Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > 10 Passos para Chegar ao Topo

10 Passos para Chegar ao Topo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Comentários: 13
10 Passos para Chegar ao Topo

O empreendorismo não é um conceito unicamente aplicável ao mundo empresarial. Na verdade, sempre que alguém se define objetivos concretos e delineia metas para os alcançar está a dar passos de empreendedor. O livro «10 Passos para Chegar ao Topo – Todo o Empreendedor tem o seu Everest», de Rui Nabeiro (fundador da Delta Cafés) e João Garcia (o maior alpinista português e um dos maiores do mundo), da editora Caderno (grupo Leya), fala disso mesmo.

Não se trata de um guia pormenorizado de gestão compendiando enfadonhas dissertações teóricas baseadas no cruzamento de filosofias diversas, mas de um registo simples e prático de experiências, com alguns conselhos úteis. Afinal, o verdadeiro traquejo advém da prática das coisas, certo?

O conquistador dos tetos do mundo, alegando estar aqui depositada toda a sua experiência, explica como decidiu criar algo de realmente marcante para conseguir o interesse e a cobertura dos meios de comunicação social, com o consentâneo apoio dos patrocinadores. Efetivamente, João Garcia escolheu escalar as 14 montanhas acima dos oito mil metros (feito a que, na altura, somente cinco alpinistas se tinham proposto), em detrimento dos cumes mais altos dos vários continentes, por onde 400 pessoas tinham já passado. O elemento de maior destaque é que tudo devia processar-se na total ausência de oxigénio artificial.

A opção por um estilo praticamente único não era, contudo, suficiente para garantir o sucesso. Deste modo, foi diligente no estudo de cuidados que potenciassem o seu espaço mediático, como levar uma máquina de filmar de alta qualidade, de forma a que as imagens pudessem ser transmitidas pela televisão (que é o meio que mais mediatiza o retorno), a seleção dos horários de subida (que proporcionassem, de preferência, diretos nos noticiários televisivos, onde não poderiam constar palavrões!), documentar as jornadas em direto na Internet e recorrer ao telefone por satélite para que as notícias chegassem em tempo real. Ser um bom alpinista não chegava para obter êxito…

O “velejador dos ares”almeja, com este livro, incitar o poder imaginativo dos leitores no sentido de estes atingirem as suas próprias metas. E claro, a ideia invariavelmente implícita é a capacidade de se levantar depois de cada queda. João Garcia, de 42 anos, acredita que esta obra constitui uma possibilidade de ajudar qualquer tipo de pessoa.

Em «10 Passos para Chegar ao Topo – Todo o Empreendedor tem o seu Everest» o mais bem sucedido empreendedor português e o número um das alturas, nascidos em épocas diferentes (o primeiro, de 78 anos, poderia ser pai do segundo), com percursos de vida em nada semelhantes e ramos de atividade absolutamente distintos, mostram que foi a ambição de chegar à meta que levou um e outro a lograr o ponto mais alto da carreira.

Métodos, segredos, lições de motivação, construção da equipa, definição de rotas e dos tempos corretos, trabalho árduo, recompensas e muitas outras dicas constam desta viagem paralela.


Maria Bijóias

Título: 10 Passos para Chegar ao Topo

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

662 

Imagem por: pawpaw67

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 13 )    recentes

  • SophiaSophia

    09-05-2014 às 17:54:05

    Ainda não li o livro 10 passos para chegar ao topo, mas creio que deve ser bom para ajudar as pessoas que querem crescer nessa área de empreender algum negócio. Na verdade, cada um tem a sua estratégia e qual melhor se aplica ao que pretende, basta buscá-la!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    08-10-2012 às 16:28:08

    Este é quase um livro de auto-ajuda! Podemos considerar com esta leitura não só a forma como podemos subir, mas principalmente a forma como o temos de fazer. João Garcia explica-nos que acima de tudo a ambição de atingir metas é fundamental para de seguida criarmos os nossos próprios meios para os concretizarmos. Fantástico este livro.

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    02-10-2012 às 07:16:02

    Muitos são os livros que falam a respeito de como ter sucesso na vida. Não somente no âmbito profissional, queremos sucessos em todas as áreas possíveis. Não é uma tarefa fácil, moleza, chegar ao topo requer esforço e um batalhão de energias que você precisa arrumar para ter bastante êxito. Sem desistir, apenas olhar para frente. Muito legal esses passos, nos encoraja a pensar se estamos agindo dessa forma, se vamos realmente chegar ao topo.

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    01-10-2012 às 22:59:51

    Todos querem chegar ao topo, mas nem todos querem pagar o preço. Vemos isso de fato ocorrer em diversos lugares e com pessoas das mais variadas. Podemos observar o quanto é importante se chegar lá e o mais importante de tudo é a maneira em que chegamos lá. Esses passos, dicas, podem nos ajudar muito se a seguirmos de fato e com toda a determinação. Gostei texto, fácil de entendimento, mas muito exigente para seguir.

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    01-10-2012 às 22:58:04

    Chegar ao topo é o alvo dos mais ambiciosos. Muitos ficam na mesmice e ali se estabelecem, sem alvos, sem grandes motivações. Podemos ver pelas atitudes de muitas pessoas, principalmente no âmbito do trabalho. Chegar ao topo requer trabalho, planejamento e uma série de coisas para que obtenha sucesso e vitória. Mas quando alcançamos sem devida responsabilidade de não prejudicar ninguém, isso é mais louvável ainda. Que tenhamos a consciência disso chegando lá com dignidade.

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    01-10-2012 às 22:56:39

    Para se chegar ao topo exigi-se muita perseverança, força, garra e muita vontade de vencer e motivação interna, independente das circunstâncias. Quando mantemos o foco e agimos para se alcançar(isso sem passar por cima de ninguém) alcançamos o topo. Muito trabalho e dedicação também são peças fundamentais a levarmos em consideração. Muito se sabe, mas pouco se age. Vemos quantas e quantas pessoas traçam metas e não chegam nem na metade de seus objetivos, né?

    ¬ Responder
  • Daiany Nascimento

    01-10-2012 às 18:24:14

    Achei interessante o assunto do livro: 10 Passos para Chegar ao Topo – Todo o Empreendedor tem o seu Everest, de Rui Nabeiro (fundador da Delta Cafés) e João Garcia (o maior alpinista português e um dos maiores do mundo), da editora Caderno (grupo Leya). Acho que, certas literaturas servem para inspirar as pessoas a serem melhores. Por isso este livro parece-me ser muito útil quando o assunto é profissão. Gosto de dicas práticas.

    ¬ Responder
  • Cristina SousaCristina Sousa

    30-09-2012 às 20:55:37

    Chegar ao topo deveria ser por mérito e não por nenhum outro motivo. Mas chegar ao topo de quê? De uma montanha? De uma hierarquia dentro de empresa? Independentemente do tipo de topo que se esteja a falar, este deve ser sempre alcançado por quem se esforça e possui capacidades para tal. Caso contrário, estará logo à partida, condenado ao fracasso. Mesmo que tenha ajudas para lá chegar.

    ¬ Responder
  • Nilson EmpreendedorNilson Uemoto

    30-09-2012 às 17:19:33

    Muito boa a indicação desse livro, gosto muito desse assunto relacionado a conquista de metas e objetivos.A analogia utilizada pelo autor desse livro, relacionando o topo do Everest com alcançar o topo em qualquer área de nossas vidas é muito inteligente.Sem metas não chegamos a lugar nenhum na vida, precisamos planejar bem nossas ações e traçar nossas metas no papel para podermos extrair o máximo potencial de cada um de nós.Obrigado pela indicação

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    26-09-2012 às 14:23:21

    Acerca de chegar ao topo num qualquer emprego tem muito que se lhe diga.Infelizmente nem sempre as escolhas têm a ver com mérito, mas apesar dessas excepções é necessário reunir alguns requesitos para isso.Além da pontualidade e esmero no trabalho é necessário manter uma atitude positiva sempre e em face de qualquer obstáculo.Depois é só aliar a outros valores fundamentais como empenho, objetividade, cumprir metas e objetivos e ser cordial com colegas e superiores.

    ¬ Responder
  • Gabriela TorresGabriela Torres

    26-09-2012 às 03:08:04

    Acho que o grande segredo para se chegar ao topo de qualquer coisa é acreditar em si mesmo o tempo todo.Tudo funciona muito bem quando existe auto confiança.A falta de fé em si é capaz de paralisar tudo.

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    24-09-2012 às 23:26:15

    Para mim o mais importante é definirmos para nós mesmos o que significa chegar ao topo. Será que significa subir na carreira até um posto mais elevado? Se sim, isso incluirá ultrapassar os outros por meio de atitudes menos simpáticas? Consistirá em alcançar uma mais-valia financeira mesmo que estejamos a desempenhar um trabalho com o qual não nos identificamos? Ou será, num cenário mais dourado, conseguirmos fazer o que gostamos mesmo que não sejamos “chefes”?

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    23-09-2012 às 21:56:33

    para chegar o topo basta trabalhar muito para ser o melhor. não é preciso ser o mais inteligente, basta ter um pouco desta, ter organização, dar algum esforço e trabalhar, trabalhar trabalhar. para mim, o trabalho é tudo. o que adiantava ser sobredotada se depois fosse preguiçosa?! é só a minha opinião, muito própria. chegar ao topo é o objectivo de muitos, mas só os melhores como eu chegam lá., parabéns pelo tema.

    ¬ Responder

Comentários - 10 Passos para Chegar ao Topo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: DVD Filmes
Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.\"Rua
Este texto irá falar sobre o filme Ex_Machina, nele podem e vão ocorrer Spoillers, então se ainda não viram o filme, vejam e voltem depois para lê-lo.

Impressões iniciais:

Ponto para o filme. Já que pela sinopse baixei a expectativa ao imaginar que era apenas mais um filme de robôs com complexo de Pinóquio, mas evidentemente que é muito mais que isso.

Desde as primeiras cenas é possível perceber que o filme tem algo de especial, pois não vemos uma cena de abertura com nenhuma perseguição, explosão ou ação sem propósito, típica em filmes hollywoodianos.
Mais um ponto, pois no geral o filme prende mais nos diálogos cerebrais do que na história em si, e isso é impressionante para o primeiro filme, como diretor, de Alex Garland (também roteirista do filme). O filme se mostrou eficiente em criar um ambiente de suspense, em um enredo, aparentemente sem vilões ou perigos, que prende o espectador.

Entrando um pouco no enredo, não é difícil imaginar que tem alguma coisa errada com Nathan Bateman (Oscar Isaac), que é o criador do android Ava (Alicia Vikander), pois ele vive isolado, está trabalhando num projeto de Inteligência Artificial secreto e quando o personagem orelha, Caleb Smith (Domhnall Gleeson), é introduzido no seu ambiente, o espectador fica esperando que em algum momento ele (Nathan) se mostrará como vilão. No entanto isso ocorre de uma forma bastante interessante no filme, logo chegaremos nela.

Falando um pouco da estética do filme, ponto para ele de novo, pois evita a grande cidade (comum nos filmes de FC) como foco e se concentra mais na casa de Nathan, que fica nas montanhas cercadas de florestas e bastante isolado. Logo de cara já é possível perceber que a estética foi pensada para ser lembrada, e não apenas um detalhe no filme. A pesar do ambiente ser isolado era preciso demonstras que os personagens estão em um mundo modernizado, por isso o cineasta opta por ousar na arquitetura da casa de Nathan.

A casa é nesses moldes novos onde a construção se mistura com o ambiente envolta. Usando artifícios como espelhos, muitas paredes de vidro, estruturas de madeira e rochas, dando a impressão de camuflagem para a mesma, coisa que os ambientalistas julgam favorável à natureza. Por dentro se pode ver de forma realista como podem ser as smart-house, não tenho certeza se o termo existe, mas cabe nesse exemplo. As paredes internas são cobertas com fibra ótica e trocam de cor, um efeito que além de estético ajuda a criar climas de suspense, pois há momentos onde ocorrem quedas de energia, então fica tudo vermelho e trancado.

O papel de Caleb á ajudar Nathan a testar a IA de AVA, mas com o desenrolar da história Nathan revela que o verdadeiro teste está em saber se Ava é capaz de “usar”, ou “se aproveitar” de Caleb, que se demonstra ser uma pessoa boa.

Caleb é o típico nerd introvertido, programador, sem amigos, sem família e sem namorada. Nathan também representa a evolução do nerd. O nerd nos dias de hoje. Por fora o cara é careca, barbudão com uns traços orientais (traços indianos, pois a Índia também fica no Oriente), bebê bastante e ao mesmo tempo malha e mantém uma dieta saudável pra compensar. E por dentro é um gênio da programação que criou, o google, o BlueBook, que é um sistema de busca muito eficiente.

Destaque para um diálogo sobre o BlueBook, onde Nathan fala para Caleb:
“Sabe, meus concorrentes estavam tão obcecados em sugar e ganhar dinheiro por meio de compras e mídia social. Achavam que ferramenta de pesquisa mapeava O QUE as pessoas pensavam. Mas na verdade eles eram um mapa de COMO as pessoas pensavam”.

Impulso. Resposta. Fluido. Imperfeição. Padronização. Caótico.

A questão filosófica vai além disso esbarrando no conceito de “vontade de potência”, de Nietzche, mas sobre isso não irei falar aqui, pois já há textos muito bons por aí.

Tem outra coisa que o filme me lembrou, que eu não sei se é referência ou se foi ocasional, mas o local onde Ava está presa e a forma como ela fica deitada num divã, e questiona se Caleb a observa por detrás das câmeras, lembra o filme “A pele que habito” de Almodóvar, um outro filme excelente que algum dia falarei por aqui.

Talvez seja uma versão “O endoesqueleto de metal e silicone que habito”, ou “O cérebro positrônico azul que habito”, mesmo assim não podia deixar de citar a cena por que é muito interessante.

Pesquisar mais textos:

Jhon Erik Voese

Título:Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Autor:Jhon Erik Voese(todos os textos)

Imagem por: pawpaw67

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Suassuna 11-09-2015 às 02:03:47

    Gostei do texto, irei conferir o filme.

    ¬ Responder
  • Jhon Erik VoeseJhon Erik Voese

    15-09-2015 às 15:51:02

    Que bom, obrigado! Espero que goste do filme também!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios