Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Capítulo 3 – O guarda noturno.

Capítulo 3 – O guarda noturno.

Categoria: Literatura
Capítulo 3 – O guarda noturno.

- Não, não! Ninguém morreu, não! – a voz no telefone parecia ter certeza do que dizia, mesmo assim a mulher do outro lado da linha insistiu.
- Mas, eu preciso saber se o senhor olhou direito!

- Dona Isolete, eu já lhe falei mais de uma vez. Ta tudo bem aqui. Teve um acidente de carro... isso, mas o carro preto só bateu no cone que marcava a vaga da senhora. Ninguém se machucou.
- É que meu filho ouviu um barulho ontem e como o senhor é guardião da escola à noite eu pensei que o senhor tivesse visto alguma coisa.
- Pois, foi isso que eu acabei de lhe dizer.
“Eu estava trabalhando ontem, já tinha acabado a reza do padre no rádio e saí pra fazê a primeira ronda. Como não tinha aluno tava tudo muito quieto e vazio.

Só tinha luz no bloco dos professor.
Eu vi o professor Eduardo saindo e abri o portão pra ele, mas ele tava estranho, parecia que não tinha durmido direito.
Foi então que o carro preto dobrô a esquina chutado e pegou em cheio no seu cone dona Isolete.”
- Mas, fique tranquila que nem o motorista se machuco, não estragou carro, foi só um susto mesmo.

- Ah, que bom né. Então até Joarez, tudo de bão pro senhor, que Deus lhe cuide. E avise os menino que depois de terça eu já to voltando.
- Tá bão Dona Isolete, a senhora também. Deus lhe cuide!
Assim que desligou o celular Joarez ligou novamente a Vap e continuou limpando o sangue do asfalto. Um pouco escorria pela lateral que não tinha calçada e formava uma lama de um vermelho escuro capaz de embrulhar o estomago de quem visse.

A diretora da escola, apareceu no portão e gritou para o vigia:
- Joarez, já não tá no final do seu turno?
- Tá sim, senhora! Mas, vô só terminar aqui já to indo. A senhora quer que eu feche a escola?
- Não precisa não, tenho umas coisas aqui pra resolver. Acho que vou gastar meu sábado todo nisso. Só deixe as chaves na secretaria quando for embora e bom descanso. – foi o que pode ouvir como resposta da mulher que já ia entrando de volta no pátio.
- Eita, que bem no fim essa história vai acabar sobrando pra mim. Mais vo dizer uma coisa. Alguém morreu aqui, mas eu não fui quem matou. Vocês leitor que vão ter que adivinha.
E com um sorriso no rosto o Joarez desligou a maquina Vap. Guardou tudo passou na secretaria e deixou seu molho de chaves, como tinha sido instruído a fazer.

Pegou seu casaco no armário dos funcionários, atrás do refeitório no fim do corredor, logo depois do vestiário.
Quase se esqueceu do guarda-chuva que trouxera, pois achou que iria chover na noite passada, mas hoje de manhã cedo o sol já raiava forte.
Voltou para busca-lo e na segunda vez que estava chegando próximo da sala onde a diretora estava viu um jaleco branco com algumas marcas de sujeira e com alguns rasgos. Como já tinha encerrado o turno e não queria mais nem saber de assuntos macabros seguiu porta a fora o mais rápido que pode.

Chegou em casa e ao ser abordado pela esposa sobre o trabalho, disse apenas que “andou esquentando a cabeça com coisa que não entendia e acabou se arrependendo, mas que agora tava tudo tranquilo novamente.”
Deu um beijo nela, tomou seu café da manhã e foi dormir.
O que já era um costume e se para alguns o café tira o sono, para Joarez o faz dormir feito um bebê.

Continua...


Jhon Erik Voese

Título: Capítulo 3 – O guarda noturno.

Autor: Jhon Erik Voese (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Capítulo 3 – O guarda noturno.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios