Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Falar a Verdade a Mentir, de Almeida Garrett

Falar a Verdade a Mentir, de Almeida Garrett

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 2
Falar a Verdade a Mentir, de Almeida Garrett

As personagens de Falar a Verdade a Mentir, de Almeida Garrett são: José Félix, Duarte, Amália, Joaquina e General Lemos.

Interesseiro e pretendendo, em determinado passo, apresentar um estatuto superior ao real, José Félix personifica, sobretudo, a tradicional figura do expedito, capaz de se desdobrar em mil e uma situações para alcançar o objetivo. E o seu objetivo, neste caso, são as cem moedas que compõem o dote de Joaquina, mediante a condição de sua ama se casar. Será esta a situação de partida que irá desencadear o envolvimento posterior desta personagem na ação. Revelando uma grande versatilidade, ele será, sucessivamente, um agiota, um inglês e o general

Lemos, demonstrando que, também para ele, foi fruto da permanência em Lisboa. Ou seja, mostrou-se capaz de assimilar rapidamente as características de algumas figuras sociais da época. Neste sentido, também nele o peso da moda transparece, embora de uma forma não totalmente conseguida. Verificamos isto no discurso artificial que ensaia perante Joaquina, com um pretenso tom dramático, rapidamente desmontado e reduzido à mais simples “comédia” pela figura feminina. Por outro lado partilha com Joaquina uma linguaguem popular, reveladora da sua verdadeira posição social.

Logo no início do texto somos confrontados com o principal traço do carácter de Duarte: a sua propensão para a mentira fácil. Este uso da mentira é agravado, e simultaneamente justificado por três fatores: condição de morgado, origem castelhana e a permanência em Lisboa. Descrito por Amália como “um negociante dos antigos”, irá desconfiar sucessivamente das histórias de Duarte, para depois se deixar convencer pelas “encenações” do criado José Félix. Surge-nos como um homem de palavra, característica que, de certo modo, irá ser utilizada contra ele na cena final. Após ter definitivamente dito sim ao casamento de Duarte e Amália, José Félix está então em condições de contar toda a verdade, visto que “a palavra de Brás Ferreira é letra que não tem desconto”, ou seja, já não poderá voltar com a palavra atrás.

A personagem Amália acaba por assumir um papel secundário, embora seja uma das principais beneficiárias de uma resolução feliz do conflito. Jovem, disposta a perdoar por amor o carácter do noivo, ela partilha com o pai das virtudes de um “negociante dos antigos”. Na verdade, perante um desfecho que a fave a favorece, de imediato cumpre a promessa de alvíssaras, apenas sugerida por Duarte, e perante a dúvida de José Félix. É afinal a “lisura e verdade no trato” que também a caracterizam.

Personagem que forma par amoroso com José Félix, a sua função inicial de oponente ao criado/apaixonado é significativa como forma de contraponto entre um discurso “terra a terra” e um discurso “da moda”. É sobretudo nessa fase introdutória que a figura de Joaquina será mais marcante. A sua origem social é revelada pela linguagem utilizada, com características populares: recurso a expressões como “milho”, “peta”, “meco”, “pintos”.

O General Lemos deixa-se sugestionar facilmente pelas lisonjas de Duarte à sua figura. A partir daqui, e apercebendo-se da situação vivida pelas outras personagens, decide intervir a favor de Duarte, contribuindo assim decisivamente para um “final feliz”.


Daniela Vicente

Título: Falar a Verdade a Mentir, de Almeida Garrett

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 2

654 

Comentários - Falar a Verdade a Mentir, de Almeida Garrett

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como cuidar de Plantas de interior

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Bricolage Jardim
Como cuidar de Plantas de interior\"Rua
Cada planta tem um comportamento diferente, vou colocar aqui alguns cuidados que servem para a maioria delas.

LUZ:

Os principais erros no cultivo de plantas de interior é a falta de luz.
Se elas estiverem em locais onde não há luz suficiente, isso pode ser corrigido com a instalação de luz artificial, existe no mercado lâmpada que imitam a luz natural.


TEMPERATURA:

Mudanças bruscas de temperatura retardam e até paralisa o crescimento da planta, bem como causa a queda de folhas.


UMIDADE:

A maioria das plantas necessita de uma umidade atmosférica adequada.
Normalmente notamos que a planta não está com a umidade correta quando acontece ficarem amarelas e a queda de folhas.


IRRIGAÇÃO:

Conselhos básicos:
Uma planta em fase de crescimento vai precisar de mais água que uma que está em fase de dormência, ou já atingiu o seu tamanho adulto.
Durante a floração a planta precisa de mais água que em sua fase de crescimento
Em ambientes internos mais quentes é evidente que a planta vai precisar de mais águas que em ambientes mais frios.
Para saber qual é o momento exato de molhar, enfie o dedo no substrato, se sentir ele seco, chegou a hora

FERTILIZANTE:

Para que a planta tenha um desenvolvimento harmonioso convém usar periodicamente de fertilizantes que podem ser líquido ou sólidos.
No mercado existe a venda fertilizante com fórmulas específicas para cada planta.
Após a utilização do fertilizante regue a planta.

LIMPEZA:

Faça regularmente a limpeza de folhas secas e caule, pois elas são bastante positivas não só esteticamente como para a saúde das plantas.
Se estiver acumulada muita poeira sobre as folhas, espane, e depois passe um pano húmido
Atenção: Existe algumas espécies, que tem as folhas aveludadas, tipo a Violeta Africana, Begônia Rex, etc. que não deve ser colocada água é só usar uma escovinha bem macia.

TROCA DE VASO:

De uma maneira geral após 1 ou 2 anos as plantas de interior devem ser colocadas em vasos de tamanho maior.
Isso deve ser feito porque as raízes passam a ocupar um grande espaço e também porque o substrato vai perdendo sua composição inicial.
A época mais adequada varia de planta para planta, algumas devem ser feitas na primavera e outras quando estão na fase de repouso.
Aproveite para obterem mudas, separando brotos e dividindo touceiras.

Pesquisar mais textos:

Miguel Pereira

Título:Como cuidar de Plantas de interior

Autor:Miguel Pereira(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Briana AlvesBriana

    13-10-2014 às 04:09:31

    Muito bom! É tão gratificante cuidar de plantas. A gente vê o quanto elas florescem quando são bem-cuidadas. Amei as dicas!

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    18-04-2014 às 22:36:55

    Fantástico seu texto, a Rua Direita agradece!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios