam alguém.

É pena, no entanto, que haja uma certa segregação. Podíamos aprender muito com quem sabe mais do que nós, com quem tem outros interesses e outros conhecimentos e todos poderíamos lucrar muito com essa interculturalidade. Trocando tradições, contando histórias, partilhando conhecimentos, as pessoas acabam por criar novos interesses comuns e enriquecem enquanto seres humanos. Porque não estreitar os laços que nos unem? Afinal, se temos que partilhar um espaço tão limitado quanto o é o nosso país, ao menos que o aproveitemos bem…


Susana Farias

Título: Interculturalidade vs Insegurança vs Evolução e Mudança

Autor: Susana Farias (todos os textos)

Visitas: 4

611 

Comentários - Interculturalidade vs Insegurança vs Evolução e Mudança

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios