Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Velho Coxo

Velho Coxo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Velho Coxo

Havia um velho coxo, que detestava a sua terceira perna. Detestava tanto que falava, não gritava, parecia um casal a discutir, não parecia um maluco a falar sozinho, bem, parecia é a favor. As suas costas custavam, mas também custava movimentar-se sozinho. A bengala ajudava-lhe mas o velho talvez fosse um pouco rezingão demais. Por isso ele tratava-lhe mal. Todos os dias ao acordar dizia:

-Aonde está sua maldita bengala?

Demorava por vezes horas a achar a maldita bengala. Ela tinha bocadinhos de lasca, por isso por vezes pegar da bengala, doía, ao movimentar-se dela, ela acidentalmente aleixava o pé do velho. Meu Deus, como ele ficava danado, jurava sempre que um dia partia a bengala, o odio era apenas odio, não transformava em amor, não podia, era um objeto. A menos que… bom continuando.

Um certo dia o velho coxo, acordou e não conseguia encontrar a sua bengala, mas desta vez tinha demorado o dia quase inteiro, mas não conseguia encontra-la. Então decidiu tentar a sua sorte hoje, a sua casa não tinha elevador, tinha que descer as dificulta escadas, via-se completamente aflito. Ao final do dia encontrava-se exausto, não se lembrava de ter-se cansado de tanto, como em tempos quando era jovem. Mas sentia-se bem sem a sua maldita bengala, via agora que nunca lhe permitiu viver como queria, não queria saber o quanto mal lhe fizesse ao corpo, já não tinha assim muitos anos por viver.

Um dia que passava as dores da sua perna mexiam-lhe, ele estava velho mas se calhar teria que requerer algo. Seriam uns bons analgésicos. Tinha sim efeitos secundários, e tal ressaca causada só poderia ser aguentada por jovens. Mas a dor da perna consumia-o, não aguentava mais. Esforçava-a demais.
Estava da hora de encontrar a bengala
Não sabia aonde devia procurar, mas tinha que tentar em qualquer sitio. Um outra maneira de por vezes suavizar a dor era beber, mas beber muito. Provavelmente ficou tão bêbado que foi ao rio.

O velho foi em direção ao rio, mas não havia por aonde procurar, teria que nada, não se importava de fazer-se ao mar, ele morreria só para salvar a sua bengala, precisava agora dela mais do que nunca. O seu corpo velho não aguentava a força do rio, de facto perguntava-se o quanto tinha consumido para fazer esta estupides. Muito pelo que pensa. Assim foi com muita força, não parou nem por um minuto.

Tinha ido para a outro lado da costa por cinco forçosos minutos. O seu corpo tremia, agarrou um bocado de madeira lascada. Abrindo os olhos devagarinho viu a sua bengala, levantou-se quase com lagrimas dos olhos.

PARTIU A BENGALA

Não precisava mais disso, e assim foi o velho coxo comprou uma bengala de aço, era mais pratica para ele.

Havia um velho coxo, que detestava a sua terceira perna. Ou aliás quarta perna.


Manuel Velez

Título: Velho Coxo

Autor: Manuel Velez (todos os textos)

Visitas: 0

611 

Comentários - Velho Coxo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios