Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Instrumentos Musicais > Os Segredos de um Acordeão

Os Segredos de um Acordeão

Visitas: 22
Comentários: 2
Os Segredos de um Acordeão

Quando vemos um acordeão, imaginamos logo um grupo musical tipicamente Português. Aquele típico grupo musical que alegra as festas lá da terra, e põe toda a gente a dançar.

Um acordeão é à primeira vista um instrumento difícil de tocar, e quem diz á primeira, diz à segunda ou à terceira. O acordeão é de facto um instrumento complicado de tocar devido não só ao dedilhar necessário, mas também pela sua forma e peso.

O acordeão é um instrumento aerófono (produzido pela vibração do ar), composto por um fole (a característica que mais o identifica), um diapasão (parte metálica em forma de forquilha) e duas caixas harmónicas de madeira.

Se acha que esta é uma forma de descrever o acordeão, saiba que há muito mais para contar.

Também conhecido por concertina (a diferença está no número de baixos que são 120), julga-se que o acordeão tenha sido inventado na China em 2700 anos Antes de Cristo e sofreu os mais variados desenvolvimentos com o passar dos anos de forma a que muitos pensam que tenha sido inventado na Alemanha de 1700 por Christien Friederich Ludwig Buschmann.

O inconfundível som do acordeão é emitido através do aperto do ar entre duas palhetas (ficam localizadas dentro do fole – Castelo). É a vibração das palhetes que emite um som mais grave ou mais agudo (quanto mais distantes, mais grave se torna o som). Naturalmente que quanto mais o ar for forçado, mais alto é o som. Se já reparou que um acordeonista está permanentemente a fazer abrir e fechar o fole, saiba que este gesto é o que faz circular o ar dentro do fole.

Por norma um acordeão tem quatro registos, sendo composta por diferentes oitavas para uma só tecla (parte lateral do acordeão) São estas teclas, as responsáveis pelo som inconfundível do acordeão. O teclado é tocado com a mão direita e tem o mesmíssimo aspecto de um teclado de um piano.

Ora se com a mão direita se toca no teclado, com a mão esquerda temos uma imensidão de botõezinhos em fila indiana. Os botões têm a função de produzir a sonoridade e intensidade do som emitido pelo acordeão.

Se acha que o acordeão ou a concertina são instrumentos tipicamente Portugueses e tocados nas chamadas Santas Terrinhas, engana-se. Tchaikovsky (compositor romântico Russo – 1840 / 1893) foi um dos muitos compositores que trabalhou peças com o acordeão.


Carla Horta

Título: Os Segredos de um Acordeão

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 22

761 

Imagem por: Orin Zebest

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • André BelacorçaAndré Belacorça

    17-09-2012 às 17:02:31

    muito bom :)

    ¬ Responder
  • Alberto

    04-09-2012 às 12:46:42

    É no mínimo "tosco" dizer que o Tchen é um acordeão. O acordeão foi inventado por Buschmann, mas ele não fez isso sozinho - diversos artesões estavam empenhados nesta época, o que contribuiu para que o Buschmann apresentasse a primeira forma consistente deste instrumento maravilhoso. Mais tarde, Cyrill Demian, austríaco, patenteou o invento, já com inúmeras melhorias. Foi, no entanto, Demian o primeiro divulgador deste instrumento, tanto que o então jovem Paolo Soprani, italiano, se interessou em reproduzir o "novo invento". A influência de Paolo Soprani foi enorme, pois em Ancona, Itália, temos a maior concentração de confeccionadores de acordeão e bandoneon no mundo - e de qualidade indiscutível. Na Alemanha, no entanto, precursora no instrumento, existem poucos fabricantes, mas de excelente qualidade. Outros países como a Eslovênia, Holanda e França também dominam bem a arte. No Brasil tivemos a Todeschini, que em seu auge, chegou a produzir 1500 acordeões de altíssima qualidade.

    Enfim, os chineses inventaram o mecanismo da palheta livre, mas não são os inventores do acordeão.

    ¬ Responder

Comentários - Os Segredos de um Acordeão

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Imagem por: Orin Zebest

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios