Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Boneca de trapos

Boneca de trapos

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 6
Boneca de trapos

Ingrata fora a ultima palavra que ouvira da boca dos seus pais na altura em que foi expulsa de casa. O pai olhava-a com vergonha e repulsa e a mãe com desespero. Estava a ser escorraçada com um cão vadio.
Sempre fora a menina que incondicionalmente respeitara e seguia ordens dos seus pais. Nunca se revoltou. Comia e calava. Os pais talharam-na para ser o que ela não queria ser. Era proibida de sair, de beber, de fazer algo contra os bons e velhos costumes.

Uma minissaia significava que era uma rameira, um copo de champanhe, uma embriagada que se se agarra-se a esses pecados iria envergonhar o bom nome da família. Tinha de ser uma marioneta nem que para isso significasse ser infeliz. Mas ninguém vive eternamente em função dos outros seguindo regras e costumes retrógrados e incompreensíveis.

Luísa saiu apenas com a sua roupa no corpo, um telemóvel, e cinco euros no bolso das calças.
Valeu-lhe a ajuda de Joana, sua amiga. Amiga como quem diz, para além do nome pouco sabiam uma da outra. Este gesto admirara Luísa mas preferia ficar na casa de uma conhecida do que na rua. Ficara a apenas a um quarteirão da sua antiga prisão mas isso para ela era a liberdade total.

Os dias passavam como carros a alta velocidade naquela rua. Duas pessoas falam no meio da rua. Uma ri-se e a outra parece acompanha-la. Outro carro passa. Outras pessoas passam. O dia acaba, dá lugar á noite. Os carros continuam a passar mas as pessoas não. Fecho a janela. São as duas da manha e os meus olhos cansados reflectem-se no vidro da janela. Pego na fita e fecho a persiana mas paro. Uma pessoa passa. Momento que merece ser recordado aquela hora da noite nesta rua. Vejo um cigarro que se acende, um fumo que sai dos lábios da personagem e um aceno dirigido a mim. Fecho de repente a persiana. Respiro fundo. Sigo para a casa de banho a passos lentos. Observo a minha figura no espelho. Os meus olhos ainda mais cansados, o franzir da minha testa, os meus cabelos movimentando-se ao ritmo que tiro a minha roupa.

O telemóvel vibra e assusta-me. Sigo despida ao seu encontro. Sigo a sua luz, no ambiente semi-escuro da habitação. Leio a mensagem: “Não tenhas medo.”

Pego num cigarro acendo-o na minha boca e fumo enquanto uma vontade de chorar se apodera de mim e ganha. A minha respiração acelera e os meus gemidos são acalmados para não acordar os vizinhos. Sinto frio no meu corpo nu, desprotegido. Sinto fome, mas não a quero alimentar. Tenho sono mas não quero dormir. Acabo o cigarro e volto á casa de banho. Ponho a água a correr. O telemóvel marca as duas e vinte no visor. A banheira enche devagar, ao som da água a descer pela torneira. Volto ao espelho. Volto a observar o meu corpo. Olho fixamente para o reflexo dos meus olhos, verdes mas com a esperança morta. Os meus cabelos tapam os meus seios magoados. O telemóvel vibra. Desta vez é uma chamada de Joana. Apanho o telemóvel mesmo á beira de cair na banheira.

-Estou Joana! – Tento por uma voz mais alegre sobre a minha voz frágil e triste. Do telemóvel ouvia-se uma música vibrante e gritos de euforia. Mas estes sons perdem fulgor e apenas se ouve a voz de Joana.

-Estives-te a chorar! – Joana mostra-se preocupada.
-É impressão tua! Diverte-te e não te preocupes comigo. Não valho essa preocupação! – A voz de Luísa fragiliza ao ritmo que as suas palavras saiam dos seus lábios.

-Eu sei que é uma luta ingrata, injusta mas tens de perceber que apenas podes ser tu a acabar com esse sofrimento. Força! O som da música e dos gritos volta e Joana desliga.

A raiva de Luísa exterioriza-se. Cerra os dentes e lança o telemóvel contra o espelho. Luísa apenas vê pedaços do seu reflexo no que restou do espelho. Chora compulsivamente. Sente-se cada vez mais incompreendida. Não bastava o sofrimento por que passava. Apenas queria um abraço que a conforta-se, um sorriso que a fizesse sorrir também, um pouco de carinho físico. Estava farta de palavras confortantes, rápidas que apenas confortavam o outro e não ela.

Queria uma mudança. Uma volta de 180 graus na sua vida, monótona e incompreendida.
Queria passar a gostas daquilo que não gostava, fazer aquilo que não fazia e sempre fora privada de o fazer. Estava na altura de mudar para melhor. Deixar de ser aquela rapariga que construiu um muro de papel, escondendo a sua verdadeira essência. Sai da banheira com quem sai do armário pronto para a vida. Estava farta de ser quem nunca foi.

O relógio do quarto marcava agora as três e dez da manha.
Vasculha o armário de Luísa procurando o mais provocador que lhe aparecesse á frente. Depois de agarra e vestir um vestido que submergia a sua sensualidade que agora tinha a oportunidade de mostrar. Uma maquilhagem que revelasse o seu verdadeiro pensar e sentir.

Levanta-se, apanha as chaves ao som dos saltos agulha. Fazia um esforço para se manter de pé mas tentava manter a pose.

O som da batida da música, vinte minutos depois de uma viagem de táxi, onde os piropos do taxista a faziam sentir pela primeira vez uma obra de arte possuidora de uma beleza agora revelada. A batida da música era cada vez mais forte tal como a do seu coração. Entrara, sob olhares de homens famintos caçando a presa, olhares invejosos de mulheres e o olhar de Joana. Esta ficou de boca aberta quando a viu assim vestida. Imagina a cara dos pais desta se a visse naqueles preparos.

-Saíste do armário ou foste empurrada! Joana tenta saber da súbita mudança de Luísa
-Quis sentir aquilo que apenas vira pelo buraco da fechadura! Responde Luísa piscando o olho aos rapazes que passavam.

- Tem cuidado nem sempre a vida é um mar de rosas e a noite não é mais do que um copo de bebida: vais bebendo e sentindo o seu sabor mas quando acaba pode não saber ao mesmo.

-Não te preocupes, vou fazer de tudo para que a minha bebida nunca se acabe e que a minha euforia não acabe. Luísa segue para a pista de dança. Dança até a noite dar lugar ao dia, dança até cansar os sapatos, até suar de prazer, até ao fim do mundo.

Luísa volta a casa já de manha. Toca á campainha na ânsia de que Joana lhe abra a porta. Apenas se lembra que tem as chaves após o olhar da sua mãe que passava na rua. Reconhece a filha e chora de tristeza.
-Sais-te de casa para isto. Vestida com uma rameira vinda sabe-se lá de onde. O que é que andas a fazer Luísa Maria?

Luísa sobe as escadas sobre o bombardeamento de perguntas da sua mãe que a seguira escadas acima.
Não foi preciso meter a chave para a porta se abrir. O seu pai estava naquele preciso momento a sair de casa onde esta vivia a alguns dias. A raiva de Luísa levara a um discurso sarcástico depois de perceber
-Papá! Foi divertida a noite? É convidativo o corpo da Joana!

O pai de Luísa ficara pálido. Olhara para a sua mulher e baixara a cabeça de vergonha. Fora descoberto.
- Não é isso que estás a penas! – O pai de Luísa tenta manter a pose.

- Dormis-te com ela por engano? Não descobres as diferenças entre o corpo velho e enrugado da mãe e a frescura e sensualidade do corpo da Joana! Afinal o bom homem da família Sacramento põe os chifres na mulher mas a filha é que suja o bom nome da família!

-Eu não sujo o nome da minha família! Diz o pai entre dentes
-Não! Deixa-lo em casa cada vez que sais! Mas eu é que sou a ingrata! A bêbada! A prostituta! Que suja o bom nome da família! Pelos vistos não sou a única mas isso deve saber-te tão bem.
Joana aparece em camisa atrás do pai de Luísa. Luísa apenas vê a sua mãe a correr chorando descendo as escadas e acabando por tropeçar e cair inanimada no fundo as escadas. Luísa desce as escadas aflita. Joana chama a ambulância e o pai de Luísa corre em direcção á saída.

Horas depois Luísa chora a morte da mãe. O pai nunca mais lhe pusera a vista em cima e Joana sentira uma vergonha extrema ao olhar para a filha do homem com quem foi para a cama. Sente-se culpada e tenta suicidar-se com os restos do espelho partido na véspera. Luísa ouve os gritos de Joana. Sai de casa e fecha a porta á chave.
Luísa sai em busca de uma nova vida. Aquela que nunca teve, a que lhe foi escondida e que agora tem a oportunidade de a agarrar e finalmente ser feliz…


Rua Direita

Título: Boneca de trapos

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 6

656 

Comentários - Boneca de trapos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios