Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Consumismo vs Nova Consciência Espiritual

Consumismo vs Nova Consciência Espiritual

Categoria: Outros
Visitas: 8
Comentários: 4
Consumismo vs Nova Consciência Espiritual

Cada vez mais somos escravos do consumismo. Viciámo-nos em «topos de gama», roupas de marca, na alta tecnologia, e em tudo o mais que é supérfluo, mas que acabamos por comprar porque a publicidade assim no-lo impinge, constantemente e em todo o lado. Os nossos filhos exigem-nos tudo o que os colegas usam, ainda que na semana seguinte já estejam noutra e tenham juntado mais um objecto àquela pirâmide de coisas que costumamos doar às famílias carenciadas por altura do Natal…

Fazemos uma lista de compras irrisória, pois na maioria das vezes, atafulhamos o carrinho de compras, com produtos da promoção, sem que no entanto, levemos para casa uma terça parte do que era suposto, e muito mais do que necessitávamos… Afinal, se todos têm… porque não havemos nós de ter também? E estava tão barato… Ainda que não nos faça falta nenhuma ou que acabemos por não comprar o que realmente necessitamos, por já termos estoirado com o saldo disponível para esse mês… O importante é seguir as modas e ter o que todos têm … Tudo está bem… desde que haja uma conta-ordenado ou um visa que nos tape os buracos no orçamento! E no mês seguinte, voltamos à carga !! E tudo recomeça de novo!

Não passamos sem os telemóveis, contactamos com os amigos e com os colegas de trabalho, com os que estão perto e com os que estão distantes, com tudo e com todos, por todos os motivos e mais algum, através de SMS, MMS, emails, chat’s ou messengers. Até os recibos de ordenado e as facturas das contas da luz, telefone, Internet, TV Cabo, etc, já vêm por suporte informático, a fim de poupar papel… Sabemos tudo o que se passa em casa dum amigo que vive do outro lado do mundo e que nunca vimos, o qual apenas conhecemos por «navegar» nos mesmos «sites» que nós, e muitas das vezes, não nos damos ao trabalho de perguntar a quem está sentado ao nosso lado, às pessoas que amamos, aos nossos amigos, ou às pessoas com quem trabalhamos, como estão de saúde, como lhes corre a vida, quais os hobbies que têm, que tipo de desporto praticam, o que fazem nos tempos livres, ou porque têm um olhar tão triste, ou um semblante tão carregado… Quantas vezes por mera casualidade não descobrimos interesses comuns e que desconhecíamos completamente, com as pessoas que nos estão próximas?? Muitas vezes, inclusive, com anos infinitos de convívio diário….

Quantas são as pessoas que se envolvem em causas humanitárias a nível mundial, e fingem ignorar as dificuldades do vizinho da frente? Quantas voltam o olhar quando encontram à porta dum supermercado algum mendigo a pedir comida para os filhos? Quantos atravessam a rua quando se deparam com alguém que dorme tendo o céu como tecto e um jornal como cobertor, e no entanto, fazem voluntariado a servir sopas aos sem abrigo numa associação qualquer, ou voam no primeiro avião para ajudar os carenciados num país longínquo nos confins do continente africano ?? quantos juntam latas de conserva, arroz e açúcar para enviar para uma zona destruída por um tufão, mas jamais se lembraram de oferece um prato de comida ao vizinho de cima, que tem 4 filhos para sustentar e está desempregado à 3 meses? É importante fazer tudo isso, mas não o é menos, fazermos o bem a quem está perto…
Na verdade, a humanidade desenvolveu todo o seu potencial científico, técnico e material, descobriu novos mundos, conquistou o inacreditável, e cada vez mais se afastou de si mesma. Poucos e raros, são aqueles que nunca deixaram de cultivar o espírito, que não se afastaram das suas crenças, que incentivaram o que o ser humano tem de melhor.

No entanto, a época é de mudança. Começarmo-nos a aperceber desse excesso de consumismo e dessa falta de apego ao que é espiritual, por si só, já é abrir uma brecha para um novo caminho…

Surge, actualmente, a percepção de tudo isto. O espírito de abertura, (ainda que não concordemos com o que dizem ou que duvidemos do que é dito), permite-nos abranger um número ilimitado de opções. Não é necessário ter uma fé cega em Deus, para que a vida corra melhor, mas é fulcral que acreditemos que tudo é possível, que tudo passa, que nada é em vão, que não há limites para quem crê e para quem luta persistentemente, sem nunca baixar os braços…

Convivermos com pessoas de diferentes idades, etnias, crenças, ideologias e nacionalidades, não nos torna iguais a elas, contudo, reafirma-nos que existem pessoas muito diferentes de nós, com grande valor e ideias diversas. Saber ouvir, observar, analisar o que dizem ou fazem, não nos leva a acreditar, mas leva-nos a aceitar a diferença, e como primeiro passo para a mudança e para a evolução, isso basta !!


Susana Farias

Título: Consumismo vs Nova Consciência Espiritual

Autor: Susana Farias (todos os textos)

Visitas: 8

644 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Susana FariasSusana Farias

    26-09-2014 às 20:56:07

    :) Gratidão, Fernanda!
    Bjoka grande; tudo de bom para si!

    ¬ Responder
  • Susana FariasSusana Farias

    26-09-2014 às 20:54:55

    Yuri, imensa gratidão pelas palavras!
    Concordo plenamente! Doar, repassar, reciclar, reformar, transformar, retransformar, são soluções ótimas!

    Não consigo entender o hábito da acumulação de objectos... muito menos que alguém tenha algo, "só porque sim", por ser "fashion" ou porque fulano ou sincrano tem...
    Segundo o Feng Shui, tudo deve ser usado ou passado adiante! O que não se usa, acumula mau Chi... é superflúo e estagna e drena a nossa energia! Uma casa simples, arejada, colorida e cheia de luz, faz qualquer um sentir-se em casa, ainda que viva só!

    :) Tudo de bom!

    ¬ Responder
  • Yuri SilvaYuri

    06-09-2014 às 18:37:32

    Por uma vida mais simples - este é o segredo! Custamos a descobrir que são os pequenos detalhes e uma vida simples. Aplique o hábito da eliminação, nos faz muito bem!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoFernanda Gouveia e Sá

    10-08-2012 às 23:43:38

    :) excelente!
    Concordo

    ¬ Responder

Comentários - Consumismo vs Nova Consciência Espiritual

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Ler próximo texto...

Tema: DVD Filmes
Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.\"Rua
Este texto irá falar sobre o filme Ex_Machina, nele podem e vão ocorrer Spoillers, então se ainda não viram o filme, vejam e voltem depois para lê-lo.

Impressões iniciais:

Ponto para o filme. Já que pela sinopse baixei a expectativa ao imaginar que era apenas mais um filme de robôs com complexo de Pinóquio, mas evidentemente que é muito mais que isso.

Desde as primeiras cenas é possível perceber que o filme tem algo de especial, pois não vemos uma cena de abertura com nenhuma perseguição, explosão ou ação sem propósito, típica em filmes hollywoodianos.
Mais um ponto, pois no geral o filme prende mais nos diálogos cerebrais do que na história em si, e isso é impressionante para o primeiro filme, como diretor, de Alex Garland (também roteirista do filme). O filme se mostrou eficiente em criar um ambiente de suspense, em um enredo, aparentemente sem vilões ou perigos, que prende o espectador.

Entrando um pouco no enredo, não é difícil imaginar que tem alguma coisa errada com Nathan Bateman (Oscar Isaac), que é o criador do android Ava (Alicia Vikander), pois ele vive isolado, está trabalhando num projeto de Inteligência Artificial secreto e quando o personagem orelha, Caleb Smith (Domhnall Gleeson), é introduzido no seu ambiente, o espectador fica esperando que em algum momento ele (Nathan) se mostrará como vilão. No entanto isso ocorre de uma forma bastante interessante no filme, logo chegaremos nela.

Falando um pouco da estética do filme, ponto para ele de novo, pois evita a grande cidade (comum nos filmes de FC) como foco e se concentra mais na casa de Nathan, que fica nas montanhas cercadas de florestas e bastante isolado. Logo de cara já é possível perceber que a estética foi pensada para ser lembrada, e não apenas um detalhe no filme. A pesar do ambiente ser isolado era preciso demonstras que os personagens estão em um mundo modernizado, por isso o cineasta opta por ousar na arquitetura da casa de Nathan.

A casa é nesses moldes novos onde a construção se mistura com o ambiente envolta. Usando artifícios como espelhos, muitas paredes de vidro, estruturas de madeira e rochas, dando a impressão de camuflagem para a mesma, coisa que os ambientalistas julgam favorável à natureza. Por dentro se pode ver de forma realista como podem ser as smart-house, não tenho certeza se o termo existe, mas cabe nesse exemplo. As paredes internas são cobertas com fibra ótica e trocam de cor, um efeito que além de estético ajuda a criar climas de suspense, pois há momentos onde ocorrem quedas de energia, então fica tudo vermelho e trancado.

O papel de Caleb á ajudar Nathan a testar a IA de AVA, mas com o desenrolar da história Nathan revela que o verdadeiro teste está em saber se Ava é capaz de “usar”, ou “se aproveitar” de Caleb, que se demonstra ser uma pessoa boa.

Caleb é o típico nerd introvertido, programador, sem amigos, sem família e sem namorada. Nathan também representa a evolução do nerd. O nerd nos dias de hoje. Por fora o cara é careca, barbudão com uns traços orientais (traços indianos, pois a Índia também fica no Oriente), bebê bastante e ao mesmo tempo malha e mantém uma dieta saudável pra compensar. E por dentro é um gênio da programação que criou, o google, o BlueBook, que é um sistema de busca muito eficiente.

Destaque para um diálogo sobre o BlueBook, onde Nathan fala para Caleb:
“Sabe, meus concorrentes estavam tão obcecados em sugar e ganhar dinheiro por meio de compras e mídia social. Achavam que ferramenta de pesquisa mapeava O QUE as pessoas pensavam. Mas na verdade eles eram um mapa de COMO as pessoas pensavam”.

Impulso. Resposta. Fluido. Imperfeição. Padronização. Caótico.

A questão filosófica vai além disso esbarrando no conceito de “vontade de potência”, de Nietzche, mas sobre isso não irei falar aqui, pois já há textos muito bons por aí.

Tem outra coisa que o filme me lembrou, que eu não sei se é referência ou se foi ocasional, mas o local onde Ava está presa e a forma como ela fica deitada num divã, e questiona se Caleb a observa por detrás das câmeras, lembra o filme “A pele que habito” de Almodóvar, um outro filme excelente que algum dia falarei por aqui.

Talvez seja uma versão “O endoesqueleto de metal e silicone que habito”, ou “O cérebro positrônico azul que habito”, mesmo assim não podia deixar de citar a cena por que é muito interessante.

Pesquisar mais textos:

Jhon Erik Voese

Título:Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Autor:Jhon Erik Voese(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Suassuna 11-09-2015 às 02:03:47

    Gostei do texto, irei conferir o filme.

    ¬ Responder
  • Jhon Erik VoeseJhon Erik Voese

    15-09-2015 às 15:51:02

    Que bom, obrigado! Espero que goste do filme também!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios