Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Automóveis > Prolongue a vida do seu automóvel

Prolongue a vida do seu automóvel

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Automóveis
Comentários: 1
Prolongue a vida do seu automóvel

Com os preços dos combustíveis ridiculamente em alta e as reparações muito dispendiosas, a última coisa com que quererá preocupar-se é se e quando o seu carro vai avariar. Há procediemntos preventivos que o levarão a proteger melhor o seu investimento, e ir do ponto A ao ponto B de forma tão confiável quanto possível.

Ainda que poucos condutores ou nenhum o faça, leia o manual do carro e da manutenção programada em conformidade. Manter a agenda de manutenção recomendada do seu carro pode ajudar a evitar problemas dispendiosos com o sistema de arrefecimento, transmissão, suspensão e outros componentes. A programação recomendada também ajuda a garantir-lhe o pleno benefício da garantia do fabricante.

Conduza menos. Especialmente, evite viagens curtas. As saídas a frio são prejudiciais para os motores, aumentam o consumo de combustível e prejudicam mais o meio ambiente. As viagens curtas também podem reduzir significativamente a vida do seu catalizador. Basicamente, inicia-se a condensação no escape quando inicia um motor frio, e se não conduzir o carro por tempo suficiente para evaporar toda a condensação do sistema, quantidades excessivas de água podem acumular-se na 'panela' e a formação de ferrugem e um buraco é o que acontecerá no futuro breve. Evite iniciar um carro frio só para guardá-lo na garagem, por exemplo. Dá-lhe mais saúde se sair para dar um passeio e voltar para o guardar. Não conduza um carro, pelo menos, a cada semana, uma vez que os carros que ficam por mais de uma semana ou duas de cada vez parados têm outros problemas, tais como fluidos a sair gradualmente de sistemas. Consulte um mecânico se pensar em guardar um carro por um período prolongado.

Verifique os fluidos: Deve verificar regularmente o nível de anticongelante, óleo, fluido de transmissão, fluido de direção hidráulica e fluido de travões. Mesmo se o seu carro não vazar fluidos, ele pode desenvolver uma fuga e rapidamente ter um nível perigosamente baixo de alguma coisa. Também deve verificar a cor de alguns destes fluidos.

Além disso, nunca misture anticongelantes. Se não sabe o que cor de anticongelante o seu carro tem, compre uma marca universal. O óleo deve ser relativamente claro, e não negro. O óleo que apresente um tom branco, como se fosse um batido, tem água, provavelmente a partir de um vazamento interno de anticongelante, ou muito raramente, apenas uma quantidade grande de condensação. O fluido da transmissão deve ser vermelho brilhante, e não deve cheirar a queimado ... provavelmente precisa ser mudado se estiver acastanhado ou a cheirar a queimado.

Troque o óleo regularmente: Isto irá melhorar o rendimento e proteger o seu motor. A quilometragem recomendada entre as mudanças de óleo é de 5000 a 8000 quilómetros, ou a cada 3 a 6 meses. Mude o filtro de óleo - não faz qualquer sentido colocar óleo novo e limpo através de um filtro sujo, e os filtros são muito baratos e disponíveis em qualquer loja de peças. Verifique o manual de serviço, ou entre em contacto com o revendedor para as necessidades específicas do seu carro.

Mudar o filtro de ar é algo que pode fazer facilmente em casa, sem o uso de ferramentas, e deve ser feito aproximadamente a cada 12 mil quilómetros. Pode comprar um filtro compatível em quase qualquer loja de peças automóvel. O manual do proprietário vai mostrar onde o filtro de ar está localizado. Os filtros de ar sujos, ou empoeirados podem aumentar o consumo de combustível.
Vigie a espessura das pastilhas de travão e não deixe que as pastilhas ultrapassem o limite - o que irá causar danos aos discos de travão pelo menos e, possivelmente, nas pinças também.
Rode os pneus. Alterar a posição do pneu é muito importante e reduz o desgaste irregular no piso, prolongando assim a vida útil dos pneus. O ciclo de rotação recomendado é de duas vezes por ano ou a cada 8.000 quilómtros. Rode-os na diagonal - frente à direita para esquerda traseira e dianteira esquerda para traseira direita.

Mantenha os pneus na pressão adequada. Os pneus abaixo da pressão regular podem ter um tempo de vida útil mais curto cerca de 15% e vai diminuir um pouco a velocidade, talvez em 10%. O enchimento de pneus é talvez a mais fácil de todas as actividades. Verifique a pressão dos pneus pelo menos uma vez a cada mês. Isso vai reduzir o desgaste dos pneus e evitar problemas mais graves. Lembre-se que o pneu é o que está em contacto com o solo.

Mantenha a direcção alinhada. Se sentir o carro balançar enquanto conduz a alta velocidade (não durante a travagem - o estremecimento durante a travagem indica rotores deformados), ou se o veículo se desviar da trajectória quando tem o volante na posição 'zero', então pode precisar de um alinhamento. Este também é fundamental para prolongar a vida dos seus pneus e manterá o piso em melhor estado, aumentando assim a sua segurança.

Sempre que sair de carro, conduza suavemente nos primeiros quilómetros, até que ele atinja uma temperatura regular. Não o esforce quando estiver ainda frio, pois prejudica o motor e aumenta o consumo e a emissão de gases poluentes.

Use o travão de estacionamento. Mesmo se estiver a conduzir um carro com transmissão automática, use o seu travão de estacionamento regularmente, especialmente se estiver estacionado num declive. Isso ajuda a manter os travões regulados na traseira do carro e faz com que durem mais tempo.

Lave o seu carro regularmente. O sal da estrada, a lama e a poluição podem levar a despesas de tratamento da pintura. Sem limpeza pode começar a notar ferrugem no fundo das portas dentro de quatro anos. Mais três a quatro anos e a corrosão vai alastrar-se a outros componentes. O comportamento negligente quanto à lavagem pode levar a despesas avultadas, principalmente se reside em localidades perto do mar.

Finalmente, faça um 'check-up' antes de cada viagem longa. Aumente a sua segurança e conduza descansado.


Ruben Duarte

Título: Prolongue a vida do seu automóvel

Autor: Ruben Duarte (todos os textos)

Visitas: 0

627 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 05:08:47

    Coisa boa é prolongar a vida do automóvel, assim toda sua estrutura, motor e visual ficam bem conservados.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Prolongue a vida do seu automóvel

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios