Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > A revolução da indústria pop

A revolução da indústria pop

Categoria: Música
Visitas: 8
Comentários: 2
A revolução da indústria pop

A MTV (Music Television) iniciou uma revolução no mundo da música. No dia 1 de Agosto de 1981 este canal de televisão iniciou as suas emissões regulares com o videoclip “Video Killed the Radio Star”, dos The Buggles.

Até esta data, as bandas de rock and roll não tinham por hábito apostar no formato videoclip. As despesas de produção de um vídeo eram bastante caras e não se sentia a necessidade de avançar para este tipo de projectos, que se pensava não trazerem grandes retornos. Com a MTV, a transmissão de vídeos passou a ser um mercado emergente, que hoje é explorado por todas as bandas e tipos de música.

O conceito de televisão criado pela MTV rapidamente se desenvolveu e fez sucesso, o que tornou este formato um sucesso que teve seguidores, não só com programas de televisão dedicados só a passar vídeos, mas também com o advento de outros canais de música.

No início, o videoclip mostrava apenas imagens da banda a tocar, fosse em estúdio, fosse em concerto. Por volta do início dos anos 1980, a aposta foi feita num outro tipo de formato, em que os videoclips passaram a contar pequenas histórias. Quem não se lembra, por exemplo de “Thriller”, de Michael Jackson, um videoclip que é, ao mesmo tempo uma curta-metragem, ou ainda “Take on me” dos A-Ha, que mistura a realidade com a banda desenhada?

A revolução na indústria pop prolongou-se ao longo dos anos, tudo em nome da busca pela perfeição na arte de realizar pequenos filmes que estejam relacionados com a arte das bandas.

Quando a MTV apareceu, em 1981, o seu objectivo era o de atingir uma faixa etária mais jovem. Em 1985, surgiu o Video Hits One (VH1), que tinha o objectivo de chegar a uma faixa etária mais velha. Este canal mantém-se fiel ainda hoje a estes princípios, apostando num tipo de música bastante mais “leve”.
Existem hoje canais de música para todos os gostos.

Com o surgimento dos canais de música, começou-se a questionar o papel da rádio e da relação dos artistas com esta. No entanto, com o passar do tempo, é possível ver que cada coisa tem um papel e que este está bem definido. Tanto a rádio como a televisão conseguem perfeitamente complementarem-se e trazer valor acrescentado, não só ao nível do mercado, mas também de orientação artística.

Os canais de música são, desde o seu início, um dos principais meios de divulgação, não só da música, mas também da cultura de cada época.



Luís Seco Passadouro

Título: A revolução da indústria pop

Autor: Luís Seco Passadouro (todos os textos)

Visitas: 8

635 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-05-2014 às 20:23:07

    Até hoje a música pop vive e revive a música, ela nunca deixará de existir!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSofia Nunes

    13-09-2012 às 16:47:42

    A minha relação com a música pop é, a bem dizer, péssima. Por associação, também a MTV é um canal que, embora possua, não tenho por hábito ver. Não que nunca tinha visto, mas por volta dos 16 anos de idade os meus gostos musicais alteraram-se. O outro canal que refere como sendo destinado a um público-alvo mais velho (O Video Hits One) é, segundo a minha opinião, bem melhor que a comercial MTV.

    ¬ Responder

Comentários - A revolução da indústria pop

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios