Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Antes que seja tarde 3º capitulo

Antes que seja tarde 3º capitulo

Categoria: Literatura
Visitas: 2
Antes que seja tarde 3º capitulo

“ O sol renova-se todos os dias. Não deixa de ser eternamente novo”
Heráclito

30 De maio de 2005

Rejeitada, ensina ao seu coração o seu novo rumo. Vai deixar que o seu coração siga o seu devido rumo e valor. Mafalda acaba por desistir. O seu matrimónio não tinha chama. Apenas cinzas inertes no chão, impossíveis de voltar a ser o fogo que outrora ardeu. Não queria saber do que Rafael queria. Ela fartou-se da vida sem sal, mais que amarga nos últimos tempos. Tempo demais para voltar a ser feliz ao lado do homem com quem casara há onze anos. Era um casamento infértil, sem frutos a colher.

Digam o que digam, quem manda é o coração.

-Que e que estas a fazer? – Pergunta Rafael ao entrar em casa e a ver Mafalda no móvel de madeira de pinho retirando os livros de capa dura para uma caixa de papelão.
-Vou manda-los para a lavandaria! Que te parece?! Os livros são meus estou a polos nas caixas. Pertencem-me! – Responde Mafalda sarcástica revoltada pelos anos de casamento falidos enquanto fechava mais uma caixa e a levava para ao pé da porta.
-Mas que se passa contigo? Estás doida? – Questiona-lhe tirando o casaco pendurando-o no cabide.
- Passa-se que o nosso casamento acabou! Estou farta de tropeçar nos teus dramas, nos dias sem te ver, nas noites em que me deixas sozinha na cama! Passas dias e dias sem dizer nada, na rua a vaguear como um sem-abrigo! O meu amor por ti morreu há já muito tempo!
Mafalda fecha mais uma caixa, passa a frente de Rafael estático e mudo. Deixa mais uma caixa a beira da porta. Rafael não tinha reacção, não estava a espera do que estava a ver.
- Durante esta semana vou levando as minhas coisas. Tudo o que em meu vem comigo! E espero que o divórcio seja rápido! Quero sair da tua vida o mais rápido possível. Fiz as malas do meu coração, porque se isto é amor… Desisto!

A porta fecha-se com tanta força que o barulho ecoa pela casa toda e arranca o hipnotismo de Rafael. Fecha os olhos, recorda todos os momentos ao lado de Mafalda. Sente a força de anos, agora sufocados pelo tempo que apagou a felicidade de outrora. Rende-se ao presente, ao fracasso, ao despedaçar da sua existência.

Afonso desperta. Ouve um leve som do trânsito. Das pessoas a passar, a falar, a gritar, a mexericar… Sente o calor da luz que atravessava as janelas panorâmicas do 8º andar. O lençol estava a cobrir o seu tronco deixando o resto desprotegido. Esfrega o nariz na almofada, sente o aroma do seu corpo impregnado, apenas o seu e não outro. Estica o seu braço como quem procura encontrar alguém dormindo ao seu lado. Mas naquela cama, naquele sítio estava ele e apenas ele. Sente-se apesar de tudo vivo, não quer dias cinzentos, quer sentir o que sente o coração.

Abandona a cama já tarde. Sente-se a começar a ficar mais frágil, sente o pesar dos movimentos, de respirar, de viver. O tempo estava a passar e não deixavam uns míseros segundos para pensar o que havia ainda para fazer.

Lembra-se da criança que vira na praia. Ficara com aqueles olhos pequeninos a brilharem para si na sua cabeça. Olha para a sua casa enorme. Um T2 de luxo, um carro novo, montes de dinheiro e ninguém a quem deixar tudo o que construiu numa vida. Trabalhara uma vida toda para preencher o vazio que sentia no coração. Encosta-se ao vidro. Abre a mão no vidro quente dos raios de sol, olhava para o dia do restante mundo a sua volta. Os homens de fato que corriam com o telemóvel preso na orelha, as senhoras que levavam os seus filhos e lhe davam indicações, os idosos lentos da correria, o trânsito caótico e sem tempo a perderem.
-Isto e para por no meu carro! Imediatamente! – Manda Mafalda aos homens das mudanças.
Olha para a casa que outrora fora sua. Os momentos que passar la. Mas era tempo de olhar para a frente.

-Uma mulher como eu merece mais! – Diz para si vendo a foto do seu casamento. Agarra-a entre as mãos. O seu sorriso imortalizado daquele momento, uma mulher jovem que não sabia o seu futuro. Hoje olha para si aos trinta e sete anos. Já não era a jovem que se casara há onze anos atras. Rafael permanecera quase inalterado no tempo. Mas apenas por fora que por dentro apodrecera. Tornara-se um homem que se desligara do casamento. Deixara de ser amor. Mafalda apenas sentia pena do seu marido. O tempo trouxe-a ate ali. A sua vida mudara como o vento, agora o caminho era novo. Sentia-se bem neste novo rumo e apenas queria apagar os anos vividos ao lado de um homem que não lhe deu valor. Os seus dedos apertam a moldura, a fúria de um casamento falhado e os anos perdidos. Era o que sentia.

-Senhora esta tudo carregado. – Diz-lhe o rapaz ainda novo.
-Só um minuto, eu vou na frente com o carro. – Fala Mafalda fixada na foto do casamento. Chora pelos momentos infelizes, das promessas falhadas, como se o sol dos seus dias não nascera nos últimos anos. Atira a moldura ao chão. O vidro quebrasse tal como a união que tinha com Rafael. Com o salto do seu sapato desfaz ainda mais os vidros.
-Ainda tenho planos de ser feliz! – Grita no espaço quase vazio e sai daquele lar sem intenção de la voltar jamais.

O dia ficou cinzento, perdeu a cor que mostrara pela manha. As nuvens apagaram os raios de sol, taparam a luz do dia. Parecia que o céu ia cair e desfazer-se em água. Mesmo assim Afonso resolve voltar a praia. Ver o mar novamente, sentir de novo a felicidade daquele sorriso de criança.

O mar estava mais agitado que no dia anterior. Afonso descia as escadas de madeira clara desgastada pela passagem do tempo. As ondas rebentavam nas rochas mesmo ao lado, beijavam a areia na sua frente com ansiedade, indo e vindo numa corrida mais rápida que o normal. A praia estava deserta, a areia perdera o brilho, o mar estava mais obscuro. Afonso rodopia em si mesmo buscando alguém. Observa a solidão de si mesmo. Sentia-se mesmo sozinho naquela paisagem sem cor e sem brilho. Cada vez mais negro o céu, deixa escorregar umas gotas que começavam a cair, levemente caiam e pesavam na área fina, fundiam-se na espuma que rebentava nas rochas e seguia as ondas que molhavam os pés descalços de Afonso. A chuva começa a cair mais forte. Abre o guarda-chuva que trouxera consigo, já prevendo que o tempo mudasse. Fica quieto debaixo dele apreciando a chuva a cair sobre o som das ondas e o embate no objecto preto que protegia Afonso. A chuva começa a tornar-se cada vez mais intensa. Afonso começa a andar na direcção oposta do mar. Sente um suspiro gelado pelo seu corpo.

-Espere! Espere! – Gritava uma voz a apressar-se atras de Afonso. Este vira-se. Uma mulher corria descalça pela areia encharcada debaixo da chuva que cai sem cessar. O seu vestido vinha colado ao corpo fino, os seus cabelos negros pingavam as gotas de água.

A mulher abriga-se debaixo do guarda-chuva de Afonso. Respira ofegantemente tentando recuperar o folego. Olha para Afonso com os seus olhos azuis-escuros como o céu naquela tarde e transmitiu:
-Obrigado por ter esperado.
-Não tem que agradecer! – Diz-lhe Afonso olhando para ela debaixo daquela chuva intensa.


Tiago Manso

Título: Antes que seja tarde 3º capitulo

Autor: Tiago Manso (todos os textos)

Visitas: 2

602 

Comentários - Antes que seja tarde 3º capitulo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios