Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Electrodomésticos > Ajude a “limpar” o Ambiente

Ajude a “limpar” o Ambiente

Categoria: Electrodomésticos
Comentários: 1
Ajude a “limpar” o Ambiente

Qualquer dona de casa (ou dono!) rende gratidão eterna a Henry Seely, criador do primeiro electrodoméstico da História, o ferro eléctrico. Não teria, com certeza, grandes parecenças com o ferro de engomar a que muita gente hoje dedica genuína aversão. Mas, o que sentiriam estas pessoas se tivessem de aquecê-lo com carvão em brasa? Naturalmente que não poderiam dispor de tanto tempo para uma só tarefa, para além de terem de agendar sessões contínuas de fisioterapia, motivadas pelo peso de tal apetrecho.

A par deste instrumento, o aspirador, o fogão, a máquina de lavar roupa e a da loiça, o microondas, o frigorífico, a torradeira, a batedeira, o esquentador, a ventoinha, o secador de cabelo, a televisão, o rádio, a máquina de costura, a de cortar relva e a de barbear, enfim, um sem-número de invenções vieram modificar, para melhor, o quotidiano dos lares. Há que agradecer estas novidades também a Thomas Edison, precursor da tecnologia, que inventou a lâmpada de filamentos.

Não há dúvida que a descoberta da electricidade foi uma ideia mesmo luminosa. A sua transformação em luz, calor, frio, movimento e outras formas, permitiu a concepção de equipamentos úteis para a limpeza, a produção, a alimentação, o conforto, etcétera. Não obstante, por ignorância ou falta de cuidado, ocorrem muitos acidentes relacionados com esta força magnífica. Observando algumas normas de segurança e de bom senso, como por exemplo não mexer nas tomadas com as mãos molhadas e não introduzir materiais metálicos nas suas ranhuras, não puxar os fios para desligar os aparelhos nem tê-los junto a fontes de calor, os riscos de fatalidades reduzem-se drasticamente.

Quando se compra um electrodoméstico, deve ter-se em atenção, não só o preço, como a capacidade, a eficiência energética e se possuem ou não o rótulo ecológico. Este rótulo é o garante de se estar a adquirir um produto que não contém, ou apresenta de uma forma apenas residual, substâncias tóxicas ou perigosas do ponto de vista ambiental, que é prático, saudável e confortável, e que economiza recursos, como água e energia. Se estes artigos são mais amigos da Natureza, comparativamente a outros, significa que são, essencialmente, melhores. O nível de desempenho não é suficiente para uma escolha consciente. Os padrões de qualidade ambiental também devem pesar na decisão, até porque os impactos nocivos de não se preocupar com o Ambiente e, consequentemente, com a saúde far-se-ão sentir por todos!...

Os electrodomésticos com o rótulo ecológico têm de poder ser desmontados e facilmente reciclados. Os fabricantes são obrigados a assegurar a retoma gratuita dos instrumentos fora de uso. Então, e o que é que acontece aos indivíduos que adoecem?...



Maria Bijóias

Título: Ajude a “limpar” o Ambiente

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

603 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãohugo f.

    15-05-2009 às 23:02:15

    Fui ao Me.... comprei um frigorifico. Claro que sai de lá todo inchado com atitude de ter feito uma boa compra. O frigorifico foi muito barato, e até agua fresquinha deita. No entanto passado 2 meses a minha mulher, reparou que a conta da electricidade tinha aumentado. Demos voltas e mais volatas para identificar de onde puderia surguir tal aumento, e por mero acaso reparamos que do lado esquerdo do frigorifio ainda estava la um autocolante com letras e uma seta. A seta não apontava a letra A.
    Que barato que me custou quele frigorifico. TóTó.Sou mesmo um TóTó, então eu não reparei na etiqueta do consumo de electricidade.

    Aprendi que "O barato sai sempre mais Caro"

    Olho aberto pessoal!

    ¬ Responder

Comentários - Ajude a “limpar” o Ambiente

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios