Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > A revolução da indústria pop

A revolução da indústria pop

Categoria: Música
Visitas: 8
Comentários: 2
A revolução da indústria pop

A MTV (Music Television) iniciou uma revolução no mundo da música. No dia 1 de Agosto de 1981 este canal de televisão iniciou as suas emissões regulares com o videoclip “Video Killed the Radio Star”, dos The Buggles.

Até esta data, as bandas de rock and roll não tinham por hábito apostar no formato videoclip. As despesas de produção de um vídeo eram bastante caras e não se sentia a necessidade de avançar para este tipo de projectos, que se pensava não trazerem grandes retornos. Com a MTV, a transmissão de vídeos passou a ser um mercado emergente, que hoje é explorado por todas as bandas e tipos de música.

O conceito de televisão criado pela MTV rapidamente se desenvolveu e fez sucesso, o que tornou este formato um sucesso que teve seguidores, não só com programas de televisão dedicados só a passar vídeos, mas também com o advento de outros canais de música.

No início, o videoclip mostrava apenas imagens da banda a tocar, fosse em estúdio, fosse em concerto. Por volta do início dos anos 1980, a aposta foi feita num outro tipo de formato, em que os videoclips passaram a contar pequenas histórias. Quem não se lembra, por exemplo de “Thriller”, de Michael Jackson, um videoclip que é, ao mesmo tempo uma curta-metragem, ou ainda “Take on me” dos A-Ha, que mistura a realidade com a banda desenhada?

A revolução na indústria pop prolongou-se ao longo dos anos, tudo em nome da busca pela perfeição na arte de realizar pequenos filmes que estejam relacionados com a arte das bandas.

Quando a MTV apareceu, em 1981, o seu objectivo era o de atingir uma faixa etária mais jovem. Em 1985, surgiu o Video Hits One (VH1), que tinha o objectivo de chegar a uma faixa etária mais velha. Este canal mantém-se fiel ainda hoje a estes princípios, apostando num tipo de música bastante mais “leve”.
Existem hoje canais de música para todos os gostos.

Com o surgimento dos canais de música, começou-se a questionar o papel da rádio e da relação dos artistas com esta. No entanto, com o passar do tempo, é possível ver que cada coisa tem um papel e que este está bem definido. Tanto a rádio como a televisão conseguem perfeitamente complementarem-se e trazer valor acrescentado, não só ao nível do mercado, mas também de orientação artística.

Os canais de música são, desde o seu início, um dos principais meios de divulgação, não só da música, mas também da cultura de cada época.



Luís Seco Passadouro

Título: A revolução da indústria pop

Autor: Luís Seco Passadouro (todos os textos)

Visitas: 8

635 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-05-2014 às 20:23:07

    Até hoje a música pop vive e revive a música, ela nunca deixará de existir!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSofia Nunes

    13-09-2012 às 16:47:42

    A minha relação com a música pop é, a bem dizer, péssima. Por associação, também a MTV é um canal que, embora possua, não tenho por hábito ver. Não que nunca tinha visto, mas por volta dos 16 anos de idade os meus gostos musicais alteraram-se. O outro canal que refere como sendo destinado a um público-alvo mais velho (O Video Hits One) é, segundo a minha opinião, bem melhor que a comercial MTV.

    ¬ Responder

Comentários - A revolução da indústria pop

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios